Como captar mais leads com Anúncios Facebook – parte 1

Captar leads parte 1

Porque está a fazer anúncios?

É porque é giro e está na moda? É porque os seus amigos e concorrentes estão a fazer isso e acha que está na altura de começar? Isso não é uma boa razão.

Homem cabeludo a apontar

Talvez queira dar a conhecer a sua empresa, ou já é
conhecido e quer resultado, quer captar leads, dar valor, e
convertê-las em clientes.

Qual a estratégia?

Quais são os passos que você vai ter de fazer para chegar
aos seus objetivos.

Ou seja, como e o que vai fazer para pegar em alguém no Facebook que não sabem quem você é, dar-lhe valor, e captar essa lead para a sua lista de email?

É isto que tem de saber sequer antes de definir o seu público e criar o seu anúncio.

Mao em lampada com seta em quadro

“Trás-para-a-frente”

Se eu quiser vender um curso online, quais são os passos
que tenho de fazer para que isso aconteça?

Vou começar pelo fim: a venda. O que tem de acontecer para haver uma venda? As pessoas têm de confiar em mim.

As pessoas têm de confiar em mim. Preciso dar-lhes valor via email/bots Messenger e retargeting via anúncios Facebook. Passo anterior é captá-las para a minha lista de email para lhes dar valor. O passo anterior a este é saber como captar as pessoas para a minha lista de email: têm de ir para uma landing page por exemplo. Passo anterior a este é qual a oferta que dou em troca do email delas? Outro passo anterior a isto começa no anúncio Facebook. Como vou definir o público? Que copy persuasiva vou usar? Que imagem vou criar? Como vou testar?

Esta estratégia do “trás-para-a-frente” dá que pensar não dá? Porque lhe dá os passos que tem de fazer para chegar ao resultado que quer, é uma espécie de checklist.

Pes na areia

A Oferta

Como é que vai atrair pessoas para a sua lista de email? Qual a oferta, o freebie que lhes vai dar para as convencer a darem o nome e email delas?

Use algo que dê um momento “a-ha”, um momento Eureka às pessoas. Isto pode ser uma checklist, um mini-guia, algo que lhes dê valor. Eis 29 exemplos de lead magnets.

Se estiver a oferecer algo às pessoas que é tão bom, mas tão bom, que acha que devia de estar a vender isto, é aí que sabe que tem dá grande valor e que as pessoas vão gostar.

Boneco portátil lampada

Onde vai captar as leads

  • landing page no seu site: leve as pessoas para uma landing page sua onde tem a sua oferta e lhes pede o email em troca do seu freebie. Exemplo.
  • artigo no seu site: leve as pessoas para um artigo seu, e no artigo tem algum documento que complementa bem o artigo, em que as pessoas têm de dar nome e email para ficarem com ele. Exemplo.
  • dentro do Facebook: pode captar leads sem sair do Facebook, mas note que serão leads de baixa qualidade. Explico o porquê neste post. Se ainda assim quiser avançar, eis um artigo que explica como fazer este tipo de anúncios.

Mockup de pagina web

Retargeting

Faça anúncios para lembrarem as pessoas para voltarem ao seu site ou à sua landing page. Isto é uma tática de retargeting.

Pode fazer anúncios para pessoas que interagiram com posts seus, com a sua página, com o seu bot, com os seus vídeos, que visitaram o seu site, que viram um artigo seu, as possibilidades são impressionantes.

E o melhor disto tudo é que este tipo de anúncios são mais baratos e têm melhores resultados porque são mostrados a pessoas que já interagiram consigo. Veja este artigo para saber mais sobre como fazer retargeting.

Homem de costas com alvo

Cresça a sua lista

Se ainda não o está a fazer, comece a captar leads para as pessoas irem para a sua lista de email.

Cresça a sua lista e acompanhe as pessoas a dar-lhes valor todas as semanas, para se lembrarem e confianrem em si.

Não interessa o tamanho da sua lista desde que sejam pessoas que acreditam e confiam em si. Ao investir agora a dar-lhes valor, irá ter mais reconhecimento, resultado e vendas a longo prazo.

Envelope portatil euro email

Conheça as pessoas

Se não sabe o tipo de oferta (lead magnet, freebie) a dar às pessoas, fale com os seus potenciais clientes e com os seus clientes atuais.

Se não quiser falar em pessoa ou por telefone, comunique por email, por inquéritos, seja o que for – não pense que conhece tudo sobre o seu público-alvo, porque irá ter algumas surpresas.

Isto pode-lhe dar boas oportunidades para arranjar novos tipos de oferta, produtos, ou formas mais eficazes de promover os seus serviços.

Rapariga a ponderar

Está a começar?

Se estiver no princípio da jornada, vá atrás de públicos frios. Tem de começar nalgum lado. Frio significa que são pessoas que não a conhecem. Defina o seu público conforme o tipo de cliente que está à procura.

No que é que eles estão interessados. Quem é que eles seguem online? Quem são os seus concorrentes?

Faça uma lista de tudo isto. Se for instrutora de Pilates, pode segmentar para mulheres dos 24 aos 52 que gostam de Yoga. Pode fazer isso. Mas pense também em que marcas é que elas estão interessadas. Que páginas é que elas Gostam? O que é que elas compram? Por onde é que elas andam?

Homem a ponderar com bonecos

Eis uma ferramenta para ajudar

Vá às Estatísticas do Público, uma ferramenta gratuita dentro do Gestor de Anúncios, porque é aí que vai conseguir encontrar as pessoas, o seu tipo de cliente ideal.

Pegue na tal lista (que falámos anteriormente) que fez, sobre os interesses, e tudo aquilo que você conhece sobre o seu público-alvo (que marcas gostam, que idade têm, etc).

Depois use isso nesta ferramenta do Estatísticas do público para definir os seus públicos.

Estatisticas publico (audience insights)

E depois o que fazer?

Crie uma campanha e comece com um conjunto de anúncios com um target. Comece com €10/dia. Super básico.

Depois adicione mais conjuntos de anúncios com mais interesses e segmentações. Aponte para um público de 100.000 a 1 milhão, desde que esteja bem segmentado para o seu negócio.

Mas teste também com públcios mais pequenos < 100.000. Não pense que mais é melhor: por vezes um público mais específico tem melhores resultados. Icones de pessoas

Não tenho pessoas suficientes: o que fazer?

Comece a agrupar interesses semelhantes dentro do mesmo conjunto de anúncios para aumentar o seu público.

Note que ao agrupar interesses no mesmo conjunto de anúncios não vai ter informação sobre quais os interesses que lhe estão a dar melhores resultados.

Mas a razão pela qual vai fazer isso é para aumentar o tamanho do seu público para dar mais informação ao Facebook para que ele consiga mostrar os seus anúncios ao tipo de pessoas ideais.

Interesses em empresas

Então e os fãs?

Sim, pode fazer anúncios para os fãs.

Mas há duas situações onde não o deve fazer:

  • se tem poucos fãs, ou
  • se tem muitos fãs, mas eles não são “bons fãs”, ou seja, são pessoas que seguiram a sua página devido a anúncios mal feitos e uma má comunicação de marketing.

Algo que vai ajudar: VÍDEO

Aqui está um vídeo sobre como usar as Estatísticas do público para encontrar o seu tipo de cliente ideal. Espero que isto lhe seja de grande valor.

Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Que raio é o Período de Conversão no Facebook?

Janela ou período de conversão.

Neste artigo vou explicar o que é o Período de Conversão no Facebook (também chamado de Janela de Conversão, mas não confundir com Janela de Atribuição).

Há uma grande confusão com isto, mesmo com pessoas que fazem anúncios há muito tempo e aqueles que se consideram experts.

Mas é compreensível porque o Facebook tem uma linguagem difícil para explicar as suas opções e funcionalidades, e nem todos os marketers ou empresas têm obrigação de perceber estas coisas.

Por isso é que eu estou aqui: para lhe explicar isto tintim por tintim 🙂

Tintin

Vamos então perceber o que é o Período de conversão e como é que isto se relaciona com a Janela de Atribuição e objetivos de otimização.

Nota: O Facebook tanta chama isto de Período de conversão como Janela de conversão, o que pode dificultar a distinção entre este termo e a Janela de atribuição. A sua cabeça já está a deitar fumo?

O que é um Período de conversão?

Então eis a explicação.

Período de conversão é o período de tempo selecionado pelo anunciante para ajudar o algoritmo do Facebook a aprender e otimizar o anúncio.

O conjunto de anúncios aprende dos dados que recebe nesse período de tempo e otimizada a publicação do seu anúncio para encontrar as pessoas mais propensas para se converterem.

Período de conversão no Facebook

Esta opção é definida a nível do Conjunto de anúncios, na secção de Otimização e publicação. Ao clicar no drop-down aparece a opção de escolhermos outros períodos de tempo, tais como:

  • 1 dia
  • 7 dias

Cada um destes períodos de tempo é tem as suas ações distintas:

  • Clique
  • Visualizão

A combinação destes dois parâmetros é a atribuição dos dados que o Facebook capta. Neste artigo descrevo o que é a atribuição de dados. Mas vamos avançar.

A atribuição de dados vem numa combinação de Cliques…

  • Clique de 1 dia
  • Clique de 7 dias

… Ou de Cliques e Visualização

  • Clique ou visualização de 1 dia
  • Clique de 7 dias ou visualização de 1 dia

Note que a janela de atribuição de dados não é a mesma coisa que a janela de atribuição que pode selecionar no gestor de anúncios para ver as estatísticas. Outra nota: a janela de atribuição não é a mesma coisa que o período de conversão. Cada um destes tem semelhanças mas com propósitos diferentes.

O que é uma Janela de atribuição?

Vamos perceber então o que é uma Janela de atribuição.

Uma Janela de atribuição é o período de tempo no qual uma ação pode ser acompanhada e atribuída a um determinado conjunto de anúncios.

Por exemplo, alguém vê o seu anúncio Facebook e faz uma compra num período de 24 horas ou em 7 dias, ou mesmo após 7 dias.

No entanto, quando a sua lead faz a compra, o evento final do píxel será atribuído ao conjunto de anúncios porque o evento da compra foi como resultado direto do seu anúncio.

O Facebook acompanha a lead até 28 dias após clicar ou ver o seu anúncio e atribui a ação ao conjunto de anúncios que a causou.

Pode encontrar a janela de atribuição dentro do seu Gestor de anúncios.

Passo 1: Clique em Personalizar colunas no Gestor de Anúncios

Personalizar colunas nos relatórios Facebook.

Passo 2: Clique em janela de atribuição

Alterar janela de atribuicao

Passo 3: Selecione uma janela de comparação

Janela de comparação

Passo 4: Analise os dados no Gestor de anúncios

Nesta imagem pode ver que as estatísticas mostram os Resultados como Atribuição de visualizações de 7 dias e Atribuição de cliques de 7 dias.

Janela de comparação no Gestor anúncios

Período de conversão & otimização

Se não se lembrar de mais nada deste artigo, por ‘mor de Deus, lembre-se pelo menos destsa secção.

Os Períodos de conversão são super IMPORTANTES para otimizar os seus conjuntos de anúncios. É a janela de oportunidade que o seu conjunto de anúincios tem para usar um evento atribuído para melhoria da otimização pelo algoritmo.

Num artigo anterior mencionei que o Facebook requer que tenhamos 50 conversões por semana antes de poder otimizar e mostrar os anúncios às pessoas certas.

O período de conversão e a otimização estão intimamente ligados, e vou explicar com dois exemplos.

Exemplo A: Período de conversão de 1 dia

Suponha que tem uma campanha criada de Conversões para o seu site em que o Período de conversão é de 1 dia, e o evento para o qual está a ser otimizado é de Compra.

Otimizar evento conversão para Compra

Você está a deixar correr esta campanha durante uma semana, a começar na segunda-feira, e tem 50 Compras no espaço dessa semana (50 conversões), distribuídas da seguinte forma:

  • Segunda-feira – 8 compras, 23 abandonos do carrinho
  • Terça-feira – 6 compras + 3 recuperações de carrinho, 18 abandonos de carrinho
  • Quarta-feira – 5 compras + 4 recuperações de carrinho, 15 abandonos de carrinho
  • Quinta-feira – 3 compras + 3 recuperações de carrinho, 17 abandonos de carrinho
  • Sexta-feira – 5 compras + 6 recuperações de carrinho, 21 abandonos de carrinho
  • Sábado – 7 compras + 2 recuperações de carrinho, 17 abandonos do carrinho
  • Domingo – 6 compras + 2 recuperações do carrinho, 19 abandonos de carrinho

(recuperação do carrinho significa que comprou)

Da informação acima, concluímos que a campanha ultrapassou a linha das 50 conversões/semana, tendo XX nestes 7 dias.

Mas quando vamos a ver a coisa bem, percebemos que dessas 60 compras, 20 foram de recuperação do carrinho, que ocorreram em cada dia a seguir.

Como estamos a usar uma Período de conversão de 1 dia, apenas 40 dessas 60 conversões irá contar para efeitos de otimização do algoritmo.

As recuperações do carrinho ocorreram no DIA A SEGUIR, que é pelo menos 24 horas depois APÓS o potencial cliente ter clicado/visualizado o anúncio, colocando-o fora do Período de conversão de 1 dia (leia este parágrafo de novo).

Qualquer que seja o Período de conversão que escolher, a conversão TEM de ocorrer DENTRO daquele período para ser contado para efeitos de otimização

Caso contrário, estará a ter as 50 conversões por semana mas se as conversões estão fora desse período então estará a pagar €€€ para ter conversões que não irá otimizar o seu conjunto de anúncios – é um peso morto, dinheiro desperdição.

Assim o Facebook não irá otimizar os seus anúncios e não irá mostrar às pessoas certas, o que fará com que a longo prazo esteja a gastar mais dinheiro em anúncios, para ter menos resultados (vendas/leads).

Exemplo B: Período de conversão de 7 dias

Vamos usar os mesmos dados mas em vez de 1 dia, vamos usar um Período de conversão de 7 dias.

  • Segunda-feira – 8 compras, 23 abandonos do carrinho
  • Terça-feira – 6 compras + 3 recuperações de carrinho, 18 abandonos de carrinho
  • Quarta-feira – 5 compras + 4 recuperações de carrinho, 15 abandonos de carrinho
  • Quinta-feira – 3 compras + 3 recuperações de carrinho, 17 abandonos de carrinho
  • Sexta-feira – 5 compras + 6 recuperações de carrinho, 21 abandonos de carrinho
  • Sábado – 7 compras + 2 recuperações de carrinho, 17 abandonos do carrinho
  • Domingo – 6 compras + 2 recuperações do carrinho, 19 abandonos de carrinho

Temos à mesma 60 conversões (compras).

Mas desta vez, cada uma destas conversões vai contar para efeitos de otimização, porque todas elas caíram no espaço de 7 dias, ou seja, as conversões aconteceram num período de 7 dias após o potencial cliente ter clicado/visualizado o anúncio.

Isto é diretamente do Facebook:

Aviso Facebook conversões

(O Facebook tanta chama “janela” como “período” de conversão, para complicar ainda mais a terminologia)

Lembre-se disto: O seu conjunto de anúncios pode ser atribuído a um evento de conversão, mas se o evento não tiver ocorrido dentro daquele período, então não contará para efeitos de otimização para esse conjunto de anúncios.

Porquê usar *de todo* o Período de conversão de 1 dia

Com os dois exemplos que lhe dei, ficamos a pensar porquê usar de todo o Período de conversão de 1 dias quando nos arriscamos a não deixar o algoritmo do Facebook otimizar os nossos anúncios.

O Facebook recomenda (e eu concordo com eles) que um Período de conversão de 7 dias é melhor na maioria das situações, já que dá ao conjunto de anúncios um período de tempo maior para usar os eventos para efeitos de otimização.

Isto é algo que deverá decidir por si próprio(a).

O Facebook só pode acompanhar e atribuir eventos causais, que são eventos que ocorrem como resultado do seu anúncio. Ele não pode atribuir eventos coincidentes, que são eventos que poderiam ter ocorrido com ou sem o seu anúncio.

Se o seu site gera várias conversões (leads, vendas) a partir de tráfego orgânico, então experimente usar um Período de conversão de 1 dia para ter uma melhor perspetiva nos seus gastos em anúncios.

Eu faço Períodos de conversão de 7 dias para mim e para a maioria dos meus clientes mas é uma questão estratégica.

Publicação vs Relatórios

Perceber estes dois parâmetros de publicação e relatórios vai ajudá-lo(a) a perceber as janelas/períodos melhor.

O Período de conversão tem como base o sistema de publicação e a Janela de atribuição é um parâmetro de relatório (estatística).

Os parâmetros de relatórios permitem-lhe ler, analizar e exportar os dados. Dá para os dados demográficos como a idade, sexo, local, assim como custos por ação. Estes são os parâmetros de relatórios, que não servem para otimizar as suas campanhas, só servem para ver as estatísticas.-

A janela de atribuição tem o mesmo propósito, é para ver estatísticas com base no que selecionámos (1 dia, 7 dias, 28 dias). O Facebook irá acompanhar uma conversão até 28 dias após o clique/visuação do anúncio pela lead. Pode ainda desmembrar esses 28 dias em 1 dia, 7 dias e 28 dias para perceber, nos relatórios, em que ponto a ação ocorreu após o clique/visualização do anúncio.

Os parâmetros de publicação são sistemas que analisam os dados num anúncio assim como no conjunto de anúncios, e estes sim ajudam na otimização da publicação dos anúncios em tempo real. Pode ver estes nos relatórios (estatísticas) do seu Gestor de anúncios, em que o objetivo deles é gerar mais resultados e otimizar os seus conjuntos de anúncios.

Perceber e controlar estes sistemas terá um impacto direto na sua campaha. Alguns exemplos do que são os parâmetros de publicação: orçamento, lance, local de publicação, definição de interesses e Período de conversão.

Resumindo…

  • Período de conversão têm como base a publicação que otimiza os seus conjuntos de anúncios
  • Janela de atribuição têm como base os relatórios onde pode ver as estatísticas

Conclusão

Perceber os períodos de conversão não é fácil. Levou-me bastante tempo a testar, a ler e pesquisar a documentação no Facebook para perceber como é que isto tudo funciona.

O sistema de publicação é resultado da grande máquina que é o algoritmo, e o Facebook não revela detalhes importantes sobre isto.

Neste artigo não deu para explicar TUDO sobre os períodos de conversão e como eles se relacionam com a otimização do conjunto de anúncios, mas resumi a coisa o suficiente para poder ser facilmente digerida por si, meu caro(a) leitor(a).

Se eu fosse mais a fundo nisto, ninguém percebia nada.

Espero que isto lhe sirva como um bom sumário para ajudá-lo(a) a escolher qual o período (ou janela) a usar quando criar as suas campanhas, assim como definir um orçamento apropriado.

E teste. Teste. Teste.

Você está a fazer mal os seus anúncios

Dicas otimizacao anuncios 101

Sim, você está a fazer mal os seus anúncios 🙂

Neste artigo vou explicar um detalhe pequeno mas importante com os anúncios Facebook que muitos anunciantes não sabem e que lhes fazem custar muito dinheiro a longo prazo – otimização do conjunto de anúncios.

Vou explicar isto tendo como base uma campanha com objetivo de Conversões.

Otimização de conjuntos de anúncios

Vamos lá arregaçar as mangas.

Mulher de força com mangas arregaçadas

Introdução à otimização de anúncios Facebook

Já ouvi de tudo meus amigos. As pessoas têm muitas teorias. Você lança um novo conjunto de anúncios para o seu produto ou serviço, define um orçamentozito de €5-20 e depois acontece uma destas coisas:

  • Não tem conversões/resultados
  • Mesmo que tenha, são inconsistentes
  • Tem muitas conversões

Nas primeiras 2 situações, você não tem ideia se deve continuar a testar ou desativar os conjuntos de anúncios. Por outro lado, na última situação, você não sabe como expandir a campanha (mas isto é um bom problema de se ter).

Aquilo que irá estragar os seus planos é você não saber os seus números, as suas métricas. Se não tem ideia do tipo de ROI que a sua campanha de publicidade geral, mais vale ‘tar quieto.

Mas eu vou ajudar porque sou bom rapaz.

Definir otimização no conjunto de anúncios

Se quer levar o seu negócio ao próximo nível, então perceba o algoritmo de publicidade do Facebook.

Não há nenhuma outra plataforma no mercado que chegue aos calcanhares das possibiidades de segmentação e otimização que o Facebook tem.

Use e abuse dos anúncios Facebook para a sua empresa e irá DOMINAR o seu mercado para milhares de potenciais clientes.

Homem com polegar no ar

O problema é que as empresas e os anunciantes perdem-se na parte técnica da criação da campanha e sistemas que deveriam permitir que a otimização ocorra. Eles simplesmente não sabem tirar partido disso e como resultado perdem bastante dinheiro e tempo.

O algoritmo do Facebook é secreto. Ninguém sabe verdadeiramente como funciona, ao ponto que os representantes de anúncios do Facebook (se tiver um designado para si) dão conselhos diferentes.

Mas o que sabemos é que o algoritmo tem como base o “machine learning”, um conceito que significa que é uma espécie de inteligência artifical, e que aprende com base na quantidade e qualidade dos dados que recebe. Os conjuntos de anúncios precisam de dados para ser otimizados (lembre-se disto).

Olho algoritmo facebook

É preciso perceber que:

  • A otimização ocorre a nível do conjunto de anúncios
  • Duplicar um conjunto de anúncios não copia os dados para o novo
  • Todos os conjuntos de anúncios começam com 0 de otimização
  • Não há nada que indique que o píxel irá auto-otimizar um conjunto de anúncios

A janela mágica (não, não é a Janela de conversão)

Isto é – infelizmente – um dos segredos menos guardados cuja matéria o Facebook cobriu extensivamente, e ainda assim, muitos marketers não têm a mínima ideia do que é.

E o que é isto?

O seu conjunto de anúncios PRECISA de um mínimo de 50 eventos de conversão que ocorram no período duma semana para que o algoritmo do facebook possa otimizar o seu anúncio.

Isto vem da boca do próprio Facebook.

Mínimo conversões por semana são 50

O ideal é ter 50-100 conversões por semana para poder tirar partido das capacidades de otimização do algoritmo do Facebook.

Sim, 50. Está na hora de começar a jogar com os prós.

Então como é que otimizo?

Sabendo então que o requisito básico para um anúncio bem otimizado é 50 conversões por semana, temos que verificar que o nosso anúncio tem pelos menos 7 a 14 conversões por dia. Isto é o mínimo.

Depois, vai calcular o custo por conversão de cada otimização do evento do píxel e definir o orçamento do seu anúncio para 7 a 14 vezes o custo por conversão.

Por exemplo, se você quer Compras, e o seu custo por compra até agora tem sido €10 (evento do píxel de Compra), o seu orçamento inicial deve ser €70/dia, no mínimo, para ter hipótese para ser otimizado (deve ser €70 a 140 por dia).

Se é a primeira vez que está a fazer isto, ou se não sabe qual tem sido o seu custo por conversão, então otimize um passo atrás no seu funil.

Por exemplo, o custo do evento de Adicionar ao Carrinho será sempre mais barato que o custo por Compra. Da mesma forma, o custo por Ver Conteúdos é mais barato que o Adicionar ao Carrinho.

Otimizar para eventos do píxel

Não costumo usar este método porque leva mais tempo a otimizar para o evento final que eu quero, mas é uma alternativa viável para otimizar um conjunto de anúncios quando temos dificuldade em ter conversões suficientes.

DICA: Crie Públicos personalizados e Públicos semelhantes das pessoas que estão no último passo do evento (ex.: Compra) e faça retargeting para eles com anúncios otimizados para esse evento final (ex.: Compra). À medida que esses públicos ficam mornos, eles irão converter-se melhor que os públicos frios.

Período de conversão dos anúncios (7 dias vs 1 dia)

Isto é uma opção interessante para efeitos de otimização e cobri isto extensivamente neste artigo.

Vou explicar o que isto é de forma super-resumida (mas aconselho ler o artigo que está no link anterior).

Isto funciona assim, o algoritmo aprende e otimiza apenas quando um evento de conversão é atribuído a um conjunto de anúncios. Os períodos de conversão são o período de tempo durante o qual qualquer evento de conversão ocorreu e que foi atribuído a esse conjunto de anúncios.

Período de conversão no Facebook

Por exemplo, se você definir um período de conversão de 1 dia e um potencial cliente clica no anúncio mas converte-se 24 horas depois de visualizar/clicar no anúncio, essa conversão será atribuída a esse anúncio e conjunto de anúncios, no entanto, ele não será contado para efeitos de otimização, perdendo nós aqui a possibilidade de ter uma conversão que contasse para otimização (para as tais 50 necessárias).

Os períodos de conversão permitem ao Facebook aprender dos dados gerados durante o período de conversão escolhido e otimizar apropriadamente.

Normalmente, um período de conversão de 7 dias é melhor, mas, atenção, isto deve ser testado e aplicado no seu caso e para o seu negócio, devido às conversões causais vs conversões de coincidência (isto fica para outra vez, é um bocado técnico).

Como fazer esta coisa da otimização dos anúncios

A solução é simples.

Seta e lâmpada

Conheça as suas métricas e dê dados para os seus conjuntos de anúncios poderem ser otimizados.

Por exemplo, se escolher otimizar para o evento de Compra e o seu custo por Compra é €10, definir um orçamento no seu conjunto de anúncios por menos de €70/dia é um disparate.

Se fizer isso não irá dar ao conjunto de anúncios dados suficientes para que consiga ser otimizado. Imagine que neste caso, se colocar €5/dia (em vez de €70/dia), não irá ter as 7 conversões diárias que precisa porque cada custo por conversão é de €10.

Se você é forreta e é daqueles que quer experimentar com €5/dia “para experimentar”, então vai ficar no alcatrão. Irá resumir a sua estratégia a ter uns Likes aqui e ali e perguntar-se porque é que não tem resultados.

Isto é um jogo para crescidos 🙂 Se não tem dinheiro para investir, vá fazer outra coisa.

O Facebook quer que você gaste dinheiro. Mas isto é bom, porque você está a investir para comprar “informação”, para o conjunto de anúncios ter dados suficientes para ser otimizado pelo algoritmo dos anúncios.

Boneco portátil lampada

Uma boa linha de orientação é fazer um período de teste para descobrir qual é o seu custo estável por conversão. Sugiro que lance um conjunto de anúncios no mínimo a €10/dia.

Após descobrir qual é a sua linha-base para o custo por conversão, duplique esse conjunto de anúncios a um orçamento que é pelo menos 7 vezes o custo dessa conversão mais 20 a 30% em cima disso, pelo sim pelo não. Em alternativa, pode aumentar o orçamento no conjunto de anúncios original de teste.

Se a sua definição do público, copy e imagens forem boas, então deverá estar a ter o número mínimo de conversões necessárias para ter o seu conjunto de anúncios otimizado. Deixe os seus conjuntos de anúncios correrem durante 36 a 48 horas antes de querer mexer em alguma coisa, seja paciente porque às vezes os resultados oscilam até estabilizarem para aquilo que serão os resultados reais a longo prazo.

Conclusão sobre a otimização

A otimização dum conjunto de anúncios anda de mão dada com testes que deve fazer e expansão das suas campanhas (aumentar orçamento, etc). Mas isto vai para além deste artigo, fica para outra vez.

A Otimização é importante se você quer ter um bom retorno no Facebook, porque poderá baixar o seu custo por conversão e por clique.

Rapaz com iPad na mao coisas a saltar do ecra

Não há aqui nenhum truque de magia. Faça testes com diferentes criativos (copy e imagens) até encontrar uma combinação vencedora (até pode experimentar os anúncios Dynamic Creative para isto). Após encontrar um conjunto de anúncios vencedor, adicione orçamento suficiente para continuar a ganhar ainda mais. 🙂

Não tenha medo de gastar dinheiro no Facebook, porque se souber o que está a fazer, é um investimento.

Não pode aumentar o orçamento numa campanha perdedora e esperar que isso funcione. É por isso que é bom ter um bom orçamento para efeitos de teste, e é algo que eu dou na cabeça dos meus clientes quando falo nisto.

Quando você está a testar não está a ganhar dinheiro nem ter resultados. Mas pense assim. O que está a gastar agora está a meter numa espécie de fundo poupança para lhe dar os dados para que os seus conjuntos de anúncios possam ser otimizados.

Agora ide e triunfai.

Cao com flor (cocker spaniel)

P.S.: Lembre-se que são 50 conversões semanais que precisa para que o seu conjunto de anúncios possa ser otimizado. Se não tem orçamento para otimizar para “Compras” então otimize para o passo do funil anterior, por exemplo “Adicionar ao carrinho” ou “Ver conteúdos” e faça uma campanha de retargeting para ajudar a trazer mais pessoas para “Compras” (evento mais à frente no funil).

Como fazer testes de divisão no Facebook

Testes divisão anúncios Facebook

Neste vídeo mostro como fazer split testing (testes de divisão) para que o Facebook lhe diga qual os anúncios que têm melhor resultado.

HEY. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo

Neste vídeo vou-lhe mostrar como deixar que seja o Facebook a dizer-lhe quais é que são os seus conjuntos de anúncios que têm melhor resultado.

Olá, o meu nome é João Alexandre e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

Então, vai ao seu Gestor de Anúncios e seleciona por exemplo o objetivo de campanha de Conversões. Vai selecionar a opção de Criar teste de divisão, e vai clicar em Continuar.

Aparece aqui uma secção chamada a secção variável. E nesta secção podemos testar 3 coisas. Podemos testar a Otimização de publicação, o Público ou o Local de publicação.

A Otimização de publicação é testar se é para conversões, cliques na ligação ou impressões. O Público é testar diferentes tipos de público, e o Local de publicação é testar se é para computador, para telemóvel, etc.

Nós vamos testar para Otimização de publicação.

Aparece uma secção aqui em baixo, e nesta secção de Otimização de publicação que é a variável, nós temos 2 conjuntos de anúncios que o Facebook criou por nós: o conjunto de anúncios 1 e o conjunto de anúncios 2.

Então o que eu vou fazer é otimizar o conjunto de anúncios 1 para Conversões, portanto, deixar como está, e otimizar o conjunto de anúncios 2 para Cliques na ligação.

O que é que isto vai fazer? Isto vai fazer com que o Facebook mostre o mesmo anúncio, mas para 2 conjuntos de anúncios, no qual um está otimizado para Conversões, e o outro está otimizado para cliques na ligação.

O Facebook depois vai-nos dizer qual é o conjunto de anúncios que está a ter melhores resultados.

Pode vir aqui à secção do Orçamento, e vai reparar que pode dar um orçamento para cada um do conjunto de anúncios.

Por prédefinição, o conjunto de anúncios 1 tem 50% do seu orçamento, e o conjunto de anúncios 2 tem os restantes 50%, mas você pode mudar isto de divisão uniforme para divisão ponderada, no qual pode alocar mais ou menos orçamento para um ou para outro.

O Facebook é malandreco, e meteu um orçamento de 800 euros, mas você pode meter o orçamento que você quiser.

Pode meter por exemplo €50, e vai reparar que o conjunto de anúncios está agora atribuído a 25 euros, e o conjunto de anúncios 2 está atribuído a outros 25 euros.

Isto quer dizer que o Facebook vai usar metade do orçamento para mostrar um anúncio, e a outra metade do orçamento para mostrar o outro anúncio.

Espero que este vídeo tenha sido útil: Goste, deixe um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que o possa ajudar no seu negócio. Obrigado.

4 Táticas para captar leads com anúncios

No meio de trabalho para clientes e as minhas sessões de coaching, tenho passado cada vez mais tempo a analisar relatórios (poupa-se muito dinheiro quando se sabem analisar as coisas).

Há algumas tendências que vejo aparecerem em várias das contas que faço gestão, mais algumas táticas que funcionam bem para captar leads/emails para a sua lista, e achei por bem partilhar isso consigo neste artigo.

Vamos lá às 4 táticas.

Eis então 4 táticas que estão a funcionar bem (agora) no que toca a usarmos os anúncios Facebook para captar leads e crescer a sua lista de emails:

  1. Aborde cada campanha como se fosse completamente diferente das anteriores
  2. Os anúncios funcionam quando oferece algo que as pessoas QUEREM mesmo.
  3. Teste tanto Tráfego como Conversões como o seu objetivo ao princípio duma campanha.
  4. Após encontrar a combinação perfeita de público e anúncios, expanda os seus resultados ao duplicar o conjunto de anúncios.

Tática 1: Aborde cada campanha como se fosse completamente diferente das anteriores

Já vi isto muita vez: as pessoas vão reativar anúncios que tiveram bons resultados alguns meses atrás, e agora ficam pasmadas com custos elevados.

Isto acontece aos “prós” também. Estou neste momento a debater-me com isto para um dos meus clientes. Ela costuma ter leads a €1, agora estamos a ter €1.5 (para o nicho de mercado dela ainda é bom, mas eu quero que ela consiga um custo ainda mais barato).

Então o que mudou?

Boa pergunta.

No caso da minha cliente, que tem mais do que uma landing page, o CPM (custo por mil impressões) é alto na maioria delas. Isto significa que está a custar mais fazer com que o anúncio seja visto.

Estes anúncios têm boas taxas de clique, boas pontuações de relevância e boas conversões nas landing pages.

Então qual é o problema?

O problema é que cada clique num link custa mais devido ao elevado CPM (custo por mil impressões), o que significa que cada lead que obtemos também vai custar mais.

Alto CPM e alto custo por lead

Se em todas as minhas campanhas ou dos meus clientes eu estivesse a ver CPMs elevados deste género, eu diria que é o malandro do Facebook que está a aumentar os preços para que os seus anúncios sejam vistos.

Mas não. É só nesta campanha. O que significa que estes anúncios não estão a funcionar bem, e temos de encontrar uma nova estratégia para captação de leads.

Só porque estes anúncios estavam a funcionar bem alguns meses atrás não é garantia de nada. Verifique se as suas expectativas são realistas.

Se os seus anúncios estão a funcionar bem agora, não os desative. Deixe-os correr a um orçamento que consiga investir, e preste atenção em como essas leads se estão a converter em clientes (pode saber como medir o ROI a longo prazo neste artigo).

Pode não ter sempre grandes resultados numa altura posterior, portanto aproveite agora se estiver a funcionar bem.

Tática 2: Os anúncios funcionam quando oferece algo que as pessoas QUEREM mesmo.

Isto pode ser difícil de engolir, mas é importante perceber.

Se os seus anúncios de captação de leads não estão a funcionar bem apesar de ter testado vários públicos e criativos dos anúncios, é possível que as pessoas não querem a sua oferta.

Eu estou no mercado B2B, ou seja, eu ajudo marcas e empreendedores desde 2010. Estou a fazer anúncios online (Google, Facebook e outros) desde 2011.

Em 2011 não havia conteúdos/treino gratuito sobre anúncios, portanto era facílimo ter pessoas a inscreverem-se na minha lista.

Havia ainda menos empresas B2B online na altura. Mas hoje, não dá para fazer scroll no Facebook ou Instagram sem ver uma carrada de anúncios a pedir pelo seu email em troca de algum freebie.

Um endereço de email pode parecer pouco. Mas você e eu sabemos o que acontece quando me inscrevo para receber a sua oferta: sou adicionado à sua lista. Recebo emails seus que atafulham a minha caixa de correio, poderá tentar vender-me o seu produto ou serviço depressa demais, chateando-me e perdendo-me como subscritor.

Se não está no mercado B2B, parabéns. As pessoas que está a tentar atingir estão provavelmente menos expostas a táticas de online marketing que o empreendedor típico. Isto significa que terá, provavelmente, maiores CTR (taxas de clique), CPMs mais baixos e leads mais baratas no geral.

Se é uma empresa ou empreendedor(a) B2B como eu, tem duas opções no que toca a campanhas de captação de leads:

  1. Aceita o facto de que leads de qualidade da sua oferta vão provavelmente custar-lhe +€1 ou +€2 daqui para a frente, ou
  2. Criou uma oferta que as pessoas QUEREM mesmo, mesmo, mesmo.

No caso de precisar de ser lembrado(a) disto, eis o que um(a) empreendedor(a) precisa MESMO:

  • Mais dinheiro
  • Mais clientes (ou melhores clientes)
  • Mais tempo (fazer mais em menos tempo)
  • Mais popularidade
  • Mais férias/viagens (precisa de tempo e dinheiro)
  • Mais confiança (porque nem todos somos super otimistas)
  • Mais tráfego (que significa mais clientes e dinheiro)
  • Mais subscritores (significa mais clientes e dinheiro)
  • Mais claridade sobre como expandir o seu negócio (mais dinheiro e mais confiança)
  • Instruções passo a passo para detalhes técnicos (mais confiança)
  • Templates ou guias (mais confiança, tempo, dinheiro)
  • Mais apoio (mais confiança e dinheiro)

Você precisa de saber exatamente o que o seu público QUER e PRECISA.

Qual é a dor deles?

É importante saber isto porque lhe diz quais são os problemas deles para que os possa resolver na forma dum freebie (PDF gratuito) que lhes dê um momento eureka ou “a-ha”.

Olhe para o seu lead magnet e pense “Será que as pessoas pagariam para ter isto que estou a dar?”

Se a resposta é não, está na altura de arranjar um novo lead magnet ou uma nova abordagem de captação de leads.

Eis alguns anúncios de captação de leads de que gosto porque “tocam na ferida” para um problema que a dita oferta vem resolver:

Anúncio WorkCast oferecendo um ebook para saber fazer Webinars
Anúncio WorkCast.

Anúncio Amy Porterfield para inscrever num webinar que mostra como vender um curso online
Anúncio Amy Porterfield

Anúncio HubSpot para quem precisa duma CRM gratuita
Anúncio HubSpot

Anúncio ActiveCampaign oferecendo um ebook para saber como fazer Lead Scoring
Anúncio ActiveCampaign

Tática 3: Teste Tráfego e Conversões como o seu objetivo no início da sua campanha

“Fulano disse-me para usar Conversões.”

“Sicrano disse-me para usar Tráfego.”
A
“Outro disse-me para fazer XYZ…”

Há muitos experts por aí a ensinar coisas sobre anúncios Facebook, e regra geral, gosto de acreditar que são pessoas que têm valor acrescentado para dar.

Não interessa aquilo que é dito como “a maneira certa”, porque no que toca aos anúncios Facebook, não há uma maneira certa. Tudo o que faz é um teste.

Eis uma lista de captação de leads que eu faço para mim e para os meus clientes. Só precisa de 10 minutos adicionais para fazer isto da próxima vez que for correr os seus anúncios.

  1. Crie uma campanha e escolha Conversões como Objetivo.
  2. Crie os seus conjuntos de anúncios e anúncios como normalmente faz. Faça pelo menos 2, para testar diferentes públicos.
  3. Crie uma NOVA campanha e escolha Tráfego como o seu objetivo.
  4. Duplique os conjuntos de anúncios da campanha de Conversões, e selecione a sua campanha de Tráfego para onde quer estes conjuntos duplicados vão.
  5. Vá aos NOVOS conjuntos de anúncios e na secção de Otimização e publicação, para cada um deles, selecione Cliques na ligação.
  6. Publique ambas as campanhas

Quando fizer este teste, estará a gastar o dobro do montante do que se estivesse a correr apenas uma campanha.

Mas ao fim de 48 horas, irá ver um vencedor, claramente: uma dessas campanhas vai-lhe dar mais subscritores (leads) do que a outra. Desative a campanha com as conversões mais caras.

Não siga cegamente os experts: teste de formas diferentes e use aquilo que funciona melhor.

Tática 4: Após encontrar a combinação perfeita de público e anúncios, expanda os seus resultados ao duplicar o conjunto de anúncios.

Expandir os seus resultados pode ser complicado. Se quer aumentar o orçamento dum conjunto de anúncios que está a ter bom desempenho, faça-o lentamente: aumente 5% diariamente.

Se aumentar mais depressa do que isso vai desregular o algoritmo do Facebook, e ele não irá mostrar o seu anúncio com eficácia para as pessoas mais propensas para tomar a ação que quer que tomem (subscrever, venda, divulgação da marca).

Mas uma forma mais rápida de fazer isto é duplicar o tal conjunto de anúncios que está a ter bom resultado, não mudar nada e publicá-lo.

Sim, irá ter dois conjuntos de anúncios mostrando os mesmos anúncios ao mesmo público, mas se os seus públicos são centenas de milhares (ou milhões), então haverá pouca sobreposição.

Vá vendo os resultados atentamente. O novo conjunto de anúncios nem sempre tem melhor desempenho que o original, portanto verifique se e quando valerá a pena desativá-lo.

E é isto.

Agora ide e triunfai 🙂

Como ter 3x melhores resultados nos seus anúncios com a DCO

Dynamic Creative é uma funcionalidade lançada pelo Facebook via API, e que em breve estará disponível no Gestor de Anúncios e Power Editor.

Com esta opção, cria um anúncio, coloca várias imagens, títulos, texto, etc. e o Facebook escolhe a combinação com melhor desempenho para o público que definiu.

Em vez de estar a ver as estatísticas de quais os anúncios com combinações de imagens e copy que funcionam melhor, o Facebook faz a papinha toda por si.

O Facebook não vai decidir combinação vencedora, o que ele faz é mostrar-lhe a combinação que funciona melhor para aquele público. Você é que depois decide como quer fazer.

Esta otimização do Dynamic Creative automatiza testes A/B que eram feitos manualmente para que possamos saber qual a combinação de criativos (texto/imagens/vídeo) para o público-alvo que definimos que está mais propenso para tomar uma ação no seu anúncio.

Vou explicar neste artigo como é que esta otimização do Dynamic Criative funciona, como melhora o ROI, boas práticas, como usar e um exemplo de como está a ser usado.

Antigamente era assim: testes A/B

Para fazermos testes A/B, tínhamos de fazer “à mão”, onde iríamos encontrar a melhor combinação de imagens + texto ideais para o público-alvo que definimos.

Para isto tínhamos de criar vários conjuntos de anúncios (onde definimos o público, entre outras coisas), e anúncios, onde iríamos ter imagens e copy (texto) diferente.

Este processo leva muito tempo e só permite testar uma variável de cada vez (ou o público-alvo ou o criativo).

Eis um exemplo da empresa RoiHunter de como isto era feito (à mão).

Antigamente fazia-se assim...

Dynamic Criative – o futuro dos anúncios

Esta opção do Dynamic Criative é mesmo o futuro dos anúncios, porque agora em vez de testarmos manualmente as coisas, podemos ter o Facebook a selecionar a melhor combinação para nós.

Com o Dynamic Criative, criamos o nosso criativo, ou seja, criamos o anúncio com vários títulos, corpo de texto, descrições e imagem, selecionamos um público e isso é colocado num “contentor” por assim dizer.

Eis mais um exemplo adaptado.

Combinação de criativo + público

Esta tecnologia permite assim criar automaticamente variantes dos anúncios e combiná-los para variados públicos, dando muito maior flexibilidade do que os testes A/B que tínhamos de fazer manualmente.

Combinação de criativo e subgrupos de público

O Facebook usa uma parte do seu orçamento para enviar estas combinações para um conjunto de pessoas iniciais, para determinar quais as melhores combinações para cada tipo de público.

Quanto maior o orçamento que definir mais o algoritmo irá aprender.

Isto pode ser um processo demorado, portanto tenha paciência (e dinheiro), não desative nem edite as campanhas nas primeiras 24-36 horas.

Assim, os anúncios serão mostrados às pessoas, e o Facebook irá aprender a mostrar a combinação certa, mostrando os anúncios certos às pessoas certas.

Esta funcionalidade do Dynamic Creative é capaz de determinar as melhores combinações de criativo + público-alvo em 2-3 dias, e otimizar o seu CPC, Conversões e Instalações da app.

Veja o gráfico adaptado.

Gráfico que mostra aprendizagem do algoritmo do Dynamic Creative

Já que cada combinação é correspondida a um público, os seus anúncios terão um maior alcance graças a uma boa Classificação de relevância e CTR (taxa de cliques).

Não vá só à procura da melhor combinação de imagem + copy, tente também melhorar as piores combinações para chegar ainda a mais pessoas.

O que aconteceria se tivesse decidido usar apenas a melhor combinação de criativo? O seu anúncio iria chegar apenas a uma parte do público bom para essa combinação, mas iria estar a perder uma boa parte do seu público ao não experimentar/melhorar as outras combinações.

Dynamic Creative e anúncios carrossel

É possível usar esta funcionalidade com o formato de anúncios carrossel.

O formato carrossel usa o seu texto e imagens para criar a combinação com melhor desempenho dos cartões (cada cartão com uma imagem).

Todos os cartões apontam para uma URL de destino. O Facebook só mostra 3 cartões na pré-visualização, mas no anúncio real poderemos ter até 10 cartões.

Saiba mais sobre esta funcionalidade aqui:
https://developers.facebook.com/ads/blog/post/2017/09/28/dynamic_creative/
https://developers.facebook.com/docs/marketing-api/asset-feed

Como criar uma regra Facebook para desativar campanha

Criar regra desativar campanha

Neste vídeo mostro-lhe como não se distrair com o orçamento das suas campanhas.

HEY. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo

Isto já lhe aconteceu? Esqueceu-se de ver uma campanha, e acabou por gastar mais dinheiro do que aquilo que era preciso.

Neste vídeo vou-lhe mostrar como desativar uma campanha quando ela chegar a um determinado orçamento.

Olá, o meu nome é João Alexandre e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

Então o que nós vamos fazer é, no Gestor de Anúncios ou Power Editor, você vai ao separador de Campanhas, e vai clicar em Criar Regra.

E vai aplicar esta regra a esta campanha. A ação a tomar é Desativar campanha, com a condição de, quando o gasto em toda a duração é maior do que €20, a campanha vai ser desativada.

Nós vamos escolher um intervalo de tempo no dia anterior, e dar um nome à regra.

Ao criar esta regra, o Facebook vai desativar a nossa campanha quando o orçamento para toda a duração da campanha chegar ou ultrapassar os €20, e vamos receber uma notificação no nosso email.

Então vou clicar em Criar, e a regra fica criada.

Se quiser criar mais regras, basta seguir o mesmo procedimento, e depois clicar em Gerir Regras para ver todas as regras que você tem neste momento.

Espero que este vídeo tenha sido útil, Goste, faça um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que o possa ajudar no seu negócio. O meu nome é João Alexandre, obrigado.

13 Hacks para divulgar a sua marca e ter mais leads

Brand awareness

Tem havido (felizmente) uma mudança de foco de métricas de vaidade (como Gostos, etc.) para conversões puras e duras.

Quer manter as leads a entrarem e as pessoas a tomarem constante conhecimento seu, ou seja, a chegar a pessoas que ainda não sabem que a sua marca existe.

Eis 13 dicas para ter mais exposição e gerar confiança com pessoas que ainda não o conhecem, para divulgar mais a sua marca e acelerar a sua geração de leads.

Mas antes disso, uma pergunta:

Porque é que os seus anúncios Facebook não lhe dão os resultados que quer?

rapariga meia confusa

A maioria das pessoas parte do princípio que é por causa da landing page que é fraquinha, tem mau design, ou é a oferta que não é relevante, ou é o público mau segmentado, etc.

Sim, o design da sua landing page e o seu apelo à ação pode contribuir para esse problema. Mas pode não ser esse o verdadeiro problema.

O seu problema pode estar no topo do seu funil, ou seja, quando um visitante se converte em lead.

Nós queremos que as pessoas continuem a entrar no nosso funil, convertendo-se em leads e depois em clientes.

Leads em clientes

Para que isto aconteça, é necessário dar a conhecer a nossa marca às pessoas, para que as leads estejam sempre a entrar.

É por isso que, muitas vezes, apesar dos seus melhores esforços, as suas conversões são más, porque ninguém sabe quem você é ou o que faz.

Eis uma razão porque não investir em anúncios de perceção da sua marca irá prejudicar a sua geração de leads – e como emendar isso para que possa ter maior retorno.

O problema do Google

“Então estamos num artigo sobre Facebook e pões-te a falar no Google?”

Calma.

As pessoas vão ao Google para encontrar alguma coisa específica. Vão lá para comprar alguma coisa específica.

Google vs Facebook

Mas não é assim o que o Facebook funciona. As pessoas não vão ao FB para comprar. Elas vão lá para se entreter, falar com os amigos, família, chatear os ex-namorados e ver vídeos de gatinhos.

As pessoas descobrem os seus anúncios no Facebook da mesma forma que encontram outras coisas: ao tropeçar neles.

O seu anúncio chama-lhes à atenção e interrompeu-os tempo suficiente para que prestassem atenção a ele.

Ok, você já tem a atenção deles. Esta é uma péssima altura para tentar vender-lhes alguma coisa (se for um público frio, que não conhecem a sua marca).

Um anúncio a puxar pela venda que funcionasse no Google seria demasiado “vendedor” se feito no Facebook.

Nas redes sociais, não podemos pedir a um estranho para comprar o nosso produto ou serviço logo ali. Tem de haver um “namoro” antes do casamento.

Por isso, as suas campanhas de perceção da marca, devem ter apenas um propósito: criar públicos personalizados o mais rapidamente possível.

Estas campanhas não são para vender. São para levar as pessoas para dentro do seu funil de marketing no Facebook o quanto antes. E tudo começa com uma simples visita ao seu site ou interação com a sua página.

Públicos personalizados
Campanhas de perceção da marca têm um objetivo: público personalizado

Existe ainda outro benefício ao darmos prioridade a campanhas de retargeting desta forma. Ter pelo menos uma campanha por etapa do seu funil ajuda a familiarizar as pessoas cada vez mais consigo e com a sua marca.

Uma boa definição do seu público vai-lhe dar um custo por clique mais baixo, porque o seu anúncio ao ser relevante para eles, o Facebook aumenta-lhe a Classificação de relevância, baixando o custo.

Boa classificação de relevância baixa custo por clique

Nada mau certo?

Quanto maior é a nossa “pontuação”, esta Classificação de relevância, mais baixo é o custo por clique e mais alto é a taxa de cliques.

Vamos então saber como criar uma nova campanha de perceção de marca para começar a trazer mais pessoas para o topo do seu funil para se converterem em leads.

Antes disso, uma pequena nota…

perceção da marca e interesse estão intimamente ligados. Não é só se alguém conhece ou não a sua marca, é se a sua marca lhes interessa pessoalmente a eles ou não.

Pode usar isto para a sua vantagem ao definir dois tipos de públicos: um público com base em interesses no Facebook e outro com base nos seus atuais contactos, clientes e/ou base de dados para ter uma ideia de outros públicos a atingir.

Após atingir estas pessoas com os seus anúncios, então aí é que irá criar públicos personalizados (das pessoas que viram os seus anúncios de perceção da marca).

Vamos lá então começar.

Perceção da marca: 13 Dicas Ninja


1. Comece com dados demográficos

Provavelmente você vende diferentes tipos de produto e serviços a diferentes pessoas.

Isto significa que terá alguns segmentos de clientes diferentes. Precisa de criar buyer personas para cada tipo de público. Por exemplo, criar uma “Maria Marketer” ou uma “Ana Administradora”, porque assim tem uma ideia do tipo de público a definir quando pensar nestas pessoas.

Pode logo começar com uma ferramenta do próprio Facebook que se chama Estatísticas do Público

Estatísticas de Público
Estatísticas de Público dão-nos dados demográficos sobre as pessoas

Isto vai dar-lhe informação sobre o sexo, idades e locais destas pessoas.

Assim pode tirar algumas conclusões, como por exemplo, de que forma é que homens e mulheres são diferentes a nível de poder de compra e de hábitos de compra?

O Google Analytics também lhe dá dados demográficos quando o ativar nos relatórios.

Ativar dados demográficos no Google Analytics
Aceda aos Dados demográficos no Google Analytics para saber idade e sexo das pessoas

Ter dados demográficos é bom, mas não chega.

A verdadeira forma de perceber aquilo que os seus potenciais clientes querem é saber quais os seus medos e desejos. Só assim irá conseguir vender a sua solução, o seu produto.

Por isso precisa de mais informação, que irá obter em conversas com os seus clientes.

Elah…

“O quê, tenho de falar com os meus clientes? Que chatice”

Em teoria, você pode enviar um questionário a clientes ou à sua base de dados por email para saber os interesses deles.

Existe até um serviço do Google chamado Google Consumer Surveys, em que paga por cada inquérito respondido.

Google Surveys
Faça poucas perguntas para ter mais respostas.

Com isto, irá ter alguma boa informação sobre cada persona. Agora está na altura de econtrar estas pessoas no Facebook.

2. Descubra interesses dos seus Persona

Precisamos saber onde é que estas pessoas estão no Facebook.

A segmentação com base nos Interesses, no Facebook, permite-nos encontrar coisas tão genéricas como futebol, ou específicas como Anatomia equina (a sério, existe).

Mas isso não é lá muito útil, porque poderá vir a encontrar centenas de milhares de pessoas, quando o seu buyer persona (o seu potencial cliente) é apenas uma pequena porção deles.

O Facebook no entanto está aqui para ajudar, e permite refinar a sua busca ao selecionar fãs de outras marcas, bloggers e figuras públicas.

Isto dá duas vantagens:

  1. Encontra um conjunto de pessoas que pensam da mesma forma;
  2. Encontra potenciais parceiros para mais tarde

Mas onde começar se você não conhece muitas marcas no seu segmento de mercado?

Vá ver quem já está a fazer publicidade no seu segmento de mercado, ou quem aparece nas pesquisas do Google ou mesmo na Amazon.

Suponha que você quer vender a pessoas que gostam de atividades ao ar livre. Gostam de andar/correr, andar de bicicleta, ou simplesmente ar livre.

Pode começar por procurar por revistas com base nesses interesses; pode ir ao Google e à Amazon pesquisar por calções de exercício, que é um produto que estas pessoas provavelmente precisam.

Uma meia horinha a fazer esta pesquisa irá dar-lhe dezenas de marcas e nomes de empresas.

Com isso pode começar a criar um público guardado no Facebook ao pesquisar por estas marcas e revistas que este tipo de pessoas pode gostar.

Público guardado Men's Health
Procure por nomes de marcas e revistas para saber quem tem interesse nelas.

3. Faça com que estas pessoas se auto-filtrem

Vender para vários tipos de personas pode ser complicado porque as pessoas são complexas e têm variados tipos de interesses.

Por isso precisa de um público por cada interesse, porque se misturar vários tipos de interesse no mesmo público, as coisas podem correr mal com os seus anúncios.

Um bom truque é fazer com que as pessoas se filtrem a elas próprias. Isto é algo que vemos em páginas de preços de alguns websites ou mesmo na página de serviços, como é o caso desta página da E-goi, que filtra por tipo de cliente (empresa, agência, etc.).

Soluções E-goi
Soluções da E-goi conforme o tipo de cliente (empresa, agência)

Pode com isto obter informação da pessoa com base no plano que selecionaram, que página viram, onde é que clicaram, para saber que tipo de público e serviço lhes interessa mais.

Isto é um pouco mais complicado, mas pode testar isto em escala pequena com posts orgânicos, seja no Facebook ou no seu blog.

Por exemplo eu posso criar um post ou artigo sobre anúncios Facebook, outro sobre anúncios Adwords, e outro sobre bots do Messenger e ver quais têm mais interação.

Assim posso saber qual o tema que teve mais sucesso, porque é nesse que me irei focar para criar mais conteúdo, ou oferecer serviços com base nesse interesse.

4. Encontrar o tamanho certo do seu público

Campanhas de perceção de marca convêm ter um bom tamanho do público, nem muito vasto nem muito específico.

Se o seu público for muito vasto, irá estar a gastar dinheiro para atingir pessoas genéricas.

Se o seu público for muito pequeno, não irá chegar a pessoas suficientes para as converter mais tarde em leads, e depois em clientes.

O ideal é começar com um tamanho de 100000 a 500000.

Ao princípio, comece a adicionar interesses e nomes das marcas ou revistas que encontrou num ponto anterior para crescer essa lista até 500000 pessoas.

A partir daí, vai começar a refinar o seu público para reduzir este tamanho ao acrescentar exclusões.

Voltando ao exemplo do desporto e exercício ao ar livre. Queremos chegar a estas pessoas, mas apenas aquelas que podem comprar os nossos calções, que estamos a vender por €50 (porque são calções espetaculares que vão ficar na moda).

Infelizmente em Portugal não conseguimos segmentar para pessoas por salário, porque se pudéssemos iríamos excluir pessoas que ganham pouco dinheiro.

Mas podemos fazer de outra forma. Vamos adicionar exclusões para pessoas que têm o ensino secundário incompleto, partindo do princípio que estas pessoas poderão não ter meios suficientes (ou vontade) para investir em calções de €50.

Incluir e excluir pessoas
Interesses aumentam o seu público, exclusões diminuem-no.

Continue a refinar este público ao selecionar mais interesses ou acrescentar mais exclusões para encontrar ali um tamanho certo.

Pode ter de repetir isto várias vezes se tiver várias personas (Maria Marketer, Ana Administradora, Geraldo Gestor, etc.), ou se for testar públicos similares um contra o outro.

5. Divulgue que nem um gigante

Há muita concorrência. Toda a empresa quer chegar ao maior número possível de pessoas

O anúncio da empresa Under Armour “Rule Yourself”, em que usou o Michael Phelps, tornou-se um dos vídeos/anúncios mais partilhados duma marca.

A parte mais interessante neste anúncio é que não aparece nenhum calção, não aparece nenhum produto da Under Armour no vídeo, ou pelo menos se apareceu, eu não reparei.

O propósito deste anúncio é despertar emoção nas pessoas. Num inquérito, a maioria das pessoas que viu este anúncio disse que se sentiu inspirada, orgulhosa e com vontade de batalhar.

Anúncio Under Armour com Michael Phelps
Anúncio Under Armour com Michael Phelps

Este vídeo foi feito por uma empresa com um bom orçamento, que pagou bem pelo vídeo e pela presença do Michael Phelps.

Mas não precisamos de ter um orçamento milionário para colher os mesmos benefícios.

As campanhas de perceção de marca não são para vender nada. São para dar a conhecer as pessoas à sua marca. As vendas veem depois quando fizer anúncios retargeting para os públicos personalizados que for criar mais tarde.

O objetivo é só chegar ao maior número de pessoas (fazendo parte do seu tipo de cliente) para conseguirmos ter um conjunto de pessoas para criar um público personalizado com elas.

Se os seus anúncios puderem despertar emoções nas pessoas desta forma, vai ser lembrado por elas e partilhado.

Os seus fãs vão fazer a publicidade por si, e depois pode adicionalmente atingir os amigos destes. Porque nós somos mesmo espertos 🙂

6. Toque na ferida

Anúncios que despertam emoções podem nem sempre funcionar bem.

Existe um outro tipo de motivador que funciona bem para as vendas. E ele é “mexer na ferida” ou dar uma “ilusão do que é possível”.

Por exemplo, este anúncio da Hubspot é orientado para marketers e responsáveis de vendas, em que “mexe na ferida” de que é difícil obter vendas.

Anúncio HubSpot
Identifique o problema antes de vender a solução.

Muitos responsáveis de marketing e do departamento de vendas têm uma quota a cumprir, e não a cumprindo podem ter repercussões.

Ao mexer na ferida de que têm um problema de poucas vendas, eles agitam o problema e oferecem uma solução, que vai ser conhecida quando clicarmos.

Note como o foco do anúncio não é a ferramenta em si, porque este anúncio é para as pessoas se familiarizarem com a Hubspot. Para pessoas que já conhecem a Hubspot (pessoas a meio do funil), poderiam fazer um anúncio a mostrar o uso da ferramenta.

Em vez disso, eles focam-se no problema. Eles fazem com que a pessoa sinta aquela dor. A solução pode não ser a ideal para todas as pessoas, mas quem estiver no mundo do marketing e das vendas consegue ter uma certa empatia com o anúncio e com a emoção da pessoa no anúncio.

7. Conteúdo promovido por influencers

Mais de 90% das pessoas confiam em conteúdo quando aparece uma personalidade, uma figura pública, um influencer (não tem de ser um anúncio, pode ser um post feito por uma pessoa famosa).

A Prozis, uma marca que vende suplementos online, patrocina personalidades famosas como o Bruno Salgueiro, conhecido YouTuber e dono da página Dicas do Salgueiro.

Neste post podemos ver que ele está a promover um produto da Prozis através do uso dum cupão com o nome dele.

Post Dicas do Salgueiro sobre Prozis

Isto é ótimo, só que o problema com isto é que 1) pode ser caro e 2) difícil de medir.

Existe uma forma de atenuar este problema porque o Facebook tem uma opção chamada “Conteúdos de Marca”, que pode ser um post orgânico ou pago.

Por exemplo, a página StyleNow Feed fez este post e identificou a empresa Jasper’s Markets como parceiro neste post de conteúdos de marca. Depois o Jasper’s Market partilhou e promoveu o post como anúncio.

Post/anuncio Conteúdos de marcas.

Até pode usar serviços como o ShortStack para criar concursos e sorteios por cada público de cada influencer para chegar a mais pessoas.

8. Patrocínios de eventos

A melhor forma de chegar ao seu tipo de cliente ideal? É fazer com que os amigos dos seus buyer personas façam isso por si.

É por isso que o conteúdo de marca, que é promovido por as tais pessoas famosas funciona tão bem (como vimos na secção anterior, na dica #7), porque estamos a dar um incentivo às pessoas que o conhecem para mostrar a sua mensagem a outras.

É essa a beleza dos anúncios em redes sociais como o Facebook.

Ao fazer estes anúncios, as suas impressões e alcance estão a ser amplificadas. Está a ter impressões orgânicas (gratuitas) e alcance em cima de quaisquer anúncios que vá fazer.

Aplique isto ao mundo offline.

Pense em patrocínios de eventos. Está a pagar para ter acesso a um grande conjunto de pessoas que partilham os mesmos interesses.

Pode levar isto a outro nível.

Por exemplo, pode criar um grupo Facebook com os seus influencers como administradores.

Grupo facebook

Até pode pedir aos seus influencers (porque lhes está a pagar) para eles montarem um stand nesse evento e atenderem as pessoas.

Porque estou a insistir em eventos offline?

Porque as pessoas precisam de cerca de 7 pontos de contacto (ou mais) antes de comprarem alguma coisa de si.

Um ponto de contacto pode ser email, outro um anúncio, outro na vida real, etc.

Fazer só uma campanha de anúncios não chega. Precisa de fazer follow up com as pessoas, várias vezes, com texto diferente, para eventualmente conseguir captar a lead e gerar uma oportunidade de venda.

Esta dica #8 reúne algumas das dicas anteriores, porque é uma grande campanha, que aproveita “os amigos dos amigos”, tirando partido do poder dos influencers.

Depois pode criar todo o tipo de anúncios de perceção de marca para eventos no Facebook, usando urgência e outras táticas de persuasão para aproveitar o interesse que a pessoa tem no evento para que ela compre o seu primeiro produto ou serviço seu.

9. Atinja mais pessoas com menos custos

Atingir mais pessoas com menos custos é o que todos nós queremos. Pode fazer isto com anúncios para móveis.

Você não deve querer fazer publicidade em todo o lado. Quer é promover a sua marca em sítios que fazem mais sentido para si.

Se anúncios que faz no Facebook em que o local de publicação é o desktop (computador) são caros, então experimente mais os anúncios móveis e os anúncios da coluna da direita.

Cada vez mais pessoas navegam pela internet em móveis, mais do que em computadores.

A maioria desse tempo a navegar é feito no Facebook através da app. É por isso que é o Facebook é o sítio ideal para chamar a atenção das pessoas que lá vão quase todos os dias.

As pessoas podem não comprar o seu produto diretamente a partir do telemóvel, mas note: elas podem descobrir o seu produto no telemóvel, e comprar no dia seguinte quando estiverem no computador.

Por isso, nos móveis, vá à procura do clique, não da venda.

O seu espaço é limitado e o tempo é curto. Use texto e imagens no criativo do seu anúncio de forma sucinta e clara, para ser apelativo às pessoas de clicarem. Depois pode-lhes fazer retargeting.

Eis o guia de recomendações para anúncios para telemóveis do próprio Facebook.

Guia recomendações anúncios móveis

10. Gere mais interação com anúncios Canvas

Imagens animadas e vídeos chamam mais à atenção do que só texto ou imagens estáticas.

É aqui que entram os anúncios Canvas.

Este tipo de anúncios é para dispositivos móveis e são mostrados em tela cheia.

Exemplo de anúncio Canvas
Anúncios Canvas para telemóveis

Enquanto no desktop as pessoas normalmente veem apenas 25% do seu vídeo (ou menos), de acordo com um estudo, a maioria dos utilizadores no Facebook vê anúncios de Canvas no seu telemóvel de pelo menos 50%.

Há mais interação, mais tempo a ver o anúncio, porque ele é interativo, a pessoa pode visualizar partes do anúncio ao deslizar e tocar com o dedo.

É uma boa forma de apresentar as pessoas à sua marca porque é justamente a interatividade deste tipo de anúncio que faz com que a pessoa pare e preste atenção ao seu anúncio quando está entretida no Facebook.

11. Anúncios da coluna da direita

Normalmente não faço anúncios Facebook na coluna da direita.

No entanto, eles podem ser bons para as pessoas que já interagiram com a sua marca pelo menos uma vez.

Use boas imagens e tipografia alinhada com a sua marca/logótipo para dar bom destaque ao seu anúncio, como neste exemplo da ActiveCampaign, uma plataforma de email marketing que eu uso.

Anúncio coluna da direita.
Anúncio da coluna da direita duma empresa de email marketing

Mas é preciso prestar atenção a uma coisa.

Os anúncios na coluna da direita são apenas para desktop e são mais pequenos do que aqueles que aparecem na feed de notícias do Facebook.

O que isto significa é que convém criar um anúncio à parte mesmo só para a coluna da direita, porque aquilo que funciona na feed de notícias pode não funcionar na coluna da direita (não se conseguir ler o texto por exemplo).

2 anúncios da coluna da direita.
Cuidado com o texto que pode ser difícil de ler na coluna da direita.

Não tente vender nos anúncios da coluna da direita. Porque mesmo que quisesse, iria ser um anúncio ilegível ou com o texto pequenino.

Os anúncios da coluna da direita são bons quando conseguem passar a mensagem apenas com uma imagem.

Isto torna-se mais eficaz se a pessoa já reconhecer a sua marca. É isto que faz a AppSumo, uma empresa que lista ferramentas com descontos no site dela

Anúncio coluna da direita
“Nunca mais pague por software” é um título forte.

12. “Grátis”

Se há palavra mais potente que esta, por favor diga-me nos comentários.

Esta palavra motiva as pessoas a converterem-se em leads, para que depois as possa acompanhar no seu funil (por email ou bots) e ganhar confiança delas.

Mas a palavra “grátis” tem de ser bem usada. A sua oferta tem de ser apelativa, tem de ter tamanho valor que podia ser vendido… mas está a dá-la gratuitamente.

Isto pode ser conteúdo normal (artigo, vídeo) como um lead magnet. No exemplo abaixo temos uma formação grátis da Google.

Anúncio de formação da Google
Formação grátis da Google: irresistível para a maioria das pessoas

Neste anúncio da Google, eles estão a anunciar no Facebook (que irónico) para dar formações gratuitas às pessoas, com um papelinho e tudo para colocar na parede.

Podemos fazer o mesmo com webinars e Facebook Lives. No exemplo abaixo, temos um anúncio de uma das minhas aulas grátis, que são basicamente uma transmissão em direto (FB Live).

Quando fizer este tipo de anúncios, faça-os 1 a 3 dias antes do evento, porque se fizer uma semana ou mais antes, as pessoas esquecem-se. Para as minhas aulas normalmente começo a fazer anúncios dois dias antes.

Anuncio aula grátis
Um anúncio Facebook sobre anúncios Facebook

13. Experimente, teste

Anúncios de perceção da marca do Facebook foram concebidos para levar à obtenção de leads. Não diretamente, mas a longo prazo.

Porque as pessoas têm primeiro de conhecer a sua marca antes de querer se converter como leads (ex.: dar o email delas para entrarem na sua lista).

Eis o que lhe sugiro…

Comece por criar posts não publicados que pode usar para gerar prova social diante das pessoas. Pode saber mais sobre estas publicações de Página não publicadas aqui.

Este tipo de posts irá ajudar a que os seus anúncios tenham mais credibilidade quando os começar a correr.

Para criar este tipo de post não publicado, aceda ao Power Editor, e no canto superior esquerdo, vá ao menu e selecione Publicações na Página. Depois clique em +Criar Publicação.

Publicações de página não publicada
Crie um post não publicado e faça anúncios para gerar prova social.

Fiz isto para um cliente antes de criarmos as ofertas a sério. Fizemos isto para saber que campanhas iriam funcionar melhor. Depois podíamos usar os dados iniciais para fazer mais campanhas e expandir o orçamento delas.


Sumário de campanhas de perceção da marca

Familiarizar a sua marca junto das pessoas é o segredo para gerar leads no Facebook.

É importante a maneira como as pessoas veem a sua marca, onde a veem, e como interagem com ela.

Brand awareness

Para isto, saiba onde é que está o seu público-alvo, por onde é que ele anda. Descubra aquilo em que estão interessados, os seus medos e desejos, e quem eles seguem.

E depois, apareça em todos esses sítios.

Os seus públicos personalizados irão fazer a maioria do trabalho pesado por si.

Se estiver preocupado com o seu orçamento, pode usar anúncios para telemóvel ou anúncios da coluna da direita, que são baratos. Mas lembre-se no que toca à perceção da marca, o que interessa é o relacionamento com a pessoa.

Ao criar os seus anúncios para mostrar a sua marca, foque-se no relacionamento, na interação, não tente vender nada.

Isto porque precisa de atrair as pessoas e “namorá-las” antes que elas se convertam em leads no Facebook.

E não tenha medo de lhes oferecer algo gratuito. Porque você está lá para agregar valor.

Intenção > Técnica

Intenção melhor que técnica.

Intenção é mais importante que a técnica.

Um dos meus passatempos chegou a ser magia. Não daquele tipo de magia do David Copperfield de desaparecer aviões, mas sim o tipo de magia que é feito à frente da pessoa e que a deixa completamente maravilhada.

Antigamente, quando tinha tempo para sair à noite, e em ocasiões sociais, gostava de entreter amigos e conhecidos com alguns truques de magia.

Truques com anéis e cartas tornaram-me bastante popular nestas ocasiões sociais. Tinha tempo para praticar e cheguei a ficar bastante bom com a agilidade dos meus dedos.

Mas eu queria ser melhor e fazer bons truques.

Daí abordei uma pessoa, um mágico, para me dar coaching pessoal nisto. Vamos chamar-lhe “Manel”, ele é Português e é bom no que faz.

Quando cheguei à casa do Manuel (as sessões são feitas na casa dele), lembro-me me sentir um pouco nervoso e entusiasmado ao mesmo tempo.

Entrei, ele deixou-me à vontade, passámos pelo estúdio dele e a biblioteca e começámos a trabalhar.

Fiz uma das minhas rotinas (truques com anel e um de cartas) e ele observou atentamente em silêncio.

O “Manel” é especialista em técnicas de sleight of hand, do género “olha para a minha mão enquanto te engano com a outra”.

Quando eu acabei, ele ficou em silêncio durante mais tempo do que aquilo que me era confortável.

Quando finalmente abriu a boca, eu estava à espera que ele se focasse na minha técnica.

Mas o que ele fez foi bem diferente.

O Manel perguntou o que é que eu estava a tentar obter como resultado dos meus truques de magia. O que é que eu queria que a minha audiência sentisse como resultado.

Ui. Boa pergunta.

Estava a tentar enganá-los? Estava a tentar ser uma pessoa que entretém as outras, um palhaço, ou uma pessoa carismática que é ágil com os dedos?

Bem, o Manel e eu analisámos a fundo estas perguntas que ele me ia fazendo, acompanhados duns copinhos de vinho.

Foi duro. Foi duro responder àquelas perguntas, porque nunca tinha pensado nisso daquela forma.

Mas acontece que o “Manel” estava certo.

Se o seu objetivo é entreter as pessoas, fazê-las rir, fazer com que gostem de si, é como se estivesse a trabalhar em conjunto com a sua audiência, com o seu público, para lhes dar valor, ou pelo menos um bom momento de entretenimento.

Eles sabem que estão em boas mãos. Que você não está a tentar gozar com eles ou a tentar envergonhá-los. Assim eles podem relaxar e confiar em si.

No mundo da magia, a intenção é mais importante que a técnica.

A técnica ainda é importante, sim, porque não ter jeito para a coisa estraga a ilusão, a “magia” dos truques feitos.

Mas se a sua audiência escolhe não se juntar a si, se é você vs eles, em vez de você com eles, então nem toda a técnica do mundo o(a) irá salvar.

O marketing é como a magia.

Deve começar com a intenção certa. O seu objetivo deve ser ajudar os seus clientes a terem sucesso, e não apenas tentar vender coisas. É “você com eles”, não “você vs eles”.

Quando os seus potenciais clientes veem que a sua intenção é boa, eles podem relaxar sabendo que estão em boas mãos.

Por isso, antes de ir para uma reunião de vendas, vender o seu produto, ou fazer sessões de consultoria, pergunte a si mesmo as questões que o Manel me colocou: o que está a tentar obter como resultado disto? O que quer que os seus clientes sintam e façam?

Tenha isto bem claro e irá ver uma grande diferença em como as pessoas e os clientes o(a) começam a abordar daqui para a frente.

Updates Facebook 20 Setembro

Updates Facebook 20 Setembro 2017

Neste vídeo estão as últimas atualizações do Facebook da última semana até 20 setembro 2017.

HEY. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo

Neste vídeo vou-lhe mostrar os updates Facebook da última semana.

Olá, o meu nome é João Alexandre, e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

Começamos logo com o update n.º 1, que é a fusão do Gestor de Anúncios + Power Editor.

As duas plataformas de anúncios vão ser unificadas numa única plataforma chamada o Gestor de Anúncios, no qual vamos ter uma fusão ao género do Dragon Ball, para que as pessoas agora não tenham confusão entre usar uma e a outra.

Vai haver apenas uma única plataforma na qual nós vamos fazer os nossos anúncios, e vai aparecer, basicamente, como isto.

O Gestor de Anúncios vai aparecer assim e vai ter as possibilidades e funcionalidades do Power Editor, a nível de salvar rascunhos, entre outras coisas.

Update 2: Dynamic Creative. Isto é uma funcionalidade (opção) do Facebook que permite fazer testes A/B de forma automática.

E a maneira como isto funciona é, ativando o Dynamic Creative, vamos ter a possibilidade de colocar várias imagens, e depois esta opção do Facebook seleciona qual é que é a combinação vencedora.

Nós colocamos vários tipos de texto, título, descrição, imagens, e o Público, e depois o Facebook escolhe qual é que é a combinação certa para aquele tipo de Público.

Isto é uma grande vantagem porque nos permite saber de forma automática qual é a combinação vencedora em vez de estar a fazer na forma manual, a criar vários conjuntos de anúncios, que era como se fazia antigamente.

Update 3: o Facebook vai dar um treino oficial para pequenas e médias empresas, portanto se você é uma pequena e média empresa ou tem clientes, faz a gestão de pequenas e médias empresas, isto poderá ser útil para si.

Update 4: o Facebook tem um novo layout para os anúncios. O Facebook está a fazer os possíveis para tornar mais apelativo a criação dos anúncios, e que seja mais fácil para os anunciantes ter um bom interface, simples e rápido de usar.

Update 5: o Facebook removeu o cargo, o título e a função, a possibilidade de nós definirmos um público com base no cargo, empregador, emprego da pessoa. O Facebook removeu isto porque alguns anunciantes estavam a usar isto para efeitos xenofóbicos e racistas.

Isto é uma medida provavelmente temporária, e eventualmente poderemos vir a ter outra vez esta opção de poder definir um público com base no emprego.

Se este vídeo foi útil, goste, faça um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que o(a) possa ajudar no seu negócio. Obrigado.