Lead magnets: ideias e exemplos para captar leads

95% dos seus visitantes não vão comprar nada na primeira visita. Ou estão a navegar pela web, ainda na fase da pesquisa, ou não têm a certeza se o seu produto ou serviço é algo que eles precisam.

Leva tempo a gerar confiança e criar um relacionamento com as pessoas.

rapariga meia confusa

Sabendo que a maioria das pessoas não compra nada na primeira visita, porquê insistir? Só vai fazer com que se afastem ainda mais.

Em vez disso, deve captar estas pessoas como leads, ficar com o endereço de email delas e começar a nutrir um relacionamento. Dizem que conteúdo é rei… e que o dinheiro está na lista… e têm razão.

O segredo é um lead magnet: é o que irá acelerar captação de emails para a sua lista como nunca antes visto.

Lead magnet

Imagine que tem 1 subscritor novo por dia no seu website. Se pudesse aumentar isso para 5 subscritores por dia, isso seria, por mês, 150 subscritores, em vez de apenas 30.

Mesmo pequenos melhoramentos como estes podem fazer toda a diferença. Imagine quão mais leads irá captar para a sua lista de email com um bom lead magnet.

O que é um Lead Magnet?

De forma simples, um lead magnet é isto:

Um lead magnet é uma oferta que dá às pessoas em troca do endereço de email delas.

Pode ser um ebook, um guia, uma promoção, um mini-curso enviado por email, etc., algo que é colocado numa landing page com formulário.

exemplo de lead magnet

Obter o email é uma transação. Você quer o email deles, portanto tem de lhes dar alguma coisa em troca.

É da sua responsabilidade convencê-los que subscreverem-se para a sua lista é o melhor que podem fazer, e é com um bom lead magnet que irá fazer isto.

Se o seu lead magnet é algo que as pessoas querem e que tem valor, elas vão dar-se ao trabalho de escrever o email delas para obter essa oferta.

A rapidez de crescimento da sua lista depende maioritariamente do valor do seu lead magnet:

  • lead magnets aborrecidos = poucas leads
  • lead magnets interessantes = muitas leads

O design, a copy, os benefícios e sítio onde se coloca o formulário na landing page, interessam, mas o lead magnet é uma das coisas que causa maior impacto.

Isto NÃO é um lead magnet.

Inscrição newsletter sem incentivo

Não há nada de “magnético” nisto. É uma treta. Não há razão nenhuma para a pessoa querer dar o email dela. Isto é um bom indicador que não leva o seu email marketing a sério.

Mas isto é um lead magnet.
Inscrição newsletter com incentivo

Há aqui claramente uma oferta que comunica o valor que o subscritor irá obter.

Ao fazer isto, terá de entregar o seu lead magnet, aquilo que prometeu. Se o lead magnet não tiver valor as pessoas não se convertem como leads, e se se converterem, não irão abrir os seus emails devido à baixa qualidade da sua oferta.

Como criar um Lead magnet como mel que atrai abelhas

Crie um lead magnet que deixe os seus visitantes “com água na boca”.

Mel que atrai abelhas

Coloque esta pergunta a si mesmo(a):

O que é que eu podia oferecer à minha audiência que seria espetacularmente útil para eles?

Seria algo tão bom, tão útil, que desse tanto valor que até merecia ser vendido, em vez de dado. É aí que sabe que tem algo de valor. Um exemplo disso é um dos lead magnets que eu tenho, o mini-curso grátis de 5 dias de anúncios.

Muitos websites tentam captar leads: mas fazem-no espetacularmente mal. Podem ter um lead magnet com um “whitepaper” ou ebook aborrecido e sem valor nenhum.

Não faça como eles. Crie algo que seja de GRANDE valor para as pessoas e não apenas fazer por fazer.

5 passos para criar um lead magnet irresistível

Primeiro tem de perceber quem é o seu cliente ideal para lhe poder oferecer um lead magnet que seja útil e relevante.

Chegar às pessoas certas

O lead magnet deve ser prático e rápido de consumir, ensinando algo à pessoa, algo que lhe dê um momento “eureka” ou “aha”.

Quanto melhor conseguir fazer isto, mais esta nova lead irá confiar em si e começar a abrir mais os seus emails.

Comece a arranjar ideias para lead magnets, e quando o fizer, confronte as suas ideias com esta lista de 5 passos abaixo…

O seu lead magnet:

  1. Agrega valor às pessoas? Quanto melhor a oferta, mais as pessoas se vão inscrever. Deve ser algo que seja rápido e fácil de consumir, útil e de valor.
  2. Desperta alguma reação emocional? “Gratuito, a sério? Eu quero isso.” É essa a reação que quer que eles tenham quando virem o seu lead magnet. Despertar uma emoção nas pessoas é o que as leva a agir e converterem-se como leads.
  3. Investiu esforço suficiente nele? Aqui não há atalhos. Crie algo de valor, invista o seu tempo, talento ou dinheiro para criar algo útil para as pessoas.
  4. Está a cumprir o que promete no lead magnet? Não faça promessas que não pode cumprir no seu lead magnet, nem faça bait & switch, porque senão as pessoas não irão confiar mais em si.
  5. É esta mesmo a melhor ideia que tenho Veja se a ideia que tem para o seu lead magnet é mesmo o melhor tipo de conteúdo e oferta que podia fazer à sua audiência. Se acha que consegue fazer um melhor, volte ao passo 1.

Criar um bom lead magnet leva tempo. Criar um lead magnet ESPETACULAR leva muito tempo.

Não há problema começar com algo de qualidade mediana para começar a captar algumas leads enquanto trabalha noutro lead magnet de maior qualidade.

“Mexe-te antes de estares pronto” – é o que eu digo aos meus clientes e alunos.

Mão em portátil

Estrutura dum lead magnet

O seu lead magnet deve estar numa landing page que contenha um formulário, e deve responder aos seguintes pontos:

  • Promessa: o que eles irão obter após se subscreverem
  • Interação: porque você criou isto e para quem
  • Benefícios: problemas & oportunidades (em bullet points)
  • Apelo à ação: o que eles devem fazer a seguir

Não obrigue as pessoas a preencherem muitos campos no formulário. Se quiser fazer personalização no seu fornecedor de email marketing, então recomendo nome e email. Mas na maioria das vezes basta o email.

Não peça muitos campos no formulário porque senão as pessoas encaram isso como muito trabalho e não se convertem como leads.

Algumas empresas, especialmente em B2B, têm a mania de pedir vários campos, como função, cargo, orçamento, etc. Se pedir muitos campos vai ter poucas pessoas a converter-se como leads.

Há uma regra de ouro no meio disto tudo: quanto melhor for o seu lead magnet, mais “direito” tem a pedir mais campos no formulário, mas apenas se necessário.

Campos pedidos num formulário

Lead magnet: separar o trigo do joio

O seu lead magnet não tem de ser atrativo para toda a gente: só tem de ser atraente para as pessoas que constituem o seu mercado, o seu cliente ideal.

Por exemplo, “7 Dicas para escolher um vestido de casamento de sucesso”: isto não me iria interessar minimamente, porque sou homem e não me vou casar. Mas seria bem indicado para mulheres que estão planear casar-se nos próximos tempos.

O seu lead magnet deve ser específico e orientado para o público que quer atingir.

Se oferecer bilhetes de cinema para toda a gente que se vai juntar à sua lista de email, provavelmente vai ter muitas leads, mas será que vão ser de qualidade?

Não, não vão.

Vão ser leads da treta, porque são pessoas que estão à procura de coisas gratuitas e não querem saber da sua marca ou empresa para nada.

A qualidade das leads é importante, por isso deve focar-se na sua audiência. Ofereça algo que seja o primeiro passo para mais tarde comprarem o seu produto ou serviço pago.

Por exemplo, um dos meus ebooks gratuitos, o Guia para Crescer Lista Email com Anúncios, mostra como captar leads para a sua lista com anúncios.

Quando a pessoa se inscreve para receber esse ebook gratuito, ela entra na minha lista de emails, no meu funil de vendas, onde tenho uma sequência de emails automatizados que acompanham a pessoa e mais tarde lhe propõe comprar um dos meus cursos online premium.

Portátil e smiley face com emails

Seja específico quando estiver a promover o seu lead magnet (via anúncios ou de forma orgânica). Por exemplo, “Se é gestor ou trabalha em marketing, tem de ver isto.”

Pense também em usar diferentes lead magnets no topo do seu funil para segmentar a sua lista. Um exemplo seria eu ter um lead magnet para pessoas que nunca fizeram anúncios (mas querem fazer); e ter outro lead magnet para pessoas que já fazem anúncios (e querem melhorar).

Quanto mais específico for nos seus lead magnets, mais irá saber sobre as pessoas na sua lista e mais poderá segmentá-los para lhes apresentar o produto ou serviço perfeito para elas comprarem.

20 ideias para lead magnets (por atividade)

20 ideias lead magnet

As pessoas costumam perguntar-me que lead magnets devem criar?

Eis uma lista de algumas sugestões por atividade, para que lhe possa servir de inspiração. É isto que irá dar em troca para obter o endereço de email da pessoa.

Experts e consultores
Coaches, consultores, e todos aqueles que vendem cursos online ou serviços (como eu).

  • Ebooks e whitepapers
  • Mini-curso por email
  • Um vídeo ou conjunto de vídeos
  • Podcast ou gravação de áudio
  • Curso gratuito/webinar
  • Assessoria, auditoria ou teste
  • Checklist, cábulas, guias

Ecommerce
Conseguir que a pessoa faça a sua primeira compra é um grande desafio. Isto é particularmente verdade para pequenas lojas online que não têm reputação no mercado. Mas se a experiência da compra deles for positiva, estão mais propensos para voltar a comprar e serem clientes repetidos.

  • Cupão gratuito
  • Envio gratuito
  • Presente gratuito com primeira encomenda
  • Conteúdo educacional que mostra “como fazer” (com um produto seu)
  • Guia para poupar dinheiro ao comprar produtos X.
  • Membros exclusivos (fazer com que a pessoa se sinta especial, ser parte dum grupo VIP por ter gasto X quantidade de dinheiro na loja, dar conselho adicional, etc.)
  • Artigos ou dicas por email relacionado com o problema que precisam de resolver (que o seu produto ajuda a fazer/resolver).

Empresas de serviços
Neste podemos considerar empresas como veterinárias, canalizadores, cabeleireiros, e todos aqueles que vendem peças ou mão-de-obra por dinheiro.

  • Cupões gratuitos.
  • Conteúdo educacional do género “faça você mesmo”
  • O que precisa saber antes de comprar [seu tipo de produto]
  • Ferramentas online (planeador de decorações, calculadora de massa corporal de animais, visualizador de estilos de cortes de cabelos, etc.)

Empresas de software
Negócios que têm software ou criam software para clientes.

  • Trial gratuito (período à experiência)
  • Conta freemium (conta grátis com upgrade pago possível)
  • Demo do serviço (no website ou feita por alguém da equipa)
  • Fazer onboarding (levar o utilizador pelo website mostrando como usar o serviço em tempo real como o exemplo da Slack)

Lead magnets: 5 exemplos espetaculares

1. Bidsketch

O que é?
Bidsketch é um serviço que produz templates de propostas e orçamentos para mostrar a potenciais clientes. Ao dar o email, podemos ter uma pré-visualização da proposta.

Porque funciona?
Este exemplo de geração de leads é fácil de perceber e está logo ali na nossa cara quando acedemos à homepage desta empresa. A frase “sneak peek” (espreitadela) é uma boa forma de despertar curiosidade na pessoa.

Bidsketch lead magnet

2. Hobspot Website Grader

O que é?
Website Grader é uma ferramenta online que faz uma pontuação do seu site para mostrar a “força” e o desempenho dele, a nível de SEO, mobile e segurança.

Porque funciona?
As pessoas adoram ferramentas que fazem testes a alguma coisa. Este teste permite saber o desempenho do seu site e dá-lhe ainda recomendações a fazer.

Hubspot website grader

3. Shopify

O que é?
Isto gera uma política de reembolso/devolução para uma loja online, em que a pessoa tem de criar uma conta para ter acesso a esse template.

Porque funciona?
Isto funciona tão bem porque é como matar 2 coelhos com uma cajadada só: o visitante para ter acesso a este template não só está a dar o email como está a entrar num trial gratuito de 14 dias da Shopify como utilizador. Muito espertos.

Shopify Lead Magnet

4. JustCreative

O que é?
Um ebook cheio de exemplos de logótipos para servir de inspiração a designers ou a quem cria logótipos. Isto é acessível a partir de qualquer página do site, quando vamos para sair do site, aparece esta janela a pedir o nosso email em troca do ebook.

Porque funciona?
Ter inspiração é fácil. É mais fácil do que ler um ebook técnico em que temos de aprender ou fazer alguma coisa, porque acaba por ser uma obrigação. Aqui, só temos de fazer download do ebook e ver coisas, é fácil, e como só pede o endereço de email, é uma barreira de entrada pequena para a nova lead.

Just Creative Lead Magnet

5. Mini-Curso Grátis 5 Dias

O que é?
Este exemplo é meu. É um mini-curso de 5 dias de anúncios Facebook para principiantes, em que é enviada uma lição de vídeo e texto por email, por cada dia.

Porque funciona?
Uma sequência de conteúdo educacional como esta é apelativa porque é enviada uma lição por dia. O ser humano tem a tendência de querer “completar” as coisas, por isso muitos irão sentir-se na obrigação de fazer todas as lições. Este mini-curso depois propõe à pessoa a compra do meu curso online premium, Dominio Completo.

Mini curso grátis 5 dias lead magnet

Lead magnet: como testar a sua ideia

Não vá já a correr criar um lead magnet. Teste primeiro a sua ideia, para saber se é válida.

Se tiver uma ideia para um lead magnet e for já a correr para criá-lo, pode não correr bem.

Porque pode estar a investir o seu tempo e recursos a criar conteúdo que depois ninguém quer.

Antes de começar, pense sobre o seu tipo de cliente ideal, os desejos e medos que eles possam ter, e como os poderá ajudar.

Público-alvo

  1. Faça brainstorming de ideias para lead magnets. Brainstorming em grupo (mesmo que seja só 2 pessoas) é melhor do que sozinho para ter mais ideias. Dispare ideias para o ar, sem julgamento.
  2. Escreva as melhores ideias e coloque-as em formato de título, do género “5 formas de perder as suas estrias em 3 semanas” ou “A diferença entre contratar um designer profissional ou um amador”.
  3. Elimine as que não fazem sentido, deixando as melhores 5-10 ideias. Escreva estas últimas numa folha de papel à parte (heh, ainda sou da velha guarda).
  4. Pergunte aos seus clientes (quantos mais, melhor), através de Google Forms ou cara-a-cara as ideias que seriam mais apelativas para eles (não lhes chame de lead magnets, só os irá confundir).
  5. Após isto, terá as suas ideias vencedoras e pode começar a criar conteúdo, ou seja, criar esses lead magnets. Coloque-os no seu site e faça testes de landing pages. Se por acaso não teve nenhuma ideia que parecesse apelativa (para si e para os seus clientes), volte ao passo 1.

Transformar Leads em Clientes

A maioria dos sites converte pessoas a frio a menos de 5%. Isto significa que 95% ou mais das pessoas não compram nada seu na primeira visita (seja um produto ou serviço).

Leads em clientes

Vender implica, antes disso, ter a confiança das pessoas, ter um relacionamento com elas. Isto é importante para que elas confiem em nós, experimentem o nosso produto ou serviço sem a pressão das vendas.

Por isso é necessário agregar valor. É este o objetivo do lead magnet.

Mas não se fique pelo lead magnet. Crie outro conteúdo, como vídeos e artigos (ex.: este) que agrega valor à sua audiência.

Assim irão confiar em si, porque sabem que você lhes dá valor, e eventualmente poderão tornar-se clientes mais tarde.

Quando deve “puxar” pela venda?

Gostava de ser o génio da lâmpada e dar-lhe uma resposta direta, mas não há uma resposta certa nem errada para isto.

Génio da lâmpada

Depende.

A internet está cheia de pessoas e empresas a querem empurrar os seus produtos e serviços.

Não é só a questão de ser chato e tentar vender, é também a familiaridade que as pessoas têm com a sua marca, produto ou serviço.

Normalmente leva 7 pontos de contacto com a sua marca (ex.: email, anúncio Facebook) até a pessoa estar pronta para comprar.

Dê valor às pessoas, ajude-as com o seu conteúdo (artigos, vídeos, lead magnets). Isto irá mostrar que você é especialista na sua área, um líder de opinião, e irá deixar as pessoas mais à vontade para comprarem o seu produto ou contratarem o seu serviço.

Complexidade e preço

Quanto mais complexo/caro e difícil de mostrar ou explicar for o seu produto ou serviço, mais tempo e informação é necessária para que um potencial cliente esteja pronto para comprar.

Complexidade no preço em euros

Se o produto é papel higiénico, se é uma comodidade, então é fácil de perceber, é barato e de baixo risco. A pessoa pode tomar uma decisão imediatamente.

Se o produto é consultoria de normas de qualidade, se é mais complexo e caro, então requer mais acompanhamento e informação, porque será mais caro e terá algum risco. Não é como comprar uma tablete de chocolate.

Como fazer com que as pessoas comprem mais depressa

Uma boa forma de testar o seu lead magnet é ao fazer o que se chama de split-testing, ou testes A/B.

Use a mesma oferta para que a pessoa se inscreva, mas adicione-as a listas diferentes (ou tags, como eu uso).

Split testing

Depois use uma sequência de emails automatizados (autoresponder), que contêm emails diferentes conforme a lista/tag a que a pessoa foi atribuída, variando o conteúdo dos emails e o tempo usado até “puxar” pela venda.

Assim pode medir as conversões de vendas naqueles períodos de tempo para saber qual a lista/tag (e a sequência de emails) que funcionou melhor)

Dominar os Públicos Facebook duma vez por todas

Está à procura dum ÚNICO recurso que explica todos os Públicos Facebook que precisa saber para ter anúncios que geram faturação a sério?

Agarre uma cópia do meu belo ebook:
Ebook EmCheio

Não gaste nem mais um cêntimo nas suas campanhas antes de abrir este manual de treino bastante abrangente. Clique aqui para saber o que está lá dentro.

Aceder ao Facebook Analytics

Aceder ao Facebook Analytics

Pode aceder facilmente ao Analytics no seu Facebook. Esta secção vai-lhe permitir saber dados e informação sobre as suas páginas e apps.

Psst. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo
Neste vídeo vou-lhe mostrar como aceder à nova secção de Analytics no seu Facebook.

Olá, o meu nome é João Alexandre e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

A primeira coisa a fazer é ir ao seu Gestor de Negócios ou estando dentro do Facebook, ir ao canto superior esquerdo no menu hambúrguer. O menu hambúrguer são as 3 linhas horizontais que aqui estão.

Vai a Todas as ferramentas, e por baixo de Dados e relatórios, vai conseguir ver uma secção chamada Analytics.

Vai clicar neste link, e depois vai ter a esta Página. Aqui, nesta página, terá todas as suas páginas disponíveis, na qual pode saber a analítica de cada uma delas.

Eu vou escolher qual é que é a minha, que é esta aqui. E depois de selecionar, vai ter a uma página como esta.

Esta página é basicamente, o Facebook está a recolher dados sobre a sua página para juntar analytics [dados] para ela. Quando isto estiver pronto, vai aparecer a página refrescada, desta forma.

E é aqui que poderá ver a analítica correspondente a esta página. Neste momento ainda está em zero, porque isto foi feito recentemente, mas quando você fizer este método, vai começar a ter aqui dados que depois pode analisar com calma e vai ter bons insights sobre a sua página e de que forma pode usar isso para aumentar o seu alcance para as pessoas.

E é assim que se acede à nova secção de analytics dentro do seu facebook.

Espero que este vídeo tenha sido útil. Goste, faça um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que possa ajudar no seu negócio. Obrigado.

Como ser verificado pelo Facebook com símbolo azul

Não era porreiro ter um símbolo de verificação azul na sua Página, ou no seu perfil?

Isto mostra às pessoas que a sua página é importante, pois foi verificada pelo Facebook.

Para verificar a sua página, saiba primeiro se ela está em conformidade neste link: https://www.facebook.com/help/1288173394636262

Se estiver, então pode aceder a este link para fazer o seu pedido de verificação: https://www.facebook.com/help/contact/342509036134712

Veja o vídeo abaixo.

Psst. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo
Neste vídeo vou-lhe mostrar como colocar um símbolo de verificação azul ou no seu perfil.

Você deve colocar um símbolo de verificação azul na sua página ou no seu perfil porque não só parece bem como também gera prova social e a pessoa sabe que está a lidar com uma página que está verificada pelo Facebook. Então vamos lá saber como fazer isto.

A primeira coisa a fazer é vir aqui a esta URL, a esta página, que diz como posso pedir um símbolo de verificação azul, e aqui nesta página nós podemos ter informação do que é que interessa relativamente a este símbolo de verificação azul, que o Facebook diz que informa as pessoas que uma Página ou perfil de interesse público é autêntico.

E para pedir um símbolo de verificação azul, a nossa página tem de estar em conformidade com os termos de serviço do Facebook, e deve ter uma foto de capa, uma foto de perfil, um nome que siga as normas do Facebook, conteúdos publicados naquela conta, e para o caso de perfis, a funcionalidade Seguir ativada.

Para fazer isto só temos basicamente de vir aqui a este link e clicar neste link para ir para este formulário.

Eu já tenho o formulário aberto, que é isto, e este é o formulário no qual vamos pedir ao facebook para ele colocar um símbolo azul na nossa página ou nosso perfil.

Aqui neste exemplo eu vou pedir ao Facebook para ele colocar na minha página. Eu tenho um perfil, mas eu vou pedir para ele colocar isto na minha página oficial de João Alexandre.

Já selecionei qual é a minha Página e já escolhi também um ficheiro, que é um ficheiro que temos de fazer upload para o Facebook para mostrar que somos autênticos, ou seja, para verificar a nossa conta.

No caso de ser uma pessoa, é algum tipo de documento do Governo, por exemplo, uma carta de condução que é o que eu tenho aqui, para mostrar ao Facebook que nós somos autênticos.

Se quiser verificar outra coisa que não seja uma pessoa, por exemplo, se tiver uma empresa na qual quer verificar a sua Página, então deve ter algum tipo de documento, um pagamento do telefone, ou um pagamento da água, ou da eletricidade, uma coisa que garante que é ali naquela morada que mora a sua empresa.

Depois disto, preenchemos aqui em baixo informações adicionais que temos que explicar ao Facebook porque é que a nossa conta deve ser verificada.

E eu vou preencher o meu.

E eu aqui já escrevi o meu, e agora vou clicar em Enviar. Depois vamos ter a esta página, a qual é a confirmação que nós enviámos o nosso pedido de verificação da página ou perfil do Facebook.

Agora o que há a fazer, é aguardar e esperar que a nossa página, ou o nosso perfil, sejam verificados pelo Facebook e que apareça lá o símbolozinho azul da verificação da Página, que é uma coisa que parece bem e mostra às pessoas que a nossa página está verificada pelo Facebook.

Espero que este vídeo tenha sido útil.

Se gostou deste vídeo, Goste, partilhe, faça um comentário, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que possa ajudar no seu negócio. Eu sou o João Alexandre, e espero que este vídeo tenha sido de grande valor para si. Obrigado.

Hacking aos Anúncios Facebook

Neste artigo abordamos os seguintes tópicos:

  1. Como ter mais prova social (likes etc.) nos anúncios
  2. Como dar a conhecer a minha loja?
  3. Como chegar a certas pessoas dentro dum público?
  4. O que fazer com anúncios que não têm resultados?
  5. Como obter ajuda do Facebook para os anúncios?
  6. Como otimizar para conversões sem o píxel?
  7. Como promover o meu ginásio em 6 meses?
  8. O que é um bom CPC (custo por clique)?
  9. Mudar o orçamento impacta desempenho dos anúncios?
  10. Usar janela de atribuição de 1 ou de 7 dias?
  11. BÓNUS: como instalar o píxel no meu site?

Espero que este artigo lhe seja de grande valor.

#1 – COMO TER PROVA SOCIAL

nos seus anúncios (mais likes, comentários, etc.)

Numa rua temos dois restaurantes. Se um tem uma grande fila e o outro não tem ninguém à porta, provavelmente vai pensar que o primeiro é um bom restaurante.

Num post/anúncio Facebook, é a mesma coisa. Quando há muitos Gostos, comentários e partilhas, as pessoas prestam mais atenção e interagem.

Quando duplicamos conjuntos de anúncios, o Facebook cria novos anúncios duplicados, mas que são novos, ou seja, os Gostos e interação que teve no anúncio original, não vão para os anúncios duplicados.

Para termos todos os gostos, comentários e partilhas a irem todos para o mesmo anúncio, encontramos a identificação (ID) do anúncio e apontamos todos os anúncios para o mesmo.

Passo 1: Aceda às Publicações de página
Publicações de Página

Passo 2: Encontre a sua publicação, seja post ou anúncio
Publicações de página (e anúncios)

Passo 3: Copie este número (ID do post)
Copiar ID de post de anúncio

Passo 4: Cole a ID em Utilizar publicação existente (na vista Anúncio)
Utilizar publicação existente

Resultado: Agora todos os Gostos, Comentários e Partilhas irão todos para o mesmo anúncio, concentrando toda a prova social num único sítio, para fazer bom uso do seu dinheiro.
Anúncio Facebook

#2 – COMO DAR A CONHECER

a minha loja/estabelecimento às pessoas?

Antigamente havia um objetivo de campanha de “Local Awareness” que se podia selecionar, que era um bom objetivo para dar a conhecer um estabelecimento físico local às pessoas.

Nos últimos tempos o Facebook consolidou os seus objetivos, eliminou alguns e fez uma fusão de outros como forma de facilitar as coisas aos anunciantes.

Objetivos de Campanha

Agora, há dois tipos de objetivos que recomendo usar para dar a conhecer um negócio físico local às pessoas: Divulgação da marca, e visitas à loja.

No entanto sugiro que escolha Divulgação da marca e que segmente a nível local.

Passo 1: Selecione Divulgação da marca (objetivo Campanha)
Objetivos de Campanha (divulgação da marca)

Passo 2: Defina o seu público para a sua localidade
Definir público local

Resultado: Estará a divulgar a sua marca e a dar a conhecer o seu estabelecimento a pessoas nos arredores. É mais prático do que visitas à loja, que também pode experimentar, mas requer passos adicionais (ver imagem).

Objetivos de Campanha

Visitas à loja

#3 – COMO CHEGAR ÀS PESSOAS

certas dentro dum público?

Como pode chegar a um conjunto de pessoas específicas que existem dentro dum público, mas que não têm critérios de segmentação que as possamos escolher.

Por exemplo, suponha que quer chegar a pessoas que são gestores e que estão à procura de contratar outros gestores dentro dum mercado específico.

Chegar às pessoas certas

Aqui temos de dar um passo atrás, e usar a copy do nosso anúncio para falar diretamente para esse conjunto de pessoas, ou seja, usamos o texto no anúncio para filtrar as pessoas que queremos daquele público.

Passo 1: Na copy do seu anúncio, fale diretamente para a pessoa, através do cargo, função ou ação que quer que tomem. No exemplo abaixo estou a segmentar para pessoas que fazem anúncios no Facebook, e daqueles que fazem anúncios, quero atingir quem quer fazer anúncios Messenger (nem todos sabem fazer, veja o meu artigo Anúncios Messenger: Guia Completo).

Anúncio Messenger

Eis outro exemplo, onde estou a chamar a atenção dos marketers na minha copy.
Chamar atenção do público na copy

Resultado: Estará a chegar às pessoas certas dentro dum público-alvo que definiu. Esta é a forma de atingir um subgrupo de pessoas dentro dum público que de outra forma não consegue alcançar através das opções de segmentação do Facebook.

#4 – LANCEI UM ANÚNCIO HOJE

e não está a ter resultados, o que fazer?

Um dos problemas que vejo nos meus clientes e alunos é a impaciência. Não dão tempo suficiente para os anúncios correrem e serem mostrados às pessoas.

O Facebook precisa de tempo para otimizar o seu anúncio, ou seja, mostrar às pessoas que estão mais inclinadas para tomar o tipo de ação baseado no objetivo da campanha que escolheu (ex.: tráfego, conversões).

Para isso tem de esperar tempo suficiente, e após isso, se não estiver a ter resultados, analise aquilo que eu chamo das “métricas de resolução de problemas”, para perceber o que há de errado.

Tablet e login Facebook

Passo 1: Espere 24-36 horas antes de ver estatísticas do anúncio, antes de tirar quaisquer conclusões. A paciência é uma virtude.

Rapariga em meditação relax

Passo 2: Veja estatísticas principais relacionadas com objetivo. Se for Tráfego, veja custo por clique, se for Conversões, veja custo por lead, etc. para os outros objetivos.

Métricas principais de objetivos

Passo 3: Se os anúncios tiverem com fraco desempenho, veja as métricas de resolução de problemas:

  • CTR (taxa de cliques)
  • Classificação de relevância
  • Frequência
  • Taxa de conversão

CTR (taxa de cliques): As pessoas clicam no anúncio mas não se convertem? Isso significa que o seu anúncio pode ser bom, mas a sua landing page tem problemas que precisa resolver. Mais de 1% é uma taxa de cliques decente.

Classificação de relevância: A classificação de relevância é menor que 6? Então o anúncio não é relevante para o público que definiu. O ideal é ter acima de 6.

Frequência: Qual a sua frequência? Esta é o n.º de vezes que o seu anúncio foi mostrado à mesma pessoa. Se mostrar muitas vezes, poderá ter feedback negativo. Mantenha em 1 a 4.

Taxa de conversão: E a sua taxa de conversão? As pessoas convertem-se na sua página? Se não, o problema está na sua landing page ou na sua oferta, ou seja, a sua landing page até pode ser boa, mas a sua oferta não é boa para o público que escolheu.

Resultado: Ao ser paciente antes de tirar conclusões, poderá analisar o verdadeiro impacto dos seus anúncios. Se mesmo assim não estiver a ter resultados, verifique as métricas principais relacionadas com o objetivo de campanha, e após isso, as métricas de resolução de problemas.

#5 – COMO OBTER AJUDA

do Facebook para os meus anúncios?

É normal ter dúvidas e problemas que possa estar a ter no Facebook, particularmente com os seus anúncios.

Acontece algum problema com os seus anúncios, ou com a sua conta, e precisa de resolver este problema, comunicar com alguém.

Por vezes é uma dúvida que precisamos genuinamente de resolver, outras vezes é um problema do próprio Facebook, que causa bugs e glitches que nos dificultam a vida.

Poucas pessoas sabem como contactar o Facebook. Mas eu vou-lhe mostrar – porque sou bom rapaz.

Homem a segurar escadas

Passo 1: Aceda a este link: https://www.facebook.com/business/resources

Página de ajuda do Facebook

Passo 2: Escolha o tipo de ajuda (comunidade, chat)
Comunidade ou chat

Resultado: Ao aceder a essa página, poderá consultar os documentos de ajuda do Facebook, e se precisar de suporte adicional, pode colocar uma pergunta aos outros utilizadores, ou falar via Messenger com um representante do Facebook (dias úteis, e horas limitadas).

#6 – OTIMIZAR P/ CONVERSÕES

sem o píxel do Facebook?

Como otimizar para conversões sem o píxel do Facebook?

Por exemplo, suponha que está a vender bilhetes para um cliente, e o site deles não é seu, ou não permite colocar o píxel.

O que fazer?
Comprar bilhete para concerto

Passo 1: Crie um anúncio de Conversões para incentivar à venda do bilhete (ou seja o que for que estiver a vender para o cliente)
Anúncio icone

Passo 2: Leve as pessoas para uma landing page que você controla, e coloque aí o píxel do Facebook.

Passo 3: Crie um evento padrão de “Purchase” para disparar quando alguém clica no botão Comprar (que leva para o tal website que você não controla)

Evento padrao em Comprar

Passo 4: A nível do conjunto de anúncios, selecione “Compra”. Isto diz ao Facebook qual o evento para o qual queremos otimizar a conversão.

Otimizar para Compra (evento padrão)

Passo 5: Em adição a isso, ainda no Conjunto de anúncios, selecione “Cliques na ligação” na secção de Otimização e publicação.

Cliques na ligação (anúncio Conversões)

Resultado: Selecione o objetivo de Conversões, e para otimizar as conversões para “Purchase”, o Facebook irá mostrar o seu anúncio às pessoas mais inclinadas para tomarem.

Depois, é da responsabilidade da sua landing page de convencer as pessoas a comprar o bilhete, que ao clicar no botão, leva para o site externo onde a compra poderá ser feita.

Isto é uma forma de poder otimizar para conversões quando não temos acesso ao website que faz a venda para colocarmos lá o píxel.

Nota do João: Poderia colocar o evento padrão de Compra na página de obrigado da tal bilheteira online – se tivesse acesso ao site deles. Mas mesmo que tivesse, se o bilhete for caro, poucas pessoas iriam comprar, o que não iria dar dados suficientes ao Facebook para mostrar o seu anúncio às pessoas mais inclinadas a comprar.

#7 – COMO PROMOVER

o meu ginásio em 6 meses?

Suponha que quer promover o seu negócio, ou que quer promover o ginásio dum cliente no qual tem um contrato de 6 meses para lhe captar mais leads e clientes.

Iria fazer anúncios para levar as pessoas para uma landing page com uma oferta para as converter como leads?

Não é sensato fazer isto, mês após mês. É bom mostrar ao cliente a captação de leads para mostrar resultados, mas não devemos fazer campanhas de conversão continuamente, porque o seu público estaria saturado ao fim desses 6 meses neste segmento de mercado, especialmente se for a nível local.

Temos de abordar isto de maneira diferente.

Pessoas num ginásio

Passo 1: Qual é o objetivo do negócio, deste ginásio? Tudo começa aqui. É branding, leads, vendas?

Dardos (setas) em alvo a azul

Passo 2: Vamos partir do princípio que o objetivo é vender mensalidades de ginásio. Crie uma campanha de Divulgação de marca ao longo dos 6 meses, variando as imagens e copy do anúncio.

Objetivos de Campanha (divulgação da marca)

Passo 3: Faça campanhas de conversão ocasionais com anúncios de retargeting para quem visitou as landing pages dos anúncios de Divulgação da marca. Isto pode ser na forma dum desconto ou promoção. Pode ocasionalmente experimentar para públicos frios também.

Anúncio para landing page com promo

Resultado: Ao fazer isto estará a dar a conhecer-se primeiro ao seu mercado antes de lhes tentar impingir alguma coisa.

As campanhas de Divulgação de marca podem levar para um artigo ou páginas que mostram os bastidores do ginásio, um “antes e depois”, etc.

As campanhas de conversão são feitas ocasionalmente para as pessoas que já o conhecem, podendo experimentar também para públicos frios.

As campanhas de divulgação da marca são para ser feitas continuamente, as campanhas de conversão são para ser feitas ocasionalmente, e em conjunção às outras.

#8 – O QUE É UM BOM

CPC (custo por clique) para o meu anúncio?

Perguntar quanto é um bom custo por clique é como ir a um stand automóvel e perguntar quanto custa um carro.

O vendedor vai olhar para si com pena, ou rir-se na sua cara, e depois perguntar-lhe se o carro é novo ou usado, a gasolina ou gasóleo, comercial ou de passageiros, etc.

Gestor comercial

Suponha que o seu custo por clique é de 2 euros, e você está a vender T-shirts. É mau.

Suponha que o seu custo por clique é de 2 euros, e você está a captar leads quentinhas para imobiliário. É bom.

Passo 1: Determine o seu objetivo. Está a fazer anúncios porquê? Porque está na moda ou porque o João disse? Ou está à procura de atingir alguma coisa em concreto para o seu negócio ou atividade?

Seta e lâmpada

Passo 2: Verifique as suas métricas mais importantes, relacionadas com o objetivo de campanha que escolheu. Por exemplo, numa campanha de Conversões, veja o custo por lead, numa campanha de Interações, veja o custo por Interação (Like).

  • Qual o CTR (taxa de cliques)?
  • Qual a Frequência (manter 1-4)?
  • Qual a Classificação de relevância
  • As pessoas estão a comentar, gostar?

Passo 3: Se o seu custo por clique for elevado, analise a sua taxa de cliques (diferente de custo por clqiue). Se a sua taxa de cliques for > 1%, reveja o seu Público; se a sua taxa de cliques for < 1%, reveja o seu anúncio (copy, imagem) e o seu público. Homem e analítica

Resultado: Um custo por clique é baixo ou elevado conforme o que estiver a vender e conforme o seu objetivo. Se acha que o seu CPC é elevado, analise outras métricas para perceber o que está a falhar.

Pode ser que o seu anúncio não seja relevante para o público que definiu, ou a sua landing page que tem de ser melhorada, ou a sua oferta que também tem de ser melhorada, ou simplesmente, pode não ser a oferta mais adequada para o público que definiu.

#9 – MUDAR O ORÇAMENTO

impacta o desempenho dos meus anúncios?

Resposta curta é que mudar o seu orçamento não impacta o desempenho dos seus anúncios.

Imagine que criou uma campanha e definiu o orçamento para 10 euros por dia, há dois dias. No primeiro dia gastou os 10 euros, no segundo dia gastou os 5 euros, e hoje ainda não gastou nada do orçamento. Os anúncios não estão a gastar o seu orçamento.

Mudar o seu orçamento não iria impactar os seus anúncios.

O desempenho dos seus anúncios está dependente da sua segmentação, ou seja, o público que definiu, e da qualidade do anúncio em si (bom copywriting, boa imagem).

Público facebook definir

Passo 1: Veja as suas métricas principais relacionadas com o objetivo de campanha que escolheu (ex.: Tráfego, veja custo por clique; Conversões, veja custo por lead)

Algumas estatísticas

Passo 2: Veja a Classificação de relevância do anúncio. Se for abaixo de 6, o seu anúncio não é relevante para o público que definiu, e o Facebook irá mostrá-lo menos vezes às pessoas. Trabalhe no seu anúncio e landing page até estar igual ou superior a 6.

Classificacao de relevância

Passo 3: Veja as outras métricas de resolução de problemas. Além da Classificação de relevância, veja também o CTR (taxa de cliques), a Frequência, e a taxa de conversão. E reveja o seu público, porque poderá estar aí o seu problema, que não está a segmentar para um bom público. Veja o artigo do Guia Completo Públicos Personalizados.

Resolução de problemas (chave fendas)

Resultado: Se o orçamento que definiu não estiver a ser gasto por completo, poderá ser devido a uma variedade de razões, mas mais provavelmente será devido a 1) maus critérios de segmentação do seu público e 2) fraco anúncio.

Também pode ser que o público que escolheu seja muito atingido por outros anunciantes no Facebook, e eles têm melhores anúncios do que os seus (porque acompanham os meus conteúdos :), fazendo com que os anúncios deles sejam mais mostrados. Reveja o seu público e as suas métricas para perceber onde está o problema.

Dica bónus: experimente fazer lances manuais, e coloque um valor mais elevado do que o custo por clique médio que tem atualmente nos seus anúncios. Isto vai fazer com que o seu anúncio tenha mais hipóteses de ser mostrado mais vezes do que os dos seus concorrentes.

#10 – CONVERSÕES

usar janela de atribuição de 1 ou 7 dias?

Deve usar uma janela de atribuição de 1 ou 7 dias?

Quando o seu objetivo de campanha é Conversões, na secção de Otimização e publicação (a nível do Conjunto de anúncios), há uma opção para escolher se quer otimizar para cliques de 1 dia ou de 7 dias.

Isto significa que é o tempo que demora após alguém clicar no seu anúncio e tomar a ação que quer que eles tomem após aterrarem na sua landing page.

Pessoalmente uso o clique de atribuição de 1 dia, e é o que sugiro aos meus clientes e coachees.

Se alguém for para uma landing page para se inscrever numa aula grátis minha, ou ebook, etc., é 1 dia que deve ser: as pessoas não estão a comprar um carro, isto é uma decisão rápida.

Explicação da janela de atribuição

Passo 1: A nível do conjunto de anúncios, seleciona Clique de 1 dia. Isto fará com que a conversão, se correr no espaço de um dia, seja atribuído anúncio do Facebook.

Otimizar para cliques de 1 dia

Passo 2: Depois de deixar correr os anúncios algum tempo, vá ao seu Gestor de Anúncios e selecione Personalizar colunas.

Personalizar colunas

Passo 3: Por defeito, está como clique de 28 dias e visualização de 1 dia. Aqui pode selecionar as janelas de comparação para analisar os dados respetivos a elas que aparecem nas estatísticas dos seus anúncios.

Alterar janela de atribuicao

Janela de atribuicao cliques e visualizaçoes

Passo opcional: Para alterar a predefinição da janela de atribuição, vá a este link e selecione a sua janela de cliques e janela de visualização.

Janela atribuição por defeito

Resultado: As janelas de atribuição são definidas a nível do Conjunto de anúncios, na secção de Otimização e publicação. Sugiro que selecione Cliques de 1 dia, porque é o mais indicado para a maioria das pessoas.

Se estiver no entanto a vender produtos que requerem um elevado investimento (pense num carro ou numa casa), então é mais apropriado janelas de atribuição maiores.

#BÓNUS: PÍXEL

como instalar o píxel no seu site

O píxel do Facebook é o que permite otimizar para conversões e fazer anúncios de retargeting. É uma maravilha.

Pessoalmente, uso o Google Tag Manager para instalar o píxel, mas se o seu website estiver criado num gestor de conteúdos como o WordPress, poderá em plugins instalar o píxel do Facebook facilmente.

Veja também este artigo para uma forma alternativa de instalar o píxel do Facebook no seu site WordPress.

Screenshot site wordpress.org

Passo 1: Crie ou aceda ao código do seu píxel neste endereço:
https://www.facebook.com/ads/manager/pixel/facebook_pixel/. Se já criou o seu píxel selecione Ver código do píxel e esta janela irá abrir. Nota: pode criar 10 píxeis se tiver Gestor de Negócios.

Ver código do píxel

Código do píxel

Passo 2: Instale um dos seguintes plugins para colocar o píxel do Facebook no seu website.

Resultado: Com o seu píxel instalado, poderá otimizar para conversões específicas com eventos padrão (Compra, Lead, etc.) e conversões personalizadas. É com o píxel que podemos fazer anúncios de retargeting para as pessoas.

Por exemplo, posso criar um anúncio para levar as pessoas para um artigo no meu site em que falo sobre como ter um jardim doméstico, mesmo que more num apartamento.

Depois, faço anúncios retargeting, para as pessoas que viram esse artigo, para as levar para uma landing page onde tenho um ebook para lhe dar sobre “Como plantar amoras de deitar água na boca no seu jardim doméstico”.

Assim estou a captar leads, entram no meu funil de marketing automatizado e mais tarde, eventualmente poderão converter-se para uma Workshop sobre jardins domésticos e horticultura.

O céu é o limite. Eu dei-lhe as ferramentas e todo este conhecimento gratuitamente. Agora está na altura de implementar. Deixe-me orgulhoso.

Chihuaua com flor

6 dicas para o seu próximo anúncio de vídeo

Os vídeos funcionam muito bem porque o Facebook quer manter as pessoas o maior tempo possível na rede social.

Ao fazer anúncios com vídeos irá chegar a um maior número de pessoas que prestam mais atenção a vídeos do que apenas se usar só texto e imagem.

Para isso mostro-lhe 6 dicas por trás de anúncios de vídeo que trazem resultados e vários exemplos.

Browser de anúncio de vídeo

Dica 1 – comece pelo fim

Qual o seu objetivo? Exposição em massa (branding), mais tráfego no seu site, leads, vendas? Antes de criar o seu vídeo, saiba porque o está a fazer, e não só “vamos fazer um anúncio de vídeo porque está na moda”.

Por exemplo, o seu objetivo pode ser um anúncio com vídeo para levar as pessoas para uma landing page onde as possa captar como leads.

Funil vendas simples

Dica 2 – chame à atenção

O seu vídeo deve fazer com que a pessoa pare na sua feed de notícias e preste atenção ao seu anúncio. Isto poderá vir na forma de alguma animação ao princípio do vídeo.

Escolha um formato apropriado para o seu vídeo. Por exemplo, vídeos de 1000×1000 píxeis (quadrados) podem ser usados tanto no Facebook como no Instagram. Por outro lado, o Facebook gosta de vídeos verticais e poderá dar uma ligeira vantagem a eles, porque o foco está no mobile.

Clique na imagem para ver o vídeo de formatos recomendados.

Requisitos vídeos Facebook

Dica 3 – agregue valor

Se tem cifrões à sua frente, isso irá transparecer nos conteúdos que criar. Dê valor à sua audiência, de forma genuína.

Pode fazer vídeos curtos para mostrar “como fazer” ou vídeos longos, como um Facebook Live. Sim, dá para fazer anúncios de vídeos de Facebook Lives, porque eles são vídeos.

O post em baixo era dum Facebook Live, ou seja, duma aula grátis que fiz. Esse replay já não está disponível porque eu apago todos os replays ao fim de alguns dias. Mais uma razão para assistir a todas as minhas aulas.

Exemplo de Facebook Live

Dia 4 – adicione legendas

Legendas em vídeos incentivam a uma maior percentagem de visualizações dos vídeos. Adicione legendas aos seus anúncios de vídeos para que eles sejam vistos por mais pessoas, e visualizados por uma maior duração de tempo.

As legendas permitem a pessoa ver o seu vídeo sem o som, caso esteja numa situação em que não pode ligar o som, ou simplesmente não quer.

Clique na imagem para ver o vídeo com legendas. Estas legendas estão integradas diretamente no vídeo, não são legendas nativas do Facebook (porque as deles são pequeninas).

Exemplo legendas em vídeo

Dica 5 – escolha a duração certa

Quanto tempo deve ter o seu vídeo? Se por um lado vídeos curtos podem ajudar a que a pessoa veja o seu anúncio, por outro, vídeos longos revelam interesse no espetador se este visualizar uma boa percentagem do vídeo.

Sugiro que teste: experimente tanto com vídeos curtos como longos. Ainda assim, para ter uma linha de orientação, pode seguir a recomendação desta imagem. Clique na imagem para ver o vídeo com exemplos.

Por exemplo, um GIF (considerado pelo Facebook como vídeo) pode ter a duração de apenas 5 segundos, um vídeo de “como fazer” pode ter 3 minutos, enquanto um Facebook Live pode ter 25 minutos.

Duração anuncios video

Dica 6 – ferramentas vídeo

Há serviços e software que pode usar para criar e editar os seus vídeos.

Há alguns que pode usar diretamente a partir do seu dispositivo móvel que permitem edição básica, que pode ser mais do que o suficiente para as suas necessidades. Há outros que são mais avançados, normalmente usados em desktop, que permitem maior controlo na edição dos vídeos.

Por exemplo, eu trabalho em PC e uso o Camtasia para screencasts com o ocasional uso do Adobe After Effects e Adobe Premiere. No Mac existe o Screenflow (também existe Camtasia), assim como a suite da Adobe.

Básicas
Animoto – www.animoto.com
Adobe Spark Video – https://spark.adobe.com/about/video
Ripl – http://www.ripl.com/
VideoShop – http://www.videoshop.net/
Vidlab – https://museworks.co/vidlab/

Avançadas
Camtasia – https://www.techsmith.com/video-editor.html
Adobe After Effects – www.adobe.com/pt/products/aftereffects
Adobe Premiere – www.adobe.com/pt/products/premiere

Você já faz anúncios de vídeo?

Pequeno truque anúncios Facebook

Neste vídeo vou-lhe mostrar um truque para baixar o custo dos seus anúncios e aumentar o envolvimento das pessoas no Facebook.

Veja o vídeo abaixo.

Psst. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo

Neste vídeo vou-lhe mostrar um truque para baixar o custo dos seus anúncios e aumentar o envolvimento das pessoas no Facebook.

Olá, o meu nome é João Alexandre, e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

Isto é uma das coisas que tenho feito ultimamente para mim e tem funcionado bem: um dos problemas dos anúncios Facebook é que às vezes as pessoas parece que cheiram os anúncios…

E você não quer que eles cheirem os anúncios. Você quer que eles percebam que você está a agregar valor a eles.

Para tornar os seus anúncios mais naturais, eu tenho feito isto para mim, e tem dado bons resultados na minha página, nos meus anúncios, nos meus posts.

Mas antes de começar, temos de perceber uma métrica do Facebook, que se chama, a Classificação de Relevância.

A classificação de Relevância é uma pontuação de 1 a 10, que mostra quão relevante é o nosso anúncio, para as pessoas, das quais estamos a atingir.

O ideal é ter uma classificação de relevância de 6 ou acima de 6, portanto, se ainda não tem uma classificação de relevância nos seus anúncios de 6 ou acima de 6, por favor trabalhe nos seus anúncios para conseguir que eles fiquem com o máximo de pontuação possível.

Como é que a classificação de relevância é atribuída?

O Facebook atribui a classificação de relevância para os nossos anúncios com base numa série de fatores, entre eles, a copy, ou seja, o texto do seu anúncio ou do seu post, a imagem ou vídeo que está a usar, e quão relevante, ou não, a sua landing page, ou seja, a sua página de destino para as pessoas que vão clicar [no anúncio] para irem para a landing page.

O Facebook vai [pegar] em todos estes fatores e vai atribuir uma pontuação especificamente para cada um dos seus anúncios, e quanto mais elevada for a sua classificação de relevância, mais baixo vai ser o custo dos seus anúncios.

Porque isto nos diz a nós, e o Facebook está dizer-nos, que o nosso anúncio é relevante para aquelas pessoas que estamos a atingir, para o público-alvo que estamos a definir, que nós segmentámos, juntamente com os outros fatores, como a landing page, copy, imagem, texto, etc.

Uma forma de conseguir uma boa classificação de relevância é, no seu anúncio, você escrever bastante texto, mas bastante texto apelativo, não é escrever por escrever.

E nesse texto, escrever tanto texto no seu anúncio que o texto fica truncado, ou seja, vão aparecer aqui estes três pontinhos, e depois, o Ver mais.

E as pessoas, para verem mais, se acharem que o post ou o anúncio é interessante, têm de clicar, e depois vai revelar o resto do texto.

Isto é um dos fatores que contribui para que o Facebook atribua uma boa classificação de relevância porque a pessoa quando clica no Ver mais ela está a dizer ao Facebook, “olha, eu estou interessado, eu quero saber mais, este anúncio é relevante para mim.

Isto mostra ao Facebook que o anúncio é relevante para aquela pessoa e vai aumentar a sua classificação de relevância.

Trabalhe na sua classificação de relevância para ter o máximo possível de pontuação que conseguir, sendo que, se tiver um 9 ou um 10, isto significa que você ganhou.

Você venceu. O seu anúncio é altamente relevante para a pessoa que está a atingir, para o público-alvo que definiu e segmentou.

Assim vai conseguir baixar o custo dos seus anúncios, vai aumentar o envolvimento das pessoas, a nível de comentários, gostos e partilhas, e vai agregar uma boa experiência ao utilizador, nas pessoas, no Facebook.

Espero que este vídeo tenha sido útil, Goste, faça um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que eu o(a) possa ajudar no seu negócio.

Conteúdo Grátis vs Conteúdo Pago (qual a diferença)

Artigo conteudo gratis vs pago

Esta é a pergunta que muito boa gente tem:

Como sei qual o conteúdo que devo dar gratuitamente versus aquele que devo ter como pago nos meus cursos ou formações?

Por exemplo, se você tem um blog com vários artigos que usa para atrair pessoas e fazer com que se interessem no seu curso online (ou formação física), que tipo de conteúdo coloca no seu blog/vídeos sem dar o seu conteúdo pago gratuitamente?

Que boa pergunta.

Pode ser difícil saber qual o conteúdo que se deve dar grátis vs aquele que se deve ter dentro dum curso pago.

Se formos a ver bem as coisas, há tanto conteúdo online disponível – gratuitamente – que como vamos sequer ter conteúdo suficiente para incluir num curso premium?

rapariga meia confusa

Já alguma vez pensou que não estava com energia nem motivação para criar mais conteúdo? Ou que parece que está a dar bom conteúdo tudo à borla?

Neste artigo tenho respostas para si. Mas antes vamos saber o que é conteúdo grátis e conteúdo pago.

Conteúdo gratuito é isto:

  • artigos no seu blog
  • vídeos que lançou publicamente
  • lead magnets/content upgrades (ex.: ebooks, guias)

Isso é o tipo de conteúdo que qualquer pessoa pode aceder sem gastar dinheiro: podem aceder ao ler os seus artigos no blog, vídeos que tenha no YouTube ou Facebook e lead magnets que tenha nas suas landing pages.

Conteúdo pago é isto:

  • tudo o que tem dentro do seu curso online ou formações físicas onde as pessoas têm de pagar para ter acesso

Conteúdo é rei


Diferenças conteúdo grátis vs pago

Existem algumas diferenças entre conteúdo grátis e conteúdo pago, e vou explicar-lhe quais são de seguida.

Então vamos lá.

Diferença #1 – conteúdo grátis é sobre o “quê” e o “porquê”. Conteúdo pago é sobre o “como”

Em conteúdo gratuito, estamos a falar em quê e o porquê. O que é que o seu público-alvo tem de saber, estar ciente, perceber ou acreditar antes de estarem prontos para comprar os seus serviços pagos.

“Acreditar” é uma palavra interessante. O que é que o seu cliente ideal tem de acreditar nele próprio(a) ou na sua situação de que isto pode funcionar? Se eles acreditam que é muito difícil ou que não conseguem fazer, e é com o seu conteúdo gratuito que tem de abordar este problema da crença deles.

É fácil arranjar temas para criar conteúdo: basta estar atento ao que as pessoas comunicam, seja nos comentários do seu blog, na sua página Facebook, ou ao vivo.

Baloes bonecos

Na maioria das empresas (físicas ou online), conteúdo gratuito pode-se repartir em duas categorias: mentalidade e estratégias (ou táticas, dicas).

Se quer estar por dentro da mentalidade dos seus potenciais clientes, tem de saber o que é que eles acreditam neles próprios, sobre a sua situação, e como isso pode mudar.

Lembre-se que é o “quê” e o “porquê”. O que é, e porque é que interessa? São essas as questões que você quer abordar e resolver com o seu conteúdo gratuito.

Em conteúdo pago, estamos a mostrar o “como” executar numa sequência, num plano. Isto é o passo-a-passo, é o conteúdo que explica a fundo as coisas.

Por exemplo, no meu curso online avançado do Domínio Completo, eu mostro como usar os anúncios Facebook para ter resultados para o seu negócio. Mostro passo a passo a estratégia, as táticas e dicas ninja para criar um funil que atrai pessoas e converte-as em clientes.

Em muito do conteúdo gratuito que crio à volta da temática de anúncios, eu falo sobre princípios e estratégias dos anúncios: o “quê” e o “porquê”. Também crio algum conteúdo gratuito que mostra o “como”, mas não de forma tão aprofundada quanto aquele que está dentro dos meus cursos pagos.

Posso criar conteúdo sobre a necessidade de fazer anúncios, dando exemplos de estratégias. E porque dou exemplos? Porque quando as pessoas vêem aquilo a ser aplicado na vida real eles acreditam que elas também conseguem fazer.

Homem com fato e bonecos com baloes

Com o conteúdo gratuito, estou a responder à questão, “O que é que o meu público-alvo tem de saber”, e no meu caso, com os anúncios, têm de saber que é possível terem bons resultados.

Querem saber como aquilo é aplicado na vida real. É como comprar roupa numa loja online: podemos fazê-lo, mas tocar e sentir tornam a coisa mais real.

Num negócio online é a mesma coisa: os meus alunos precisam de perceber como é que aquilo é aplicado na vida real antes de dizerem “Ok João toma lá o meu dinheiro. Eu quero isso. Mostra-me como ter resultados.”

Use exemplos no seu conteúdo gratuito. Eu uso imagens ou vídeo para mostrar aquilo que os outros estão a fazer. Os exemplos tornam a coisa mais real e de que é possível fazer isto.

No meu curso online eu tenho todo o passo-a-passo de como ter sucesso com anúncios, e no meu conteúdo gratuito tenho o quê e o porquê – com exemplos.

Diferença #2 – conteúdo gratuito são normalmente dicas e insights versus o conteúdo pago que é mais um sistema, um processo, um passo-a-passo

Pense numa árvore grande, daquelas antigas e imponentes.
Imagem de arvore e ramos

Os ramos da árvore são o seu conteúdo gratuito. Para mim, um ramo pode ser um Facebook Live (as aulas grátis que dou), outro ramo pode ser artigos como este que escrevo no blog, outro ramo pode ser os posts que publico na minha página Facebook ou os vídeos no YouTube.

Os ramos estão espalhados por toda a árvore. São ramos fortes por si próprios, mas não mostram nenhum padrão, nenhum caminho específico. São uma série de boas ideias e dicas.

Isto é o que vai ver quando vai ao meu blog ou vídeos no youtube. É conteúdo gratuito. Mas no meu conteúdo pago, tem acesso à árvore inteira, com cada ramo disposto de forma coesiva, com um padrão específico.

arvore completa

Em vez de aprender apenas a arranjar boas imagens para anúncios, ou saber que tem de definir um bom público para os seus anúncios, no conteúdo pago eu mostro como definir esse bom público ou que imagens são as melhores. Você está a ver o puzzle montado, em vez das peças individuais.

Em conteúdo pago, é importante que as pessoas saibam quando se devem focar no “quê” e quando fazer “isto” e quando fazer “aquilo”.

Se eles pagarem pelo seu serviço, curso, talvez já tenham absorvido informação de alguns dos ramos individuais da sua árvore, e tenham já alguma orientação do sistema/passo-a-passo que lhes vai ensinar.

Porque eles podem não ter ideia de como é o sistema que lhes vai ensinar, de quando fazer “isto” e quando fazer “aquilo.”

Pense em fazer um bolo.

Bolo triple chocolate

Se colocar a bandeja no forno sem ter lá colocado a mistura de todos os ingredientes daquilo que vai ser o bolo – não vai ter bolo nenhum. As pessoas estão a pagar-lhe para que lhes mostre como fazer e em que ordem fazer.

Eis um segredo: você pode pegar em todas as aulas grátis que já dei, os artigos que escrevi e os meus vídeos, e provavelmente vai conseguir saber como criar anúncios que lhe dão bons resultados, vez após vez.

Porque aqui e ali, deixo algumas dicas de que programas uso, truques pouco conhecidos, e táticas que funcionam. Não é fácil, mas há muito conteúdo gratuito que tenho que é super útil e se conseguir juntas as peças do puzzle vai saber como ter retorno consistente no seu negócio.

Mas vai ser incrivelmente difícil arranjar o tempo para consumir todo o conteúdo que tenho para pegar em todos os ingredientes e fazer um bolo. É por isso que nos meus conteúdos pagos (cursos) tenho o bolo já feito por si. E isto vale cada cêntimo.

Diferença #3 – conteúdo gratuito tem valor, conteúdo pago tem valor e é específico e detalhado

Imagine que está a jogar um jogo que tem 3 níveis. O seu conteúdo gratuito é o nível 1, o pago são os outros níveis que precisa para acabar o jogo.

Jobo de vídeo

O conteúdo pago não só tem valor, é também específico e detalhado, porque mostra o “como”.

No meu curso mostro como usar copywriting e técnicas persuasivas para que as pessoas parem para ver o anúncio. Numa aula grátis falo apenas no suficiente para perceber a coisa e depois a pessoa faz o resto por ela própria.

Ainda assim o meu conteúdo gratuito é por vezes bem detalhado e agrega bastante valor às pessoas, pelo menos é o que me têm dito: “João, adorei o artigo sobre os públicos personalizados e estou a implementar aquilo agora, fantástico.” Esse é um artigo bem detalhado em que mostro como segmentar e definir públicos.

Mas porque haveria eu de dar algo de extremo valor, gratuitamente, seja num artigo ou numa aula grátis? Muito desse conteúdo irá ser semelhante ao que irei ter num dos meus produtos pagos. Então porque faço isso?

Porque há aqueles que querem uma síntese daquilo, para poderem aplicar diretamente, ou que querem algumas dicas adicionais que estão apenas nos cursos pagos, para poderem chegar ao próximo nível.

Level up (nível)

Alguns de vós podem ver os meus conteúdos e dizer “João, algum do teu conteúdo gratuito é mesmo bom e específico e disseste que a diferença #3 é que o conteúdo gratuito tem valor mas o conteúdo pago é específico e detalhado.”

Não há regras “escritas na pedra”. Pode haver exceções.

Você decide quão aprofundadamente quer dar a matéria. Normalmente não convém ir muito a fundo no seu conteúdo gratuito se ele já está incluído num curso pago.

Mas se não estiver, poderá ser uma oportunidade para aprofundar um bocadinho e impressionar os seus leitores com esse conteúdo gratuito, como exceção, feito ocasionalmente.

É o que eu faço por vezes.

Crio artigos de blog ÉPICOS que estão alinhados com algum dos meus produtos pagos, como por exemplo o artigo que tenho sobre Públicos personalizados, em que no final do artigo tenho um ebook pago que eleva os resultados desse artigo gratuito ao próximo patamar.

Artigo de blog (post)

Não tem de ser preto ou branco. Há alturas em que vale a pena ser específico em conteúdo gratuito, mesmo que dê trabalho, mesmo sendo gratuito.

Assim, vou-lhe mostrar 3 princípios que irão ajudar a orientá-lo(a) ao criar os seus conteúdos.

Mas antes de vermos os 3 princípios, mas recapitular as diferenças entre as 3 diferenças que analisámos.

  1. Conteúdo gratuito é o “quê” e o “porquê”; conteúdo pago é o “como”
  2. Conteúdo gratuito são truques e dicas individuais; conteúdo pago é um sistema passo-a-passo
  3. Conteúdo gratuito tem sempre valor; conteúdo pago é normalmente mais específico e detalhado

Vou então partilhar consigo 3 princípios de conteúdo que penso que terão valor para si.

Mas antes disso tenho um pequeno bónus para si.

Criei dez ideias de conteúdo gratuito para lhe dar ideias sobre o que escrever no seu blog ou que outro tipo de conteúdo criar, quer seja vídeos, imagens, outros.

Clique abaixo para download rápido.

GRÁTIS: 10 Ideias Criar Conteúdo (clique aqui)

Vamos então aos 3 princípios.

Princípio de conteúdo #1 – o seu conteúdo gratuito e pago podem sobrepor-se

Não tem de ser preto ou branco, pode haver uma escala de cinzento.

Há vários temas que dei nas minhas aulas grátis, vídeos YouTube e artigos neste blog sobre como ter resultados no seu negócio, tudo isto como conteúdo gratuito. Mas nos meus produtos/cursos pagos, vou mais a fundo, sou mais específico.

É normal haver alguma sobreposição.

Eis algo que nunca ouvi:

“João, tu ensinaste X no teu curso mas também ensinaste aquilo numa das tuas aulas grátis”

Nunca ouvi isto. E a razão é porque as pessoas gostam de ouvir mais que uma vez, e gostam de as rever, o que é útil quando o conteúdo é algo difícil de perceber.

Jovens com icones

Além do mais, é como que se eles tivessem um momento “eureka”, porque percebem em que ponto da sequência é que aquilo se integra quando estão a fazer algum dos meus cursos online.

É normal haver alguma sobreposição, desde que não seja muita. Talvez dois ou três princípios importantes do seu curso pago podem aparecer em algum artigo blog, ou como excerto dum vídeo, FB Lives, etc. Guarde o resto para o seu curso pago.

Princípio de conteúdo #2 – Não tenha medo de dar o seu melhor conteúdo gratuitamente

Mencionei isto anteriormente mas merece ser repetido.

Por vezes sente que está a dar o seu melhor conteúdo, as suas melhores dicas gratuitamente. Mas eis como saber lidar com isto.

Pense num empreendedor, um trainer, alguma pessoa de quem você segue e aprende. Pense sobre o conteúdo gratuito dessa pessoa. É normalmente informação e dicas que o deixam maravilhado?

Se sim, então é provável que seja essa a razão pela qual está a seguir essa pessoa e é leal a ela. Porque essa pessoa não se acanha e agrega valor ao máximo.

ovo dourado

Eis uma forma que eu tenho de lidar com isto.

Quando estou a criar conteúdo gratuito (particularmente o tipo de conteúdo que se alinha bem com algum dos meus produtos pagos), sinto-me um pouco desconfortável por serem dicas tão boas, informação tão preciosa que acho que nem devia estar a dar isto gratuitamente.

Mas é quando sinto esse desconforto que sei que tenho conteúdo espetacular, que vai agregar valor à minha audiência.

Não tem de sentir isto quando está a criar todo o seu conteúdo, é só quando, como eu, está a criar algum vídeo muito bom, uma aula FB Live bastante informativa, ou algum artigo épico no blog.

Princípio de conteúdo #3 – O seu conteúdo gratuito deve levar ao conteúdo pago

O seu conteúdo deve estar alinhado com os seus objetivos de negócio.

Quando crio conteúdo gratuito para um artigo, um lead magnet ou aula Facebook Live, penso onde é que isto se enquadra dentro da minha marca, da minha comunicação.

Se é algo que não se enquadra, não o faço.

Eis um exemplo. Nunca irei fazer um vídeo em direto no Facebook ou um artigo sobre calisténicos. Estes são exercícios corporais com base em treino de força de ginástica. Movimentos básicos são flexões, elevações, e avançados são o pino e a planche, por exemplo.

Planche de Lilian Pace

Talvez alguns homens reconheçam alguns destes termos, mas provavelmente a maioria das mulheres não. Há mulheres que fazem este tipo de exercícios, mas a maioria não.

Provavelmente nunca irei fazer um vídeo de mim a ensinar como fazer o pino. Isto é um passatempo meu. Isto não é o meu negócio nem representa a minha marca.

Talvez possa ser usado esporadicamente como forma de mostrar os “bastidores”, mas não como conteúdo a sério, porque não se alinha dentro do contexto da minha estratégia de negócios.

O seu conteúdo deve estar alinhado com a sua marca, com aquilo que você representa no seu mercado.

Marca e comunicação

Pode colocar algum conteúdo off-topic ocasionalmente como forma de mostrar os seus bastidores, mas que seja esporadicamente, e em sítios como Facebook stories ou Instagram stories, não em artigos de blog ou FB Lives.

Nem todo o tipo de conteúdo que crio está alinhado com os meus produtos pagos (ex.: curso, ebooks). Por vezes falo de temas e referências um tópico no qual possa não ser um especialista, mas sei que vai dar bastante valor para a minha audiência.

A maioria das vezes, o meu conteúdo anda à volta de anúncios Facebook, Adwords, funis de marketing, captação de leads, conversão em clientes. São esses os temas que definem a minha marca e a minha comunicação.

Para terminar, tenho um freebie para si, um documento grátis com 10 ideias para criar o seu próximo conteúdo.

Se alguma vez ficou sem inspiração sobre o que criar, sobre o que falar, que lead magnet, ebook ou checklist criar, aqui está um PDF de uma página com 10 ideias para si.

GRÁTIS: 10 Ideias Criar Conteúdo (clique aqui)


As Novas Regras do Facebook Marketing

Imagem artigo Novas Regras FB Marketing

O Facebook é conhecido por estar constantemente a atualizar a sua plataforma, seja para dar mais funcionalidades aos anunciantes, ou a proporcionar uma melhor experiência aos utilizadores.

Mas seja o que for que o Facebook mude, há coisas que são verdade hoje como eram há alguns anos atrás:

  • O Facebook interessa-se mais pelos utilizadores do que pelos marketers
  • Gostos, comentários, partilhas, visualizações, e cliques são bons – quantos mais, melhor.
  • Quanto mais valor agregar às pessoas, mais elas irão interagir consigo (ao gostar, partilhar, etc.)

Cumprir todos esses três pontos não é difícil, mas é necessário fazê-lo corretamente.

Isto está dependente do algoritmo do Facebook, e a maneira como os seus fãs estão a ver (ou não) os seus posts.

Quando começar a perceber um bocadinho como funciona o algoritmo, pode começar a criar o tipo de conteúdo que funciona melhor no Facebook.

Vou-lhe mostrar neste artigo justamente isso ao partilhar consigo:

  • As três verdades do que funciona atualmente no Facebook (incluindo o porquê do seu post ter de ter um bom desempenho a partir do momento em que é publicado);
  • As cinco novas regras do Facebook marketing (e a primeira coisa que deve deixar de fazer agora);
  • As três palavras que devem servir como o seu ‘mantra’ para experimentar novas formas de trazer mais engagement para a sua página (e para a sua marca).

Eis o que nos vamos focar neste artigo:

Vou mostrar algumas das formas como estou a implementar algumas destas regras em tempo real, como o vídeo. Criar mais vídeo é uma grande prioridade para mim (e devia ser para si também).

Todas as semanas faço Facebook Lives (transmissões em direto), em formato de aulas grátis que dou na minha Página Facebook. Todas as semanas os temas são diferentes.

Você já sabe que o vídeo é importante no Facebook. O tipo de vídeo que criar define a sua estratégia, e nós vamos falar bastante sobre vídeo neste artigo, porque quanto mais pessoas conseguir que vejam o seu vídeo, mais o Facebook irá recompensar a sua página ao mostrar mais dos seus posts e vídeos aos seus fãs.

Para exemplos de tipos de vídeos que pode usar, faça o download abaixo do guia O que Funciona no Facebook Agora. Está carregado com exemplos de vídeos que pode usar para trazer mais interação no Facebook e envolver mais as pessoas.


Verdade #1

“O Facebook está a ficar sem sítios para mostrar o seu conteúdo na newsfeed” – Mike Stelzner

E agora, o Facebook diz-nos que eles estão a ficar sem sítio para colocar os nossos anúncios. Repito: anúncios, não são posts.

Mas não se preocupe, irá haver outros sítios que o Facebook irá inventar para mostrar os anúncios, como é o caso dos anúncios Messenger, que se podem colocar em 3 sítios diferentes.

Eles estão é a ficar sem “locais” para mostrar os anúncios, referindo-se à newsfeed como o sítio principal. Estão a ficar sem sítios na newsfeed para mostrar os anúncios.

E se eles estão a ficar sem espaço para mostrar anúncios na newsfeed, então com certeza também estão a ficar sem espaço para mostrar o seu conteúdo.

Isto significa menos alcance e visibilidade para si, o que por si resultará em menos leads captadas para a sua lista de emails, e menos vendas.

Esta verdade está relacionada com o facto de que é mais difícil crescer o seu negócio no Facebook. Na realidade está mais difícil em todas as redes sociais. Talvez o Instagram seja a próxima a ficar saturada e que ficará eventualmente sem espaço.

Há uma grande oferta de conteúdo e pouco espaço disponível. Mas não desespere, porque para todo o problema há uma solução como vamos ver.

Verdade #2

O Facebook dá mais importância à experiência do utilizador do que aos marketeres. O Facebook quer que os utilizadores vejam conteúdo de qualidade e relevante.

Querem que a newsfeed seja livre de spam e que dê uma razão às pessoas de visitarem frequentemente a rede social.

Quando estiver a criar conteúdo tenha isto em mente: que seja conteúdo que dê valor às pessoas.

Verdade #3

Se o seu próximo post tiver um bom começo é provável que assim continue e tenha sucesso.

Como é que um post no Facebook tem um bom começo?

Isto está dependente do algoritmo do Facebook, que temos de perceber um bocadinho como é que ele funciona para que possamos criar posts de qualidade.

Não é novidade que o algoritmo gosta de vídeos, mas recentemente o Facebook mencionou que vídeos com maior duração terão maior preferência no Facebook. Eles querem manter as pessoas na rede social durante mais tempo.

Suponha que faz um post na sua página, o algoritmo analisa o post para perceber o tipo de conteúdo que é e mostra o seu post a alguns dos seus fãs.

Baseado na maneira como esses fãs iniciais a que foram mostrados o post, o algoritmo irá expandir o alcance, ou não expandir.

Se alguém faz “Gosto” ou “Adoro”, se clicam num link, comentam, se partilham, todas estas coisas dizem ao Facebook que as pessoas estão interessadas no conteúdo, e assim o seu alcance é expandido.

Já não tem nada a ver com agendar os posts para aparecer àquelas horas. Em vez disso, você faz um post, os fãs reagem, e se houver boas reações (gostos, comentários, etc.), então o Facebook irá começar a mostrar mais o seu post a mais fãs.

Um bom começo é importante, mais importante do que nunca.

Como fazer isto então?

Imagine que vai fazer uma publicação sobre alguma coisa. O que escreveu ou colocou no post que lhe irá dar uma boa dose de interação (gostos, cliques etc.)?

O Facebook não gosta que você peça por Likes. Seja criativo e humano, em vez de pensar como um marketer, faça com que as pessoas “Gostem” ao publicar conteúdo de valor e espetacularmente relevante para os seus fãs.

Se estiver a publicar um post de GIF/imagens animadas ou vídeo, tem de dar às pessoas algo que lhes proporcione uma boa experiência, não apenas uma visualização.

Lembre-se: um começo forte. Isto é importante para o seu post.

Portanto são estas as três verdades:

  1. O Facebook está a ficar sem sítio para mostrar o seu conteúdo na newsfeed
  2. O Facebook dá mais importância à experiência do utilizador vs do marketer
  3. Se o seu post tem um começo forte, irá provavelmente ter sucesso e chegar a muitas pessoas

Agora que percebe como isto tudo funciona, vamos ver algumas dicas e estratégias para que os seus posts sejam vistos e ouvidos pelas pessoas no Facebook.

Tenho aqui 5 regras de Facebook marketing para si. Vamos lá.


Regra 1 – Menos posts, mais qualidade

Mais qualidade significa (normalmente) passar mais tempo nos posts que irá criar.

Mas o que é mais qualidade?

Pense nisto como conseguir ter mais resultados a partir do seu conteúdo.

Comece com algum artigo bom que tenha no seu blog e pense em como pode usar esse conteúdo no Facebook. Será que pode criar uma aula em formato de Facebook Live a partir desse artigo? Ou talvez uma história no Facebook ou Instagram?

Talvez consiga pegar num excerto desse artigo e expandi-lo em maior pormenor e fazer um vídeo com isso para o Facebook ou Instagram.

Não tem de sentir que tem de estar sempre a criar conteúdo novo. Pode pegar em artigos, vídeos e outras coisas que tenha feito, e dar-lhe um “spin” diferente a elas.

Eis um exemplo.

Cada aula grátis que dou em formato de Facebook Live leva-me horas e horas para preparar. Posso pegar em bocados do tema dessa aula e criar um pequeno vídeo e colocá-lo num post. Ou posso fazer um post em texto com um resumo dessa aula e com alguma imagem animada (GIF) para chamar mais à atenção.

Menos posts, mais qualidade. É isso que irá ver na minha Página Facebook e sugiro que faça o mesmo.

Regra 2 – Criar uma comunidade, e não necessariamente fãs

Uma boa forma de ter interação no Facebook é criar uma comunidade de pessoas interessadas naquilo que você tem para dizer.

Concentre-se nas pessoas, na comunidade, e não em querer ter mais fãs, porque é uma métrica de vaidade.

É aqui que entram os grupos do Facebook.

Se tem um grupo Facebook à volta dum certo tema e você é o líder desse grupo ou dessa comunidade, não tem de se sentir obrigado a usar o seu tempo para responder a todas as perguntas.

Por exemplo, quando alguém coloca uma questão, e você sabe que existe outra pessoa no grupo que pode responder tão bem quanto você, então é só mencionar essa pessoa no comentário.

Algo do género, “Hey Fernando, isso é uma boa pergunta. A Eduarda é uma especialista nesta área e será capaz de responder bem a isto. Eduarda, será capaz de vir aqui e ajudar o Fernando com a sua dúvida?”

O Fernando e a Eduarda estão no seu grupo, fazem parte da comunidade e você acabou de os ligar um ao outro, para não ter de responder a toda a pergunta que apareça no grupo.

Lá por ser o líder do grupo não significa que tenha de estar em todo o lado a toda a hora, e vai acabar por perceber quão mais leais serão as pessoas na sua comunidade.

Dica: se tiver um grupo Facebook gratuito, ligue-o à sua página Facebook.

Regra 3 – Anuncie mais

Pode não acreditar, mas apenas uma percentagem pequenina de empresas (tanto em Portugal como lá fora) faz anúncios no Facebook.

Segundo o Social Media Examiner, só 6.7% das empresas anunciam no Facebook. Isto significa que muitas empresas com páginas no Facebook não fazem anúncios.

Esta regra é simples: anuncie mais.

Se não está a fazer anúncios ou se está a começar a pensar fazer mas não está completamente convencido(a) à ideia, eis três coisas que lhe sugiro fazer:

  1. Estude a segmentação de anúncios no Facebook. Conheça o seu público e saiba como lhes fazer retargeting. Se eles já visitam o seu site e visualizam os seus vídeos, aproveite para os “repescar”.
  2. Saiba o que é segmentar e como segmentar, como definir o seu público para atingir as pessoas certas com os seus anúncios. Pode ter um produto ou serviço espetacular, mas se não o mostra às pessoas certas, ninguém compra.
  3. Familiarize-se com o Power Editor. Provavelmente o que você quer é ter alguém que faça a gestão dos anúncios por si. Contratar um profissional é caro, contratar um amador é barato (ou será ao contrário?)

Mas antes de contratar alguém, sugiro que tenha primeiro um entendimento geral de como funcionam os anúncios Facebook.

Há coisas que não temos de saber antes de querer delegar tarefas, tais como programação, administrativos, e outros, mas saber alguma coisa sobre anúncios Facebook é importante antes de contratar alguém.

Porque assim terá um entendimento de como funcionam os anúncios para perceber se o profissional que vai contratar tem o seu melhor interesse em mente e se está a fazer um bom trabalho.

Para isso, vá mexer no Power Editor. Mexa um bocadinho todas as semanas, invista um pouco do seu tempo e crie alguns anúncios.

Não tem tempo? Faça tempo. Arranje-o 🙂

Passe 4 ou 5 horas por semana a mexer no Power Editor, a familiarizar-se com as opções e a criar os seus anúncios. Após um mês terá um entendimento básico, e aí poderá contratar alguém.

Regra 4 – Mais vídeos, mais frequentemente

Uma previsão da empresa Cisco aponta para que 80% do tráfego na internet venha de conteúdo de vídeo em 2019. 80% de tráfego. De vídeo. Espetacular.

Não há melhor altura que agora para fazer vídeo, do que agora. Crie conteúdo em vídeo, seja vídeos explicativos, demos ou Facebook Lives, como eu faço com as minhas aulas grátis.

Se aqui há alguns anos eram as imagens que funcionam bem em publicações no Facebook, agora é a vez do vídeo.

Não é necessário lançar-se de cabeça e começar a fazer Facebook Lives ou Facebook Stories a torto e a direito. Comece devagarinho.

Vou-lhe mostrar alguns tipos de vídeos e imagens animadas que pode criar antes de começar a fazer Facebook Lives de 30 minutos na sua página Facebook.

O primeiro tipo de vídeo que pode fazer é um vídeo curto. No PDF gratuito em baixo mostro-lhe vários tipos de vídeo que pode fazer.

Este tipo de vídeos curtos já os deve ter visto pela internet. Um exemplo disso é alguém a seguir uma receita onde vemos um pequeno vídeo de alguém a meter farinha, ovos, a adicionar canela, etc. São vídeos curtos e rápidos em que se aprende alguma coisa de novo em um minutos ou dois.

É possível criar este tipo de vídeos curtos com o Animoto.com ou Adobe Spark (pessoalmente uso Camtasia e/ou Adobe After Effects).

O segundo tipo de vídeo que pode fazer são imagens animadas. Também chamadas de “cinemagraphs”, isto é onde combinamos imagens individuais para criar a ilusão de movimento contínuo, como se fosse um mini filme.

Poderá usar ferramentas como o Ripl e Adobe Spark para criar estas imagens animadas (eu uso o Adobe Photoshop para este tipo de imagens animadas, e às vezes o Adobe After Effects).

O terceiro tipo de vídeo que pode fazer são GIFs. Para estes nem precisa de os criar se não quiser. Pode ir ao Giphy e selecionar GIF’s de outras pessoas, ou criar os seus próprios.

Se criar os seus próprios GIFs, pode carregá-los para o Facebook como GIF nativo. Veja este artigo para saber como fazer isto.

Para criar GIFs, pode usar as ferramentas anteriores que sugeri, tais como o Animoto, Ripl e Adobe Spark (eu uso o Adobe Photoshop para isto, por vezes uso GIFs de outros, faço alterações como adicionar texto, outras vezes crio de raiz ou contrato alguém para o fazer).

Dei-lhe três formas fáceis de fazer vídeo.

Agora não há desculpas. Se não se lembrar de mais nada deste artigo, espero que pelo menos comece a colocar mais vídeos/imagens animadas nos seus posts, e menos imagens estáticas.

Por exemplo, se você postou 5 publicações com imagens estáticas na sua página Facebook esta semana, prefiro que poste 2 publicações com imagens animadas/vídeo na sua página Facebook esta semana. Menos posts com maior qualidade, lembre-se disto.

Vai-me agradecer depois.

Depois de ter “aquecido” os pés com os três tipos de vídeos/imagens animadas que lhe sugeri, está na altura do próximo passo: Facebook Lives.

Eu faço Facebook Lives todas as semanas, uma vez por semana, às quartas-feiras, 20h00, fuso horário Lisboa. Investi num programa chamado Wirecast Pro, que custa $995 mas você não tem de fazer como eu, pode usar o OBS, que é gratuito (pessoalmente não gostei nada do OBS).

Estou a levar o vídeo e os Facebook Lives a sério, ao ponto que estou a pensar investir num setup de estúdio de vídeo profissional no meu escritório. Isto vai ser um investimento de alguns milhares, mas por agora está em águas de bacalhau.

Voltando ao Facebook Live.

O Facebook quer manter as pessoas na rede social durante mais tempo, e por isso está a recompensar vídeos de maior duração no seu algoritmo, para chegar a mais pessoas.

Faça Facebook Lives. Comece com 30 minutos. Se achar que precisa de mais tempo, então planeie para fazer Lives de maior duração. Normalmente as minhas aulas grátis de FB Live andam ali nos 45-60 minutos.

Se tem algumas dificuldades em passar dos 20 minutos e o que irá dizer e abordar, não há problema.

Abra o Word ou o Google Doc, planeie o seu conteúdo, pense em exemplos, histórias, e formas de tornar a sua transmissão em direto interessante e relevante para as pessoas. Facilmente conseguirá passar dos 20 minutos se fizer isto.

E se tiver uma sessão de perguntas & respostas no final, vai ver como o tempo passa num instante ao responder a perguntas dos utilizadores.

Veja aqui como agendar um Facebook Live e aqui para algumas ferramentas essenciais.

Pode fazer um “tease” ao Facebook Live, ou seja, fazer um Facebook Live a dizer que irá fazer um Facebook Live, em que fala durante um minuto ou dois para aguçar o interesse das pessoas.

Após o Facebook Live, poderá fazer um vídeo curto em que fala sobre um tema que deu no seu FB Live, e com um link para as pessoas irem vê-lo.

Se achar que o Facebook Live que fez foi um sucesso, promova esse post, mas faça-o através do Gestor de Anúncios ou Power Editor. Eis como promover um post corretamente.

Há outra grande vantagem para os FB Lives e vídeos no geral: pode fazer retargeting, ou seja, mostrar anúncios para pessoas que viram os seus FB Live.

Por exemplo, você poderia criar um anúncio do género “gostou do meu último Live? Assista à minha próxima transmissão em direto”.

É possível adicionar legendas ao seu Facebook Live após ele ter terminado. Experimente um vídeo Live que fez sem legendas, e outro que adicione legendas e perceba se o que teve legendas teve mais interação e visualizações. Isto das legendas pode dar bastante trabalho, portanto passe esta tarefa para alguém.

Mais uma coisa: já que estamos a falar em vídeo, é possível adicionar vídeo na sua capa de Página do Facebook. Antigamente só dava para colocar imagem, mas agora dá para adicionar vídeo. Veja um bom exemplo do vídeo de capa de Página da Ana Mendes.

Regra 5 – tire partido dos micro momentos

Micro momentos. Que expressão tão esquisita.

As pessoas consomem conteúdo em micro momentos, vídeos de 1 minuto, GIFs curtos, coisas rápidas.

Isto não significa que os Facebook Lives de 30 minutos não funcionem, apenas são “bichos” diferentes. Quando uma pessoa está mesmo interessada, ela irá ver um vídeo longo.

Mas quando a pessoa está num modo de entretenimento, é necessário chamar-lhe à atenção através de conteúdo rápido, dos tais micro momentos.

Se estiver com dificuldade em captar a atenção das pessoas, pense nisto: onde é que a sua história se encontra com a história delas?

Quanto mais entender o seu público-alvo, o que estão a pensar, a sentir, o que precisam, o que querem, vai saber o tipo de conteúdo a criar para elas, seja imagens animadas, GIFs, Facebook Lives, vídeos ou qualquer outro tipo de conteúdo.

Qual é então o tipo de conteúdo que você está a criar para que a sua história vá ao encontro da história deles? Pense nisso.


Recapitulando as 5 regras:

  1. Menos posts, mais qualidade
  2. Foque-se na comunidade, menos no crescimento de fãs
  3. Faça mais anúncios
  4. Mais vídeos, mais frequentemente
  5. Tire partido dos micro momentos

Para terminar, também lhe prometi três palavras que deve começar a usar na estratégia do seu negócio.

E elas são:

  1. Ágil – deve adaptar-se às mudanças do Facebook. Mantenha-se atualizado com o algoritmo.
  2. Flexível – se alguma coisa não está a funcionar, não insista, experimente outra coisa diferente.
  3. Inovar – experimente táticas novas, misture com outras táticas e teste as coisas.

Criei-lhe um PDF com exemplos dos diferentes tipos de vídeo que funcionam bem nas redes sociais e que pode usar no seu negócio.

Passei horas à procura dos melhores vídeos e exemplos para lhe dar, e acho que vai obter bastante valor disto.

Clique abaixo para aceder ao “Guia: O que funciona no Facebook”.

Como fazer post como Página num Grupo + Ligar Grupo Facebook a Página

O Facebook permite ligar um Grupo Facebook a uma Página.

Muitos administradores de Página que gerem Grupos têm sido bem acarinhados pela adição de funcionalidades aos grupos que o Facebook nos tem dado.

De entre as várias funcionalidades dos grupos lançadas em 2017, esta é uma das que mais jeito dá a admins de página.

Como ligar um Grupo Facebook a uma Página


Psst. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Instruções em texto:

  1. Và à sua Página e clique em Definições.
  2. Clique em Editar página
  3. Faça scroll abaixo até aos separadores
  4. Clique Adicionar separador lá em baixo
  5. Selecione Grupos
  6. Arraste o separador de Grupos para onde quiser
  7. Clique em Definições: aparece a URL onde estão todos os Grupos ligados
  8. Volte para a Página e veja o separador Grupos no menu da esquerda
  9. Clique no separador Grupos e depois no botão Ligar o teu grupo
  10. Poderá associar outros grupos ou criar um novo aqui
  11. Agora pode publicar no seu Grupo como Página em vez do seu perfil
  12. Selecione no menu da setinha invertida de que página/pessoa quer publicar

Como publicar como Página Facebook num Grupo

Algo que muitos administradores de página queriam há muito tempo era poder publicar como Página (em vez de perfil pessoal) no Grupo.

Após o seu Grupo estar ligado à sua Página, irá ver essa opção quando for criar uma nova publicação ou comentário.

Simplesmente clique no canto direito da setinha invertida para mudar o comentário/post, para ser publicado a partir da sua Página.

Publicar como Página

Note que “João Alexandre” é o nome da minha Página: estou a publicar como página, não como perfil pessoal.

Para muitos Grupos, publicar como você (com o seu perfil) poderia fazer sentido. Os Grupos são uma comunidade, um conjunto de pessoas com os mesmos interesses.

No entanto, para marcas e algumas empresas, e talvez colaboradores que gerem o Grupo, pode fazer sentido permanecer anónimo (até por razões de privacidade).

E aí é que esta funcuionalidade dá jeito. Além disso, também resolve o problema dos perfis falsos.

Como é que isto parece na Página

Após o seu grupo estar ligado à página (e ter adicionado o separador previamente), irá aparecer no menu da esquerda o separador de Grupos.

Separador Grupos

Anúncios Facebook Messenger: Guia Completo

Guia Facebook Messenger Anúncios

A publicidade no Facebook tem uma funcionalidade espetacular que permite usar a plataforma para chegar às cerca de 1.2 biliões de pessoas que usam o Messenger.

Bem-vindo aos anúncios do Messenger.

O Facebook tem feito vários updates ao Messenger para dar às empresas e anunciantes formas de comunicar com clientes e potenciais clientes na rede social.

Mas muitos marketers e empreendedores estão confusos em relação ao que se pode fazer com este tipo de anúncios.

Neste artigo vou explicar tudo tintim por tintim.

Tintin

Eeerm… ok, vamos lá.

Há 3 tipos de anúncios Facebook Messenger:

  1. Anúncios Messenger de Destino
  2. Anúncios Messenger de Página inicial
  3. Anúncios Messenger de Mensagens patrocinadas

1. Anúncios Messenger de Destino

Estes anúncios permitem aos anunciantes mostrar anúncios às pessoas para elas iniciarem uma conversa com a Página via Messenger.

Este tipo de anúncios está disponível para campanhas que usem objetivos de Tráfego ou Conversões.

Objetivos de campanha

Ao criar o anúncio, terá a opção de escolher o seu Destino, que pode ser uma URL para o seu site, ou Messenger. Isto é definido a nível da vista do Anúncio (após ter criado a Campanha e definido as opções no Conjunto de anúncios).

Escolher Destino (URL ou Messenger)

Se não escolhesse como objetivo de campanha de Tráfego ou Conversão, então na criação do anúncio não teria esta opção do Messenger.

Então selecione Messenger como o seu Destino e comece a criar o seu anúncio normalmente criaria qualquer outro tipo de anúncio. Note: não clique ainda no “Configurar o conteúdo do Messenger”, já lá vamos.

Selecionar Messenger como Destino

Terá agora de carregar ou selecionar uma imagem para o seu anúncio. O Facebook aconselha que esta imagem seja de 1200 x 628 píxeis ou que tenha uma proporção de 1,91:1.

Selecionar ou carregar imagem

Depois, vai preencher os campos do Título, Texto, Apelo à ação e Descrição da ligação para o Feed de notícias – como normalmente faria na criação de qualquer outro tipo de anúncio.

Campos do anúncio

Quando preenchidos os campos, é assim que o meu anúncio parece para computadores:

Anúncio FB Messenger

E agora?

Quando as pessoas clicam no anúncio, abrirá uma janelinha do Messenger onde irão iniciar uma conversa com a minha Página.

Para isso vamos ter de configurar o conteúdo que aparece nessa janelinha.

Na criação do seu anúncio, clique em Configurar conteúdo do messenger.

Configurar conteúdo Messenger

Uma nova janela irá abrir com uma série de opções, mas não se preocupe que isto até é fácil.

Opções conteúdos do Messenger

O conteúdo do seu Messenger pode ser SMS (só texto), Imagem e texto ou Vídeo.

Vamos ver primeiro a SMS.

Formato Messenger SMS

Note que estamos a criar isto no separador de “Criação rápida” (o separador Criação JSON é avançado e requer uma explicação à parte).

Conteúdo Messenger SMS

O Texto introdutório aparece apenas por cima do Texto da mensagem, não havendo diferença entre eles na maneira como aparece o texto.

O botão é um link que irá levar o utilizador para um destino, neste caso, uma página no meu website.

Se tem um bot, pode usar o botão para que ele responda num webhook de carga útil (deixaremos isto para outro dia, vamos focar-nos em usar links).

Ao clicar no anúncio que fizemos anteriormente, o utilizador será levado para o Facebook Messenger onde verá o conteúdo que estivemos aqui a criar.

Eis um exemplo do meu anúncio na Feed de notícias de computador. Este anúncio contém apenas texto (SMS que escolhemos anteriormente).

Anuncio Messenger Destino SMS

Se quiser, pode acrescentar mais botões, para um máximo de 3.

3 botoes de ação conteúdo Messenger

Vamos para a Imagem e texto.

Formato Messenger Imagem e Texto

Eis como os conteúdos iriam parecer ao usar Imagem e texto.

Conteúdo Messenger Imagem e texto

E é assim que ele aparece na Feed de notícias.

Anuncio Messenger Destino SMS
E agora, para Vídeo.

Formato Messenger Vídeo

Para vídeo, tem de colocar um Texto introdutório, selecionar um vídeo com máximo de 25MB e uma Resposta rápida.

Conteúdo Messenger Vídeo

A Resposta rápida faz a vez do botão quando o utilizador clica no Apelo à ação de “Enviar mensagem” do anúncio, portanto escreva algo que faça sentido.


2. Anúncios Messenger Página inicial

Com os anúncios Messenger de Destino, o seu anúncio pode aparecer em vários locais de publicação (news feed de computador, news feed de telemóvel, etc.).

Só ao clicar no anúncio é que abre a tal janela do Messenger para iniciar conversa com o utilizador. Portanto são dois passos, é o anúncio “normal”, quando clicado abre o anúncio “messenger de destino”.

Mas com os anúncios Messenger de “Página inicial” também podemos escolher um local de publicação.

Ao selecionar o local de publicação, irá reparar que existem duas opções por baixo de Messenger.

Messenger pagina inicial

O anúncio que criámos anteriormente ao usar Messenger como Destino pode aparecer na Página inicial do Messenger como local de publicação. Eis como isto iria parecer.

Anuncios Messenger Pagina Inicial

Este anúncio iria aparecer no Messenger do utilizador, na Página inicial (home), e por baixo das mensagens dele.

Não há qualquer tipo de limitações na segmentação ao usar o Messenger de Página inicial como local de publicação, ou seja, pode segmentar para o Público que quiser.


3. Anúncios Messenger de Mensagens Patrocinadas

As Mensagens patrocinadas são também uma opção que se pode escolher no Local de publicação.

Mensagens patrocinadas Messenger

Uma Mensagem patrocinada vai aparecer nas mensagens do utilizador no Messenger, e não apenas na Página inicial.

Mas para fazer isto, o Facebook coloca uma restrição a quem podemos mostrar este tipo de anúncios.

Ao selecionar Mensagens patrocinadas, só poderá mostrar os seus anúncios para pessoas que enviaram mensagens para a sua página. Explicarei isto melhor dentro de instantes.

Por defeito, o Local de publicação das Mensagens patrocinadas está desativado. Se o selecionar, terá a seguinte mensagem…

Ativar Mensagens patrocinadas

Ao ativar esta opção, todos os outros locais de publicação são removidos.

A nível do Conjunto de anúncios, deve depois selecionar a sua Página Facebook. Não se esqueça disto, especialmente se gerir várias páginas.

Selecionar Página para anúncio Messenger

Vai também reparar que na secção de Públicos, mais concretamente em Públicos personalizados, aparece-lhe um erro:

Erro Públicos Mensagens patrocinadas

O único Público que pode segmentar são pessoas que enviaram mensagem para sua página. Isto é um tipo de Público que pode criar com base na interação da sua página. Para isso vá a Públicos > Criar público personalizado > Interação > Página Facebook.

Se já criou um público deste género anteriormente, irá aparecer ao clicar no campo de Públicos e depois pode selecioná-lo. Nota: se tiver um Público personalizado da sua lista de emails, é provável que apareça aqui como opção também.

Público enviar mensagem

Se não apareceu nada neste campo para si, mas sabe que criou um destes públicos anteriormente, certifique-se que selecionou a sua Página a partir da qual vai mostrar estes anúncios. Às vezes são os mais pequenos detalhes que dão as maiores frustrações.

Se ainda não criou um destes públicos anteriormente, clique em Criar novo e selecione Público personalizado.

Criar público personalizado

Selecione Interação…

Opções de criar Público personalizado para Interação

Depois, selecione Página Facebook…

Público personalizado Interação

Para criar o seu público, selecione a sua Página e em Incluir, escolha As pessoas que enviaram uma mensagem para …

Pessoas que interagiram com Página Facebook

Sugiro que coloque 365 dias, a menos que receba muitas mensagens, porque de outra forma irá ser um público pequenino.

Depois clique em Criar Público, e isso irá ser adicionado automaticamente ao campo dos Públicos no seu Conjunto de anúncios.

Aqui ainda poderá acrescentar “camadas” de segmentação, tais como local, idade, sexo, idiomas, definição detalhada, e ligações.

Tenha em mente que o que isto fará é filtrar o seu público desse conjunto de pessoas que enviaram mensagem para a sua página, ou seja, estará a encurtar esse público e a torná-lo mais pequeno.

Dentro da secção de Otimização, irá notar que as suas opções são limitadas.

Opções de Otimização de Mensagens patrocinadas

Só pode otimizar para impressões, o que significa que o Facebook irá mostrar o seu anúncio de Mensagens patrocinadas a tantas pessoas dentro do seu Público quantas vezes for possível.

Mas não há problema, porque como o seu público é pequeno, as impressões serão a melhor escolha neste caso.

Terá de inserir um montante de licitação manual. Por defeito, ele está para 10,00€ (pelo menos no meu caso), mas você pode experimentar com outros montantes que façam sentido para si.

Ao criar o seu anúncio, vai notar que “Imagem única” é o único formato disponível como opção.

Imagem única opção de formato

Agora irá criar o seu anúncio Messenger de Mensagem patrocinada. Tem os seguintes campos para preencher.

  • URL do site (obrigatório) – para onde alguém vai após clicar
  • Título (obrigatório) – texto a negrito por baixo da imagem
  • Texto (obrigatório) – texto inicial por cima da imagem
  • Apelo à ação (opcional) – botão em baixo onde podem clicar
  • Descrição da ligação (opcional) – texto cinzento por baixo de título

Campos de Mensagens patrocinadas

Depois de estar pronto, o seu anúncio iria aparecer algo como isto na caixa de mensagens do utilizador.

Mensagem patrocinada no Messenger

Quando clicado, iriam ver a sua mensagem desta forma.

Mensagem patrocinada no Messenger 2


Como usar Anúncios Messenger

Eis algumas maneiras como pode usar este tipo de anúncios.

1. Anúncios messenger de destino
Estes são bons para iniciar uma conversa com o utilizador sobre um tema, produto ou serviço algo complexo.

Podem ser produtos de investimento elevado, orçamentos de serviços, ou algo que precise de algum esclarecimento.

Segmentar para públicos vastos é aceitável nestas condições. Também é uma boa forma de captar mais pessoas que comunicaram com a sua página, um público que pode depois criar e lhe dará jeito para as Mensagens patrocinadas.

2. Anúncios messenger de página inicial
Este é um tipo de anúncio que usa apenas outro local de publicação. Se usar Locais de publicação automático (por defeito), já está a usar isto sem saber.

Embora este tipo de anúncio não seja tão intrusivo quanto as Mensagens patrocinadas, deve ainda assim acompanhar o desempenho deste tipo de anúncio.

3. Anúncios messenger de mensagens patrocinadas
Algumas pessoas consideram isto intrusivo (heh, até os próprios anunciantes). Você está a enviar uma mensagem privada para o Messenger da pessoa. Isto não significa que não deva usar, mas use com cautela e se fizer sentido para a sua estratégia.

Até foi uma boa manobra do Facebook permitir apenas segmentar estes anúncios para pessoas que enviaram mensagens para a sua página. Isto visa reduzir o número de queixas de privacidade.

Quando feito corretamente, estes anúncios podem trazer bons resultados. Neste sentido são semelhantes aos anúncios messenger de destino, porque é uma oportunidade de iniciar uma conversa sobre algum tema que seja complexo e requeira esclarecimento.

O público para quem vai fazer este tipo de anúncios será provavelmente pequeno, portanto não deverá ter problemas com o seu orçamento, e é uma boa forma de experimentar e iniciar-se no mundo dos anúncios do Messenger.

P.S.: Sabe o que é mesmo BOMBÁSTICO? É combinar Anúncios Messenger + Bots Messenger. Isso é que é mesmo marketing em esteroides para captar leads.

Passo a bola para o seu lado

E você já está a usar anúncios Messenger? Se sim, como os está usar e que resultados está a ter? Escreva abaixo nos comentários.