5 maneiras de dares a volta à tua carreira

Homem de negócios

Avançar na tua carreira ou profissão pode ser uma colina difícil de subir: tens de trabalhar mais duro do que os outros, ficar à frente da concorrência e manteres-te focado(a) nos teus objetivos.

Muitos especialistas em profissões acreditam que a melhor altura para avançar na tua atividade é quando já estás empregado(a) há algum tempo, mas achas que a tua posição atual não te dá desafios que te satisfaçam.

Mas como é óbvio não tens de esperar para te sentires insatisfeito(a) antes de quereres avançar na tua vida profissional.

Podes querer um salário melhor, um escritório melhor ou horas mais flexíveis. Podes avançar na tua carreira desde que vejas oportunidade para tal. Para isso planeia as coisas antecipadamente.

1. Trata a tecnologia por “tu”

A tecnologia é cada vez mais importante na era moderna. Está em todo o lado, na casa, no carro, no escritório.

Saber mexer no computador é logo ali uma boa competência a ter, mas provavelmente todos os teus colegas também têm competências básicas de saber mexer num PC.

No entanto, a maioria das pessoas param de aprender a partir do momento que sabem o suficiente para arranjar um emprego. Podes triar partido desta mentalidade ao desenvolveres continuamente as tuas competências e aprender a usar novas aplicações e software que tornam a tua vida mais fácil.

Também podes aprender a integrar os teus aparelhos móveis para te ajudar na tua atividade. Seres proficiente com os aparelhos à tua volta e tratares a tecnologia por “tu” vai-te dar um lugar de destaque face aos outros.

2. Torna-te “aquela” pessoa

Transforma-te naquela pessoa para quem os outros se viram quando precisam de ajuda numa coisa específica, seja ela qual for, tal como, ajuda com uma impressora, ou com roupa, ou videojogos, ou saber qual o melhor eBook reader para comprar.

Pode haver outras pessoas no teu local de trabalho que sabem umas quantas coisas sobre essas áreas, mas o que interessa é que saibas mais do que elas, e estejas disponível para ajudar, pela menos na maior parte do tempo.

Ao fazeres isto, não só te tornas mais valioso(a) como poderás chamar a atenção dos quadros superiores.

3. Domina a tua competência mais forte

A educação é uma coisa muito bonita, dizia a minha mãe. Requer dinheiro e investimento de tempo, mas estares continuamente a aprender ajuda a avançares na tua atividade.

Não é só a educação académica ou de escola que tiveste, mas também certificações em certas áreas, de preferência que sejam relevantes para a tua atividade. Se és um(a) videógrafo(a), podes especializar-te em fotografares conferências, para que te possas tornar um recurso necessário quando a empresa fizer esses eventos.

4. Alinha os teus interesses com os da empresa

Pode parecer simples, mas às vezes só é preciso falar com o patrão sobre a possibilidade de teres uma promoção e avançares na tua carreira ao informá-lo sobre as competências que tens que pensas que podem ser relevantes para a empresa.

Mesmo que a resposta seja não (por agora), pode haver oportunidades futuras que esta conversa que tiveste poderá criar para ti, para que quando elas acontecerem, os quadros superiores lembrarem-se de ti.

5. Explora outras oportunidades

Quando achas que não há margem de manobra para crescer dentro da empresa, mesmo após teres desenvolvido as tuas competências, mostrares que és de confiança e apresentar sugestões de como podes ajudar a empresa, não feches a porta a outras empresas.

Há outros sítios que te poderão valorizar mais do que aquele em que te encontras. Lista os teus objetivos profissionais e escolhe uma empresa que te pode ajudar a servir de ponte para os alcançares.

Aprende sobre a cultura da empresa, a história dela, e como eles fazem entrevistas para que estejas preparado(a) para elas.

Ao mostrares a tua dedicação no que fazes, e desenvolveres as tuas competências, é inevitável que te proponham uma melhor posição eventualmente.

Como criar conteúdo que atrai clientes

Mãos com lâmpada amarela

Nem todo o conteúdo é criado de forma igual.

Se está a criar conteúdo mas isso não está a funcionar para si, ou não está a ter leads nem vendas como gostaria, talvez não esteja a criar conteúdo acionável.

Conteúdo acionável permite ao utilizador tomar uma ação.

Note a palavra “permite”. Não é “persuadir”. A sua sales copy, ou página de vendas, tem de ser persuasiva, mas no que toca ao seu conteúdo inbound, ele tem de ser claro e educar o prospeto para permitir que ele tome alguma ação.

É uma progressão natural, se o fizer corretamente e no final há alguma ação que quer que eles tomem (comprar, subscrever, outra).

O problema é que a maioria do conteúdo não é acionável. Apenas está lá, naquele sítio, ou pior, foi escrito apenas para efeitos de SEO, e isso é péssimo. Escreva para as pessoas, não para os motores de busca.

Escreva para as pessoas, não para os motores de busca

A maioria do conteúdo é criado só para ser criado, só para dizer que estamos a investir o tempo em “marketing”.

Mas quando o conteúdo não é acionável, está a perder o seu tempo e dinheiro. Por isso é que não está a ter resultados, e é por isso que é difícil de medir o retorno do content marketing.

Ver também: Diferença entre content marketing, social media e seo.

Criar conteúdo acionável

Quando você adiciona uma call-to-action (apelo à ação) no seu conteúdo, do género, “descarregar ebook”, isso torna-se acionável. O problema é que a maioria das pessoas não age.

Para as pessoas agirem, elas têm de confiar em si. Se o conteúdo que criou, como um artigo de blog, não gera confiança e credibilidade, as pessoas não agirão nem irão converter.

Ter uma call-to-action é como dar a alguém um carro sem chave nem gasolina. O carro é um veículo que se move, mas precisa de estar em condições de isso acontecer.

Ter uma call-to-action é como dar a alguém um carro sem chave nem gasolina

Então, o que fazer?

Pirâmide do conteúdo acionável

A estratégia envolve resolver a dor dos seus prospetos com o seu conteúdo. As pessoas são invejosas e só querem saber do “eu, eu, eu”. Por isso é que você se deve focar no “eles, eles, eles”.

Não importa se é um artigo de blog, vídeo, ebook. O conteúdo deve resolver a dor da pessoa. Se não lhes resolve a dor, não presta como conteúdo acionável.

Existem outros tipos de conteúdo onde não é necessária uma ação, tal como criar conteúdo para se estabelecer com um expert, e aí não é necessário resolver uma dor específica. Mas para que as pessoas ajam, deve resolver-lhes a dor primeiro.

As pessoas são invejosas e só querem saber do “eu, eu, eu”. Por isso é que você se deve focar no “eles, eles, eles”.

Passos a tomar

  1. Resolva a dor do seu prospeto, para que eles queiram saber de si (porque são invejosos).
  2. Quando lhes resolver a dor, apresente-lhes uma solução que agregue valor para o seu prospeto.
  3. Quando agregar valor, começa a criar uma relação com eles.
  4. Quando cria uma relação com eles, começa a ganhar a confiança deles.
  5. Quando ganha a confiança deles, as “muralhas” de resistência abatem-se e irão agir no que lhes mandar.

A confiança não se cria artificialmente, ela merece-se. O que se constrói são as relações com as pessoas. Relações que encurtam a distância entre a dor do seu cliente ideal e a sua solução, fazendo com que eles comprem os seus produtos ou serviços.

A confiança não se cria, ela tem de ser merecida. O que se cria são relações.

Criar relações é o que faço na minha agência. Eu valorizo as minhas conexões e relacionamentos com clientes. Não é uma simples transação. Muitas vezes digo aos meus clientes e pessoas que querem trabalhar connosco que “não”, mesmo que isso ajudasse a agência financeiramente.

Quem faz consultoria como eu sabe que um consultor é contratado por uma razão, e à maioria deles falta-lhes “espinha” para dizer NÃO, porque os potenciais ganhos ditam de outra forma.

No mundo B2B, crie relações com as pessoas. Quando o chefe de marketing duma empresa com a qual colaborei, saiu, eu continuei a trabalhar com esta empresa, porque tinha relações criadas com outros contactos lá dentro. O então ex-chefe de marketing, agora numa nova empresa, estendeu a mão e fez com que eu colaborasse com esta nova empresa.

Crie relações, elas geram confiança e credibilidade, além de permitir pagar as contas.

Saber a dor do seu cliente ideal faz parte da sua estratégia de marketing. Quando sabe o que não os deixa dormir à noite, pode criar conteúdo acionável que atrai e converte o seu cliente ideal.

Se acha que está a criar conteúdo acionável porque está a resolver a dor do seu cliente, então é provável que 1) ou não conheça mesmo os seus potenciais clientes (e a sua dor), ou 2) está a atrair o tipo errado de pessoas que nunca se irão converter.

Só porque alguém cabe dentro dos critérios do seu público-alvo, não significa que sejam o seu cliente ideal.

3 desafios para marcas no social media

Neste mundo que está em constante evolução, há novas oportunidades para os marketers todos os dias. Estas oportunidades por vezes vêm disfarçadas como obstáculos, e é por isso que neste artigo partilho contigo as oportunidades que os marketers podem usar para avançar nas suas carreiras e projetos.

Novos canais de anúncios sociais

  • Oportunidade: quase todos os dias há artigos sobre novas oportunidades disponíveis nas redes sociais que os marketers podem tirar partido. Desde botões de compra até novas integrações com apps externas, estes novos canais apresentam mais formas de gerar negócio e atingir os objetivos da empresa por meio das redes sociais
  • Desafio: com estes novos canais, pode ser difícil para os marketers manterem-se atualizados com informação atualizada, no que toca a detalhes sobre orçamento, preço, utilização dos serviços, ou mesmo perceber se estes novos meios funcionam de todo. Eles precisam de navegar por estas águas sem perder o foco das comunidades sociais onde estes anúncios existem, e resistir à tentação dos maus hábitos que proliferam nas empresas, que é “empurrar”, em vez de “puxar”.

Novas tecnologias sociais

  • Oportunidade: com as ascenção das aplicações móveis de mensagens, os marketers têm assim mais canais com os quais podem alcançar com o seu público-alvo.
  • Desafio: saber que aplicações usar para envolver os utilizadores implica saber fazer uso de informação analítica, objetivos de negócio, e uma estratégia social eficaz. Dada alguma imaturidade (e complexidade) de algumas ferramentas de analítica, alguns marketers podem ficar paralisados e procrastinar.

Novos formatos de vídeo

  • Oportunidade: à medida que aumenta a concorrência nas redes sociais pela atenção das pessoas, os vídeos tornam-se um recurso de conteúdo que aumenta a visibilidade nas feeds dos utilizadores. Muitos dos meus clientes que fazem o uso (inteligente) de vídeo estão a ter melhor desempenho quando comparado com outros tipos de conteúdo.
  • Desafio: a oportunidade revela um obstáculo, que é como criar vídeo, com qualidade de produção e storytelling, frequentemente. Isto aumenta o orçamento que é necessário alocar para a criação de conteúdos. Além do mais, com a notícia de que o Facebook está a trabalhar numa aplicação de vídeo de 360º, os marketers vão precisar de saber integrar estes novos recursos no seu arsenal para fazer bom uso do vídeo marketing.

Os marketers devem abordar estas oportunidades com entusiasmo e expetativas realistas, pois os desafios estão lá, mas são ultrapassados quando colocados em conjunto com uma estratégia bem montada.

À medida que os planos de marketing e estratégia para o próximo ano são pensados e montados, muitas destas oportunidades terão um impacto nas estratégias sociais e orçamentos empresariais.

Táticas de Marketing para PMEs

Táticas de internet marketing para PME

A nível de orçamento, o marketing é por vezes o primeiro a ser atingido quando as empresas estão a cortar custos.

As pequenas e médias empresas promovem os seus produtos e serviços por meio de campanhas de marketing tradicionais, ou seja, fazer o que sempre estiveram habituadas a fazer.

Mas é importante que as PME reconheçam o poder das redes sociais, e da forma como elas são mais do que apenas empurrar produtos ou serviços através de investimentos alargados em anúncios.

Existem outras estratégias mais eficazes para quem tem o cinto apertado.

“Google My Business”

Quanto mais alto está um site posicionado no topo dos resultados do Google, mais fácil é atrair potenciais clientes e com que os atuais clientes e colaboradores o consigam facilmente contactar.

O Google My Business é uma forma simples de garantir que as pessoas encontrem a sua empresa. É um serviço gratuito fornecido pela Google, e o registo permite estar incluído nas listagens e Maps da Google.

Peça as suas listagens

Para além da Google existem outros serviços de listagens que podem ajudar a listar a sua empresa.

Desde outros motores de busca como o Yahoo e Bing, ou redes sociais como o Facebook, Twitter e LinkeIn, ter os seus detalhes atualizados em todos estes sítios é fácil de fazer, e permite às pessoas entrar em contacto consigo.

Relações Públicas

O mundo online é muito bonito é útil, mas é apenas uma parte da fórmula para o sucesso. O mundo offline pode envolver muitas oportunidades.

Estenda a mão para os mídia locais ou aqueles dentro da sua área de atividade, ou da sua indústria no geral. Ir a eventos locais ou de certas comunidades pode gerar interesse nos mídia/imprensa local, o que é importante pois pode aparecer nas notícias destes e ter mais exposição.

Use o email

Campanhas de email marketing podem ser uma boa forma de aumentar a perceção da marca e lealdade do consumidor para consigo, e estão provadas de ter um bom retorno ao investimento.

A maioria das plataformas de email marketing permitem que os resultados sejam medidos durante a campanha, com ajustes em tempo real para garantir bons resultados.

Enquanto é necessário algum investimento nestas plataformas de email marketing (E-goi, MailChimp, Aweber), elas são relativamente low-cost, e algumas delas até têm serviços gratuitos.

Conclusão

Seja qual for a tática que usar para a sua PME, obter resultados será sempre o seu objetivo. Às vezes escolher o grátis ou a escolha mais óbvia, ou mais barata, acaba por ficar mais cara.

Como usar o Twitter como ferramenta de networking profissional

Imagem de artigo de Twitter e networking

O Twitter é mais do que apenas um meio de partilhar as tuas opiniões sobre um determinado assunto.

Pode ser uma ferramenta bem eficaz para criar uma rede profissional. Existem 316 milhões de utilizadores ativos que entram todos os dias. As oportunidades estão ao virar da esquina. Ao aprender como usar bem esta rede social, poderás melhorar a sua reputação num curto espaço de tempo.

Apresento cinco dicas em como usar o Twitter como ferramenta de networking e relacionamento profissional.

1. Usa hashtags para guardar conversas

As hashtags colocam os teus tweets de entre aqueles que estão envolvidos em tópicos específicos. Isto é uma boa maneira de chamar à atenção dos outros, que pode levar ao aumento do teu número de seguidores.

Quanto mais contribuíres (conteúdo de valor) à conversa ou ao tópico a ser discutido, melhor são as hipóteses de te ligares com as pessoas que vêem o teu tweet/publicação.

Usa hashtags desta forma:

  • Não faças #spam #dos #teus #seguidores #com #hasthags
  • Não escrevas mais que duas ou três hasthags por tweet;
  • As hashtags devem ser relevantes para o tema do teu tweet.

2. Menciona outros

Para mencionares alguém num tweet usas o símbolo da arroba. Assim, se me quisesses mencionar no Twitter, escrevias uma mensagem com @JoaoAlexConsult e eu iria ser notificado da tua mensagem/tweet.

Mencionar outros não só lhes capta a atenção, como pode criar futuras conversas que essas pessoas podem ter com outros.

Se tiveres um comentário ou informação sobre um tema que interesse a essas pessoas, podes responder diretamente, agregando valor a elas e aumentando a tua exposição.

Não abuses das menções, nem sejas demasiado profissional. Se uma pessoa não te respondeu após teres enviado uma ou duas menções, é provável que não te responda de todo. Se insistires, ela poderá bloquear-te.

3. Publica bom conteúdo

Embora o Twitter possa ser um sítio para desabafar, não o uses dessa forma porque isso não é nada profissional.

Colocar comentários que agreguem valor, sejam úteis e informativos, não só ajuda os outros, mas melhora a tua reputação na comunidade.

Partilha artigos sobre a tua área. mas também artigos informativos na internet ao colocares os links no tweet. Ajudar e informar vão contribuir para o teu sucesso online.

Para encontrares conteúdo interessante e temas úteis, podes usar ferramentas como o Explore do Klout, What’s Hot no Google, ou o Feedly.

4. Envolve-te com quem segues

Podes nunca vir a ter qualquer tipo de atenção das pessoas importantes e celebridades que segues, mas ficarias surpreso(a) com a quantidade de pessoas que te poderão vir a responder, outros profissionais na tua atividade, ou fora dela.

Uma resposta a um tweet envia uma notificação para o autor do tweet. Ele ou ela podem responder-te, dando-te uma hipótese de começares a ficar conhecido por essa pessoa.

Se tens uma empresa, leva o teu tempo para responder a questões, recebe sugestões e atende a comentários ou queixas dos teus potenciais ou atuais clientes.

Se estás presente no Twitter, pensa nele como mais um meio de interagir com os teus potenciais clientes. Assim como irias telefonar de volta para algum contacto ou cliente que te deixa um voicemail, ou escrever de volta para alguém que te enviou um email ou carta (ainda se usa disto?), precisas também responder a essas pessoas e ser comunicativo(a) no Twitter.

Uma boa conta Twitter com a qual podes aprender é com a agência We Love Social.

5. Usa imagens

De acordo com o Twitter Analytics, as imagens geram mais interesse e atenção, tal como no Facebook. Publicar imagens nos teus tweets aumenta a tua exposição para com os leitores, já que poderão assinalar o tweet como favorito e re-tweetá-lo para os seus próprios seguidores.

Adicionar uma imagem triplica o envolvimento com os tweets, levando a que seja mais propenso de ser partilhado/re-tweetado. Se algum dos teus tweets se tornar viral, poderá chegar a milhares de pessoas num bocadinho.

É fácil publicar fotos no Twitter.

Conclusão

O Twitter pode ser uma bela ferramenta para ti. Do ponto de vista profissional, é um serviço gratuito que te permite ligar às pessoas e criar uma rede com aqueles que te podem ajudar na tua carreira, e nos negócios.

Não subestimes aquilo que poderás conseguir fazer com apenas 140 carateres.

8 maneiras de aumentar a capacidade do teu cérebro

Gostavas de ter mais controlo sobre o teu cérebro?

Ilustração cérebro

Desde ter ideias e reuniões e escreveres conteúdos, há várias situações nas quais podes beneficiar ao teres mais concentração e uma melhoria na tua função cognitiva.

Isto permite-te ter mais coisas feitas em menos tempo e ter soluções para problemas que não irias ter caso contrário.

Existem várias formas de melhorar o poder do teu cérebro, mas tens de ser consistente e criares estes hábitos. Sem mais demoras, apresento-te 8 maneiras de como podes dar ajudar o teu cérebro a ajudar-te na vida.

1. Dorme bem

Isto pode ser complicado para empreendedores(as), porque com tanta coisa para fazer, e o stress e entusiasmo do trabalho que anda à volta de desenvolver e criar um projeto, pode ter efeitos indesejáveis nos teus padrões de sono.

Mas o sono é um requisito para a memória e aprendizagem. Se não dormes o suficiente, o volume da tua matéria cinzenta no teu lobo frontal começa a diminuir. O teu logo frontal é o que mantém a tua memória a funcionar, assim como a função executiva (nome técnico para uma área do cérebro).

Em resumo, se não dormes o suficiente, tens menos capacidade cerebral.

2. Come bem

Ter uma boa alimentação é importante para a saúde do teu corpo, e consequentemente, do teu cérebro.

Os empreendedores por vezes andam de reuniões em reuniões, de projeto em projeto, com pouco tempo para uma refeição.

Deves dar uma boa nutrição ao teu corpo. Antioxidantes e aminoácidos são importantes, assim como os omega 3. Beber vinho (tem resveratrol) está provado que aumenta a tua função cognitiva, desde que seja consumido em moderação. Frutos secos, vegetais, fruta (especialmente frutos silvestres) são benéficos.

O que é bom para o teu corpo é bom para o teu cérebro. Deixa-o bem nutrido.

3. Faz exercício

Fazer exercício faz bem. No mundo atual é difícil conjugar a nossa vida pessoal e profissional, e ter sequer tempo para fazer mais do que isso.

Mas não te podes dar ao luxo de não fazeres exercício, pois mexeres o teu corpo contribui para uma vida saudável e produtiva (e longa, com qualidade de vida).

O exercício não só ajuda na saúde do teu cérebro e cognição, também ajuda na memória. A longo prazo, combate a degeneração cerebral. Para mim, isto é mais do que razão suficiente para ganhares o hábito de teres uma rotina de exercício ou criares um plano de treino. Anda, corre ou junta-te a um ginásio.

4. Apanha sol

Sol é vida. Sol e exercício por vezes andam de mãos dadas. Em Portugal temos sorte, porque mesmo nas estações mais frias, temos boa duração do sol durante o dia.

Apanhar pouco sol não é bom para o teu cérebro. O sol dá-te vitamina D, e níveis elevados desta vitamina no teu sistema dão-te melhor desempenho e retardam o envelhecimento do cérebro.

Muito sol, no entanto, pode ser mau para a tua pele, mas se não apanhas sol suficiente, a tua mente sai prejudicada. Até há pessoas que ficam deprimidas nas estações frias por apanharem pouco sol.

Toma suplementos de vitamina D3 se achas que não apanhas tanto sol quanto gostarias.

5. Bebe café

Muita gente começa o dia com uma chávena de café. Isto é um ritual que pode ajudar as funções cognitivas a curto prazo.

A cafeína ajuda-te a estares alerta e focado em tarefas repetitivas e talvez até chatas. Aumenta a tua inteligência, tempo de reação e raciocínio. Tudo coisas boas.

Os efeitos da cafeína, como é óbvio, não são permanentes, mas podes, de forma moderada, beber café ao longo do dia. Mas como o vinho, não abuses.

6. Medita

A meditação é um tema que tem tido destaque nos últimos anos junto da população geral e dos empreendedores. Os benefícios estão comprovados em vários estudos.

Não só a meditação ajuda a reduzir os níveis de stress como previne doenças como Alzheimer, entre outras.

O ideal são 45 minutos por dia, mas até 10 minutos podem-te ajudar, desde que o faças consistemente, e como hábito. O teu cérebro irá agradecer-te pelos níveis reduzidos de cortisol (stress) e um aumento na tua concentração em várias atividades mentais.

7. Faz networking

A viagem dum(a) empreendedor(a) é por vezes solitária, mas não tem de ser. Estar sozinho é mau para as tuas funções cognitivas.

Somos animais sociais, precisamos de companhia. Sentirmo-nos sozinhos pode ter resultados negativos no sono, pressão arterial, contribuir para a depressão e piorar a tua saúde no geral, física e mentalmente.

A maioria dos empreendedores(as) comunica com os outros e cria laços e conexões com as pessoas. O objetivo é criar um sistema de apoio à tua volta, já que isso te permite estar mentalmente e psicologicamente ativo(a) e saudável a longo prazo.

8. Joga Tetris

Jogar Tetris é bom para o teu cérebro. Aumenta a tua matéria cinzenta a curto prazo e ajuda-te a teres melhor desempenho em tarefas relacionadas com espaço visual.

O mais interessante é que jogar Tetris após uma experiência negativa ou traumática que tenhas tido na tua vida, pode prevenir o teu cérebro de enraizar ou trazer essas memórias de volta.

Se tens um smartphone ou uma tablet contigo, experimenta jogar um bocado de Tetris, mesmo que aches ridículo. Quem sabe vais começar a apreciar o jogo de maneira diferente.

Conclusão

Melhorares a tua capacidade cerebral envolve ganhares e manteres novos hábitos. Não é só sonhar, é aplicar os conselhos que te dei no artigo. Um hábito não é uma coisa que fazes hoje, e amanhã já não te apetece. Não. Um hábito é para fazer consistentemente.

Começa por criar um hábito e focares-te em um ou dois aspetos que te sugeri aqui. Se quiseres fazer tudo duma vez, poderás perder o entusiasmo pois será demasiado avassalador para ti.

É importante teres um equilíbrio, mas ao criares e manteres estes hábitos e ires tendo novas experiências vais estar a perceber o que funciona melhor para ti, e para o teu cérebro.

A única app que precisas para seres um melhor escritor

UNICA-APP (1)

“Que app usas para escrever, João?”

É uma questão que já me colocaram.

A questão devia de ser outra, pois está focada num assunto diferente, que é usar a tecnologia esperando que seja esta que faça as coisas.

Há pessoas que têm de ganhar alguma experiência a escrever conteúdos antes de poder contar isso como um hábito, e antes de começar a usar “apps”.

Numa fase inicial, podes escrever com seja o que for, com o Bloco de Notas, com o Microsoft Word, com o Scrivener, seja o que for (eu uso o Notepad++ só para teres uma ideia).

Se começares com um editor de texto básico, podes sempre copiar o texto para outro programa.

Mas lá está, toda a gente quer uma app. Querem instalar um software que irá milagrosamente melhorar o seu progresso e garantir o sucesso.

Felizmente para ti, eu tenho essa app. Tenho uma app para te tornares um melhor escritor e produtor de conteúdos. E ela já está no teu computador.

O maior erro de escrita

Deves manter um hábito da escrita. Quer seja 100 palavras, ou 1000, ou 50 minutos de volta disso, deves trabalhar naquilo no qual te queres tornar melhor. A consistência é mais importante que a intensidade.

A consistência é mais importante que a intensidade.

E além de criares e manteres esse hábito, falta-te outra coisa: agendar uma altura específica para escreveres e produzires conteúdos.

Não é “quando” arranjares tempo. É agendares uma altura específica e manteres-te com ela.

A app maravilhosa da escrita

É esta app que te vai tornar um melhor escritor e ajudar a criar mais artigos ou a escrever o teu próximo livro. Usa o Google Calendar, iCal, ou mesmo o Outlook, não importa.

Agenda uma altura específica, uma reunião contigo próprio, e começa a escrever.

Agendar no Google Calendar

Depois agenda outra altura para publicares o teu conteúdo, e faz ambos de forma consistente.

Cria um objetivo para ti mesmo de escreveres 1000 palavras por dia. 1000 palavras não é nada do outro mundo, tu consegues. Lembra-te que deves a agendar uma altura específica para escrever.

Parece que o teu calendário é a app milagrosa para te tornares um melhor escritor.

Segredos para criares uma network espetacular

Pessoas com balão de diálogo

Tu queres ser aquilo que o Malcolm Gladwell chama de “conector“.

Um conector é uma pessoa curiosa sobre os outros, gosta de ouvir e partilhar historias, onde vives,o que fazes, de onde vieste, o que gostarias de fazer?

É uma pessoa recetiva a conhecer outras pessoas e que quer ajudá-las a encontrar respostas, bons conselhos e ligá-las a outras pessoas que com ela possam beneficiar.

À medida que avançamos para uma economia de freelancing, mudanças constantes de emprego, e tempos de atenção cada vez mais pequenos, é cada vez mais importante cultivar uma network, uma rede pessoal de pessoas conhecidas, que te podem ajudar com ideias, contactos e apoio.

Devidamente cultivada, esta network é a tua moeda, o teu fundo monetário, a tua realidade daqui para a frente.

Uma network é um grupo de conexões pessoais que crescem ao longo do tempo através de vivências. As minhas incluem pessoas que não contratei, ou que não me contrataram, ou pessoas que a minha agência trabalharam, pessoas que foram referidas como candidatos ou contactos, colegas de indústria, colegas de passatempos e quaisquer outros que passaram pela minha vida.

Uma network é um grupo de conexões pessoais que crescem ao longo do tempo através de vivências.

A tua lista não tem de ser diferente da minha, mas também não tem de ser igual. A tua network poderá ter amigos da escola, de estágios, de empregos que tiveste. Pode ter ainda alguém com que simpatizaste numa festa ou evento, ou um amigo dum amigo que trabalha numa empresa que admiras, ou o teu cabeleireiro ou informático, ou colegas de profissão, os teus vizinhos, amigos dos pais, e por aí fora.

Cultivar esta rede de pessoas, não é a mesma coisa do que estar no LinkedIn ou Facebook (mais sobre isso em baixo).

Construir uma network não é um esforço de números. Isto não são vendas. Mais importante para mim seria o número de contactos de pessoas que conheço na Microsoft ou Google. Estamos a falar de pessoas, não de uma moeda de troca.

Alguns pontos que te aconselho teres em mente.

  • Não trates a tua nework como um multi-banco. Isto não é para andar a tirar dinheiro a toda a hora. Ninguém gosta de se sentir usado de forma repetida, especialmente quando os pedidos vêm todos do teu lado e não agregas valor ao relacionamento com a pessoa.
  • Não te foques na “transação”. Dá e recebe. Podes precisar de alguma sugestão de onde colocares o teu pai ou avô num lar ou casa de 3.ª idade, ou podes precisar de dicas de como lidar com os teus miúdos, ou uma dica contabilística. Um dia poderás ajudá-los também com o teu próprio conselho.
  • Não limites os teus contactos ao contexto. Não tenhas “requisitos” sobre quem tu pensas que te vai dar valor e quem achas que deves conhecer, pois irás estar a encurtar o teu campo de visão. Não sabes se aquele pessoa não tem um amigo que é CEO duma empresa que te podia ajudar.

Talvez estejas a pensar em como manter ou criar uma network a longo prazo. Podes fazer uso de tecnologia, com apps que gerem os teus contactos, ou truques de mnemónica para te lembrares das pessoas que conheces.

Só que não é isso o propósito deste artigo. Em vez disso quero-te ajudar a aplicar os princípios duma rede de pessoas numa abordagem que faz sentido. Primeiro, as pessoas. As ferramentas podem vir depois.

Eu penso na minha network como um organismo vivo, como uma planta que tenho de regar frequentemente, e a partir da qual posso retirar alguma necessidade específica.

Para criar bons contactos (e amigos) a longo prazo, eis as minhas melhores dicas.

Sê prestável

Quando alguém te estende a mão, segura-a. O meu tempo é limitado, mas quando posso, ajudo. Desde pessoas vêm ter comigo para perceber o ambiente da consultoria, outros que querem mudar de emprego, designers que querem ser programadores, executivos que querem saber fazer coisas específicas, entre outros.

A maioria das vezes não tenho uma solução imediata para eles. Mas eu ouço-os, percebo-os e ajudo como, seja em conselho geral ou através de pessoas que eu conheça que os possam ajudar.

Faço isto porque acredito que todos nós precisamos de ajuda, para perceber o próximo passo, estabelecer prioridades, e talvez ajudar a materializar uma dia ou ter uma perceção geral da floresta pelas árvores.

Cada um de nós precisa de ajuda eventualmente. Dá e recebe. Não estejas à espera de receber primeiro, dá o primeiro passo.

Não estejas à espera de receber primeiro, dá o primeiro passo.

Mantém contacto, mas não demasiado

A minha mãe costumava dizer “filho, mais vale desejado do que aborrecido”. Ela dizia-me isto quando eu queria ir constantemente à casa dos meus amigos para jogar video-jogos (há muitas luas atrás).

Eu lembro-me dos interesses e experiência dos meus contactos, e quando posso, partilho informação com eles, seja através de tweets, artigos, vídeos, outros, ou mesmo só para dizer olá de vez em quando.

Mais vale desejado do que aborrecido.

É importante mantermos contacto com os nossos contactos, mas não abusar.

Comunica e estende a mão quando precisas

Quando estás mesmo à procura de emprego, ou uma introdução a alguém, agradece com frequência aos teus contactos, quer eles tenham feito alguma coisa por ti ou não, e vai atualizando-os de como as coisas se estão a desenrolar para ti.

[…]agradece com frequência aos teus contactos

Eu fiquei surpreso e feliz quando recebi uma nota de agradecimento (por correio físico) duma rapariga que ajudei a encontrar uma posição numa empresa que ela queria.

Já enviei e recebi presentes de pessoas que ajudei e pessoas que me ajudaram, incluindo terceiras partes envolvidas no processo (pessoas que contratraram quem eu ajudei, entre outras).

Conhecidos podem ser importantes

Dependendo daquilo que precisas, os teus amigos mais próximos podem não ser a melhor opção. Mantém-te em contacto com “conhecidos”, aqueles que podem estar longe e não serem contactos óbvios.

Mantém-te em contacto com os “conhecidos”

Este é o tipo de pessoa que te podem vir a passar leads e informação de melhor qualidade.

Até podes vir a ser contratado por uma empresa baseado num destes conhecidos, que poderá ser um amigo dum amigo que trabalha nessa empresa.

Faz bons contactos

Encontra-te com os teus amigos e contactos de vez em quando para que possas saber o que eles andam a fazer, e que tipo de produtos ou serviços têm, para que possas passar o contacto deles a quem tu aches que podes ajudar, ou passar contactos de outras pessoas para eles.

Quando sabes qual é a especialidade que um dos teus amigos tem ou as empresas para as quais eles trabalham, as referências que passas têm mais valor.

Saber sobre uma empresa especialista em fazer eventos em Portugal e na Europa pode ser bom para os teus contactos do marketing e vendas, mas talvez não seja tão útil para o teu outro amigo que tem uma startup com 2 trabalhadores.

Cumpre as promessas

Se passas contactos, apresenta-os convenientemente e faz um follow-up com ambas as partes (o contacto, e a quem passaste o contacto) para saberes comko as coisas correm.

Se no entanto não é capaz de ajudar, ou não tens ideias de contactos que lhes podes passar, então diz que não sabes ou não tens. Se és capaz de ajudar, diz, se não és, diz à mesma.

Se és capaz de ajudar, diz, se não és, diz à mesma.

Não fiques com o pedido pendente. Mais vale dizeres que não sabes de ninguém, do que dizeres “logo se vê” ou “vou ver o que posso fazer”, quando não tencionas fazer isso.

Faz networking, não social networking

Isto parece muito trabalho não é? Seria mais fácil lançar uns posts no Facebook, uns Tweets e uns updates no LinkedIn e já está não é?

Fazer o que é fácil não te leva a lado nenhum. As pessoas de sucesso estão dispostas a fazer aquilo que os outros não querem fazer.

As pessoas de sucesso estão dispostas a fazer aquilo que os outros não querem fazer.

Cada uma destas plataformas pode ter uma altura para serem usados, descobrir e partilhar informação, mas não te limites a elas, ou não te escondas por trás delas. Ao vivo as coisas acontecem com mais e maior força. Fala com as pessoas em pessoa, não por trás de tecnologia.

Faz uma lista e verifica-a

Faz uma pausa e a cada 1 ou 2 semanas reflete nos teus objetivos, nos teus problemas, e onde precisas de ajuda, respostas, ou quem te contactou a pedir ajuda, ideias ou contactos.

Faz uma pausa a cada seman e reflete nos teus objetivos.

Faz uma lista de quem e o quê, e faz o follow-up com elas com notas sobre as pessoas envolvidas.

Apresenta bem as pessoas

Quando queres ajudar e tens uma ideia de quem iria precisar da ajuda de quem, escreve para esse teu contacto pessoalmente e pergunta-lhes se eles querem que apresentes uma pessoa que achas que o poderá ajudar.

Só quando eles disserem OK é que os deves apresentar as duas partes, e depois sair do caminho deles. Não tens de fazer parte da conversa após a introdução que lhes deste.

Se o fizeres por email, coloca a pessoa que queres apresentar em bcc no email.

Vivemos num mundo de incertezas. Quanto mais aprenderes sobre os outros (vaga de emprego, destino de férias, como mudar de carreira), melhor vais ver os detalhes do mundo e das pessoas, e mais vais conseguir ajudar e ser ajudado pelas pessoas que se cruzam contigo na vida.

Se estas dicas te ajudarem, diz-me. Contacta-me, e quem sabe isto pode ser um o princípio dum relacionamento enquanto “conhecidos”.

Como criar uma presença digital “potente”

Se estás a ler esta página, estás a ver um website (o meu).

“Presença digital” é tudo aquilo que fazes online com o teu conteúdo, como envolveres-te com os teus clientes e potenciais clientes no teu blog, Facebook, Twitter, vídeos no Youtube, e por aí fora.

A tua presença digital é o somatório de todas as tuas atividades por toda a web, seja em websites, redes sociais, e outros. Ter uma boa ou má presença digital pode ter um impacto na tua marca, na tua faturação, e no teu sucesso, quer sejas uma empresa ou profissional independente.

Prédios em vectores

Um bom marketing digital permite-te a trair novos clientes (e mantê-los).

Os 3 P’s da presença digital 🙂

1. Pessoas

A tua presença digital revolve à volta da tua marca ou da tua empresa. O teu branding e a mensagem que passas deve ser concisa e verídica antes de sequer começares com o marketing digital.

Mostra quem és, quem ajudas e como podes ajudar. Isto significa que tens de fazer o teu trabalho de casa em saber com precisão quem é o teu cliente e o teu mercado.

Mostra as pessoas com quem colaboras e a tua experiência através de imagens, fotos, vídeos, artigos no teu website e publicações nas redes sociais.

2. Processo

Pensa nos objetivos, orçamento e recursos que podem ser necessários para entrares no “digital”. Pondera em que canais e meios de marketing faz sentido tu ou a tua empresa estar, assim como o material, treino ou formação que precisas para entrares na “onda” e começares a criar a tua presença online.

Podes fazer uso de ferramentas de conteúdos, gestão de tempo e produtividade para poderes acompanhar o teu progresso no que toca à gestão, publicação e otimização da tua presença online. Eis 39 ferramentas sugeridas pelo Jay Baer (não tens de usar todas, usa só o que precisas, nem que seja só uma ou duas) para monetizares as tuas campanhas de redes sociais.

3. Plataformas

Fica a par das novidades que acontecem nos motores de busca, nomeadamente no Google, e nas redes sociais.

Isto porque aquilo que funciona hoje, pode não funcionar daqui a 3 meses, que é algo que podes notar que acontece com redes sociais como o Facebook, que por vezes muda algumas das suas regras, funcionalides ou caterísticas de publicações ou anúncios, por vezes de forma ligeira, e por vezes grandes mudanças.

“Se o criares, eles virão”. Este ditado, que vem do Inglês, “If you build it they will come”, já não funciona, senão era toda a gente rica e com sucesso.

Sê consistente, e faz um bom trabalho nas redes sociais, otimização dos motores de busca e marketing online no geral, pois a consistência é mais importante que a intensidade.

O guia para te focares melhor: lições de um domador de leões

Encontrei este artigo tão fascinante que tive de o partilhar como forma de honrar este conceito tão simples e tão útil. Lê o artigo original aqui ou continua a ler.

O domador de leões

Como um domador de leões te pode ajudar a ter foco e viver uma vida melhor.

Clyde Beatty, domar de leões

Havia um rapazinho chamado Clyde Beatty, que nasceu em Ohio em 1903. Quando era adolescente, saiu de casa para se juntar ao circo. Começou a limpar jaulas dos animais, mas avançou na carreira para se tornar um grande homem do showbiz.

O Clyde ficou famoso pela sua atuação em que domava feras selvagens. Uma das atuações envolvia leões, tigres e outros felinhos, todos ao mesmo tempo, em que os domava a todos.

A maioria dos domadores de leões morria no ringue, mas o Clude viveu até aos seus 60 anos, de cancro, não por causa dum leão.

Como é que ele sobreviveu? Com uma ideia simples.

Ele foi o primeiro domador de leões a usar uma cadeira no ringue do circo.

O chicote e a cadeira

Clyde Beatty a colocar cadeira à frente de leão Quando pensamos em domadoes de leões, pensamos em alguém a envergar um chicote e uma cadeira. O chicote é o que nos chama mais a atenção, mas é na realidade a cadeira que é o segredo.

Quando um domador de leões coloca uma cadeira na cara do leão, este tenta focar-se em todas as 4 pernas ao mesmo tempo. Como o foco dele está dividido, o leão fica confuso.

Com “tantas” escolhas, o leão congela e espera, em vez de atacar o domador.

Como evitar ficar como o leão

Quantas vezes te encontras na mesma posição do leão?

Leão confuso

Quantas vezes tens algo que queres ou precisas fazer (perder peso, ganhar músculo, começar um negócio, viajar mais…) só para ficares confuso(a) com todas as opções que tens e congelares?

Isto é verdade na saúde, fitness e várias outras áreas onde as pessoas e empresas pensam que têm que tornar as coisas mais complexas do que o que são. Parece que cada rotina de exercício que encontramos é a melhor, ou que aquele especialista afirma ter o melhor plano de nutrição, ou um guru qualquer que diz que tem as chaves para ganhar dinheiro na internet.

Enquanto os especialistas e as pessoas se debatem pelas melhores opções, aqueles que querem de facto melhorar as suas vidas (tu e eu) ficam congeladas e frustradas com tanta informação.

O resultado final é que nos sentimos congelados e acabamos por não fazer nada, ou focarmo-nos em coisas que não interessam, tendo menos progresso e fazendo menos coisas.

Está na altura de mudar isso tudo, e eis como…

Como te focares e aprenderes a estar concentrado(a)

Alvo com seta

De cada vez que sentires que o mundo te colocou uma cadeira “in your face”, lembra-te que tens uma escolha. Só tens de te comprometer a uma coisa.

Não tens de fazer as coisas de forma perfeita. Só tens de começar. Começar antes de estares pronto(a) é um dos hábitos das pessoas de sucesso.

A capacidade de começar e comprometeres-te a uma tarefa é só o que precisas para te focares melhor. A maioria das pessoas não tem problemas de foco. Eles têm problemas em decidir coisas.

Alguma vez tiveste uma tarefa à tua frente que tinhas mesmo de fazer? O que aconteceu? Fizeste-a. Talvez até tenhas adiado as coisas, mas quando te comprometeste a ela, fizeste-a.

Fazer progresso na tua saúde, no teu trabalho e na tua vida não é baseado em como aprenderes a concentrar-te, mas sim como escolher e comprometeres-te a uma tarefa específica.

Tu tens a capacidade de te focares, só precisas de escolher no quê é que a vais direcionar, em vez de ficares congelado como o leão, com a atenção dividida pelas 4 pernas da cadeira.

Queres perder peso? Ótimo. Começa uma alimentação “normal”, ou seja, toda a comida que não for embalada ou estiver numa caixa. Carne, peixe, vegetais e legumes. Inicia um regime de exercício, mesmo que seja só andar. Compromete-te com o básico, criando assim bons hábitos, percebendo que isto é para ser feito a longo prazo, na tua vida. A consistência é mais importante do que a intensidade.

Queres ganhar músculo ou ficar em forma? Boa. Pára de ler os posts motivacionais no Facebook e vai para a cama mais cedo. No próximo dia, começa um plano de treino, seja com movimentos corporais (flexões, elevações), seja com pesos (agachamento, peso morto, press militar), e dedica-te.

Queres começar um negócio? Fantástico. O mundo do empreendedorismo não é fácil, ou toda a gente o faria. Não tens de aprender uma nova estratégia ou aprender a focares-te. Só tens de te dedicar a tornares o teu projeto uma realidade. Começa a tua caminhada com o primeiro passo e acredita em ti, sabendo que irás ganhar experiência à medida que vais caminhando.

Todos nós temos a capacidade de nos concentrarmos no que quisermos, mas apenas se e quando decidimos aquilo que é importante para nós e ao que nos queremos dedicar e concretizar. A única má escolha, é nenhuma escolha.

Pára de olhar para a cadeira

Domador de leão com cadeira e chicote
Jacobsen/Stringer/­Getty Images

A vida não é um ensaio. Não existem “continues” como nos vídeo-jogos. Tu estás no ringue da vida. A maioria do tempo, sentamo-nos quietinhos a olhar para a cadeira à nossa frente, debatendo-nos sobre que perna é mais importante.

Mas não tem de ser assim. Se tens algo que queres fazer, algum sítio onde queres chegar, alguém que queres ser… então toma a tua decisão. Se estás bem claro(a) sobre onde queres ir, o mundo ou irá-te ajudar a lá chegar, ou sairá do teu caminho.

Não tens de fazer tudo duma vez, nem que as coisas fiquem perfeitas. Tens é de fazer alguma coisa, agora. Alguma coisa que é importante para ti, alguma coisa para o qual estejas destinado a fazer. Eu posso não saber o que é, mas tu sabes. Tira a cadeira da tua frente e dá o primeiro passo.

Deixo-te com um artigo interessante sobre como domar leões, onde o Clyde Beatty é mencionado.