4 ferramentas para o designer gráfico iniciado

4 ferramentas designers graficos

Existem várias ferramentas na web para te ajudarem a criar imagens à maneira. Uma das mais populares é a Canva, mas também tens a PiktoChart e a Venngage.

Estas são ferramentas “drag-and-drop”, onde se arrastam imagens e efeitos visuais para a composição, assim como usar a tipografia para criar boas imagens sem ser necessários grandes conhecimentos de design, especialmente se o tempo for escasso.

Talvez já tenhas experimentado algumas destas ferramentas, ou te foi pedido para criares imagens mais complicadas.

Se estiveres no mundo do design, e tens de fazer uso de ferramentas mais potentes, talvez tenhas a suite de programas da Adobe, que podes ou não usar frequentemente.

Por esta altura, deves ter aprendido ou lido que o Comic Sans é o pior tipo de letra que se pode usar e que os itálicos, negritos e sublinhados são formatações para se usar só de vez em quando.

Seja qual for a tua experiência, estas 4 ferramentas vão-te ser úteis e ajudar a levar o teu conhecimento de design gráfico para o próximo nível, quer sejas um entusiasta no design ou um iniciado no mundo do design gráfico.

Adobe Color CC

Adobe ColorCC
Adobe Colour CC é uma aplicação web da Adobe que te permite explorar vários tipos de padrões de cores, assim como criares os teus próprios padrões e guardá-los.

Com isto podes fazer emparelhamentos de cores para layouts de cartazes, web design e outros. Tens várias opções de cores, tais como cores análogas, monocromáticas, complementares, e outras. Podes exportar qualquer esquema de cores para o Photoshop, Illustrator e InDesign.

Designers Toolbox

Designers Toolbox
Talvez te tenha calhado a tarefa de criar um folheto ou um cartaz e não sabes por onde começar? Designer Toolbox é um excelente recurso sejas tu principiante ou experiente nestas matérias.

O Designer Toolbox mostra-te os vários tipos de trabalhos de design e tamanhos de envelopes, cartões de contacto, banners web, postais e outros. Podes ainda gerar texto-boneco Lorem Upsum e saber a história por de trás dele.

Google Fonts

Google Fonts
Google Fonts é um conjunto de fontes alojadas pela Google, todas gratuitas e livres de usar em websites e publicações.

Podes pesquisar por categorias (serifa, sem serifa), grossura, inclinação e largura da fonte e colocares o texto que quiseres no “preview text” para veres como fica (Grumpy wizards make toxicbre for the evil…) Com o Google Fonts podes encontrar a fonte ideal para o teu próximo projeto de design gráfico ou web.

WeTransfer

WeTransfer
WeTransfer é um dos websites mais práticos para enviar e receber ficheiros. Se estás a criar algum tipo de ficheiro para impressão, em que tens de preparar a arte-final, é possível que o ficheiro vá ficar grande.

Assim, em vez de enviares diretamente por email, podes aceder ao WeTransfer e enviar o ficheiro ao carregá-lo, escrever o nome da pessoa a quem vais enviar o ficheiro, assim como o teu email e mensagem. Quando o ficheiro for enviado recebes uma notificação no teu email, assim como quando o destinatário o tiver descarregado.

Conclusão

É uma lista pequena, mas útil. O Design gráfico pode ser uma atividade porreira e há muitas outras ferramentas e técnicas que podes usar para te ajudar na tua atividade e desenvolveres as tuas competências.

Quais são as tuas favoritas?

O tempo é tudo o que tens

Tempo é tudo o que tens

Um dia tem 24 horas.

Quantas horas tem o teu dia?

A questão não é teres mais tempo, é fazeres as coisas certas no tempo que tens. Como defines as tuas prioridades decide o tempo que tens. Se ficas sobrecarregado com trabalho e sem um resultado (faturação), então tens de re-avaliar as tuas prioridades e o objetivo do teu trabalho, para que consigas gerar os resultados que desejas.

A questão não é teres mais tempo, é fazeres as coisas certas no tempo que tens.

1. Diz não

Começa por dizer “Não” mais vezes. Não só dizer “não” às pessoas, mas a coisas. Aconselho o livro The One Thing, que te ajuda a focar naquilo que interessa e o que queres para a tua vida.

The One Thing

2.”Ajeitar papéis”

Uma coisa que dizemos a nós próprios é que estamos ocupados com trabalho de cliente, a fazer coisas relacionadas com o negócio, como trabalho administrativo (papelada), que nos deixa sem tempo para nos focarmos no marketing e em mais lucros.

Ver também: Trabalhos no marketing ou ajeitas papéis?

Estou cá para te dizer que isso é uma mentira. É uma mentira que dizes a ti próprio(a).

Se estás mesmo ocupado com trabalho de clientes e não estás a ganhar o suficiente para contratares alguém para te ajudar, então a questão não é o tempo; és tu que não te cobras o suficiente, não te valorizas o que mereces.

Se “trabalho administrativo” de ajeitar papelada leva muito do tempo, arranja alguém para delegares esse trabalho repetitivo. Pode ser uma pessoa no teu escritório ou um assistente virtual. A vantagem deste é que não tens de pagar benefícios (IRS, Seg. Social).

Se não tens dinheiro para contratar ninguém e estás ocupado(a) com “trabalho administrativo”, então voltamos à questão do não te estares a cobrar o suficiente.

3. “Ah, não tenho tempo”

Quando alguém me diz “não tenho tempo para o blog” ou criar conteúdos, aquilo que eu ouço é “não tenho tempo para fazer o que é necessário para pagar as minhas contas”. Não podes estar à espera de fazer o que estás a fazer agora e esperar resultados diferentes.

É essa a definição de loucura de acordo com o Einstein: fazer sempre as mesmas coisas e esperar resultados diferentes.

Para mim um louco é quem faz sempre as mesmas coisas e espera resultados diferentes.
– Einstein

“Não tenho tempo” é uma desculpa para te sentires bem em não fazeres o trabalho que é necessário. Ver este artigo sobre procrastinação e volta para ler o resto.

Quando decides fazer o que é difícil e encarar o teu desconforto, é nessa altura que começas a fazer o trabalho necessário para chegares ao teus objetivos.

4. Que queres da vida?

Se ainda não alcançaste os teus objetivos na vida, tens de estar disposto(a) a fazer sacrifícios, de forma a estares em controlo da tua vida.

Deve haver um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. Não te estou a sugerir trabalhar que nem um escravo(a), deves ter uma vida própria para além do teu trabalho, mas certifica-te que tens as prioridades alinhadas com os teus objetivos.

Se tens problemas em arranjar clientes, talvez aquela hora a mais a ver o último episódio do Game of Thrones não é a maneira ideal de passares o teu tempo.

Em vez disso, faz um pequeno sacrifício, e escreve conteúdos. Eu raramente vejo televisão, só quando tem de ser, e deixo as minhas séries de TV ou filmes para alturas que fazem parte do meu tempo de lazer.

A qualidade da tua vida pessoal depende das escolhas que fazes enquanto empreendedor(a). Se não tens patrão, ninguém te vai obrigar a fazer as mínimas 40 horas semanais se não tu.

Toda a gente tem 24 horas. As escolhas e prioridades que fazes ditam os resultados que recebes.

“Eu não tenho tempo” é uma desculpa. Em vez disso, diz, “o que é que preciso fazer para chegar onde quero chegar”? Foca-te o que interessa. Lê o livro que te sugiro, The One Thing.

O marketing não tem de ser difícil, só tens de saber como atrair o cliente ideal. Para teres uma visão clara sobre o que precisas fazer, agenda uma sessão comigo.

8 maneiras de aumentar a capacidade do teu cérebro

Gostavas de ter mais controlo sobre o teu cérebro?

Ilustração cérebro

Desde ter ideias e reuniões e escreveres conteúdos, há várias situações nas quais podes beneficiar ao teres mais concentração e uma melhoria na tua função cognitiva.

Isto permite-te ter mais coisas feitas em menos tempo e ter soluções para problemas que não irias ter caso contrário.

Existem várias formas de melhorar o poder do teu cérebro, mas tens de ser consistente e criares estes hábitos. Sem mais demoras, apresento-te 8 maneiras de como podes dar ajudar o teu cérebro a ajudar-te na vida.

1. Dorme bem

Isto pode ser complicado para empreendedores(as), porque com tanta coisa para fazer, e o stress e entusiasmo do trabalho que anda à volta de desenvolver e criar um projeto, pode ter efeitos indesejáveis nos teus padrões de sono.

Mas o sono é um requisito para a memória e aprendizagem. Se não dormes o suficiente, o volume da tua matéria cinzenta no teu lobo frontal começa a diminuir. O teu logo frontal é o que mantém a tua memória a funcionar, assim como a função executiva (nome técnico para uma área do cérebro).

Em resumo, se não dormes o suficiente, tens menos capacidade cerebral.

2. Come bem

Ter uma boa alimentação é importante para a saúde do teu corpo, e consequentemente, do teu cérebro.

Os empreendedores por vezes andam de reuniões em reuniões, de projeto em projeto, com pouco tempo para uma refeição.

Deves dar uma boa nutrição ao teu corpo. Antioxidantes e aminoácidos são importantes, assim como os omega 3. Beber vinho (tem resveratrol) está provado que aumenta a tua função cognitiva, desde que seja consumido em moderação. Frutos secos, vegetais, fruta (especialmente frutos silvestres) são benéficos.

O que é bom para o teu corpo é bom para o teu cérebro. Deixa-o bem nutrido.

3. Faz exercício

Fazer exercício faz bem. No mundo atual é difícil conjugar a nossa vida pessoal e profissional, e ter sequer tempo para fazer mais do que isso.

Mas não te podes dar ao luxo de não fazeres exercício, pois mexeres o teu corpo contribui para uma vida saudável e produtiva (e longa, com qualidade de vida).

O exercício não só ajuda na saúde do teu cérebro e cognição, também ajuda na memória. A longo prazo, combate a degeneração cerebral. Para mim, isto é mais do que razão suficiente para ganhares o hábito de teres uma rotina de exercício ou criares um plano de treino. Anda, corre ou junta-te a um ginásio.

4. Apanha sol

Sol é vida. Sol e exercício por vezes andam de mãos dadas. Em Portugal temos sorte, porque mesmo nas estações mais frias, temos boa duração do sol durante o dia.

Apanhar pouco sol não é bom para o teu cérebro. O sol dá-te vitamina D, e níveis elevados desta vitamina no teu sistema dão-te melhor desempenho e retardam o envelhecimento do cérebro.

Muito sol, no entanto, pode ser mau para a tua pele, mas se não apanhas sol suficiente, a tua mente sai prejudicada. Até há pessoas que ficam deprimidas nas estações frias por apanharem pouco sol.

Toma suplementos de vitamina D3 se achas que não apanhas tanto sol quanto gostarias.

5. Bebe café

Muita gente começa o dia com uma chávena de café. Isto é um ritual que pode ajudar as funções cognitivas a curto prazo.

A cafeína ajuda-te a estares alerta e focado em tarefas repetitivas e talvez até chatas. Aumenta a tua inteligência, tempo de reação e raciocínio. Tudo coisas boas.

Os efeitos da cafeína, como é óbvio, não são permanentes, mas podes, de forma moderada, beber café ao longo do dia. Mas como o vinho, não abuses.

6. Medita

A meditação é um tema que tem tido destaque nos últimos anos junto da população geral e dos empreendedores. Os benefícios estão comprovados em vários estudos.

Não só a meditação ajuda a reduzir os níveis de stress como previne doenças como Alzheimer, entre outras.

O ideal são 45 minutos por dia, mas até 10 minutos podem-te ajudar, desde que o faças consistemente, e como hábito. O teu cérebro irá agradecer-te pelos níveis reduzidos de cortisol (stress) e um aumento na tua concentração em várias atividades mentais.

7. Faz networking

A viagem dum(a) empreendedor(a) é por vezes solitária, mas não tem de ser. Estar sozinho é mau para as tuas funções cognitivas.

Somos animais sociais, precisamos de companhia. Sentirmo-nos sozinhos pode ter resultados negativos no sono, pressão arterial, contribuir para a depressão e piorar a tua saúde no geral, física e mentalmente.

A maioria dos empreendedores(as) comunica com os outros e cria laços e conexões com as pessoas. O objetivo é criar um sistema de apoio à tua volta, já que isso te permite estar mentalmente e psicologicamente ativo(a) e saudável a longo prazo.

8. Joga Tetris

Jogar Tetris é bom para o teu cérebro. Aumenta a tua matéria cinzenta a curto prazo e ajuda-te a teres melhor desempenho em tarefas relacionadas com espaço visual.

O mais interessante é que jogar Tetris após uma experiência negativa ou traumática que tenhas tido na tua vida, pode prevenir o teu cérebro de enraizar ou trazer essas memórias de volta.

Se tens um smartphone ou uma tablet contigo, experimenta jogar um bocado de Tetris, mesmo que aches ridículo. Quem sabe vais começar a apreciar o jogo de maneira diferente.

Conclusão

Melhorares a tua capacidade cerebral envolve ganhares e manteres novos hábitos. Não é só sonhar, é aplicar os conselhos que te dei no artigo. Um hábito não é uma coisa que fazes hoje, e amanhã já não te apetece. Não. Um hábito é para fazer consistentemente.

Começa por criar um hábito e focares-te em um ou dois aspetos que te sugeri aqui. Se quiseres fazer tudo duma vez, poderás perder o entusiasmo pois será demasiado avassalador para ti.

É importante teres um equilíbrio, mas ao criares e manteres estes hábitos e ires tendo novas experiências vais estar a perceber o que funciona melhor para ti, e para o teu cérebro.

Espaço de trabalho: com portas ou open space?

Escritório com salas fechadas ou um espaço aberto? Paredes e portas ou secretárias lado a lado sem separadores? Trabalhar em open space tem vantagens e desvantagens.

Quando falamos em espaço de trabalho, podemos pensar em formas muito diferentes de o concretizar. Podemos estar a falar dos três seguintes cenários.

  • um escritório com várias salas em que as pessoas são distribuídas por projectos ou por áreas de trabalho;
  • um modelo de open space, sem paredes ou portas a separar os locais de trabalho de cada funcionário;
  • ou de algo intermédio entre as duas hipóteses.

Por um lado, o open space permite:

  • Maior comunicação e informação: o brainstorming passa a ser alargado e todos podem mais facilmente ser inseridos em conversas de planeamento ou debate estratégico;
  • Mais interacção e interajuda: a comunicação fica facilitada já que a pessoa com quem queremos falar ou de quem precisamos de um opinião está a distância de um braço;
  • Proximidade com os colegas: com um dia-a-dia tão próximo é normal que se exponenciem as relações pessoais e muitas amizades surjam.

Neste formato, as pessoas produzem mais e cria-se um espírito de união entre a equipa.

Por outro lado, também há:

  • Alguma perda de privacidade: open space diminui o grau de privacidade de alguma conversas. Para temas mais delicados, ou mesmo confidenciais – em conversas telefónicas, por exemplo – o open space pode ser um problema.
  • Interrupções desnecessárias: a proximidade física dá a ilusão de disponibilidade do outro. Acabamos por estar constantemente a interromper o fluxo de trabalho das pessoas que temos ao nosso lado com questões que podem esperar;
  • Menor concentração: com toda a equipa no mesmo espaço, várias conversas, ainda que em volume baixo, acabam por dificultar a concentração de quem precisa de mais silêncio para trabalhar.

De facto, o barulho promovido por um open space pode atrapalhar a produtividade.

Visto que há vários pontos negativos em trabalhar em open space total, recomendamos algumas estratégias para minimizar as desvantagens:

  • Chat para comunicações entre equipas/pessoas: como por exemplo o Hipchat: é uma aplicação de chat que permite conversar individualmente ou em grupo sem interrompermos o trabalho uns dos outros.
  • Gestão de tarefas/projectos: como por exemplo o Asana, uma aplicação de gestão de projectos que permite definir tarefas por pessoa e trocar idéias sobre elas.
  • Salas de reuniões: criação de salas de reuniões para não incomodar o resto da equipa.

Como todas as coisas, trabalhar em open space também tem vantagens e desvantagens. Cada organização deverá perceber o grau de importância de cada uma, deve estudar a equipa e o seu fluxo de trabalho e desenvolver o modelo mais rentável para o sucesso empresarial.

Porquê não falar com a sua equipa e perceber a melhor forma de organizar o espaço de trabalho?


Este artigo foi da autoria da InvoiceXpress, o nosso blogger convidado.

InvoiceXpress logótipo

O InvoiceXpress é um software de facturação online certificado. A aplicação nasceu para ajudar trabalhadores independentes e PME a agilizarem o processo de facturação. É uma aplicação online, que não necessita de nenhuma instalação; só precisa de ter uma ligação à internet e um browser para começar a facturar.

Procrastinação: o palavrão a não evitar

Nós seres humanos temos a mania de pensar que somos espertos. O mesmo tipo de inteligência que nos presenteou com a teoria da relatividade e nos permitiu ir à lua é o mesmo que não nos deixa começar um trabalho até à véspera de quando tem de estar pronto.

Mas há uma coisa que é preciso perceber primeiro.

Nós somos humanos, mas também somos animais.

Somos criaturas primitivas, mas devido ao nosso manancial genético, evoluímos a partir dum alicerce mais obscuro, mais básico, mais primitivo. É o cérebro reptiliano, que por si próprio é um nome enganador, porque na realidade é uma componente que faz parte do nosso cérebro.

O nome vem do facto de ser suposto que fosse esta a frente cerebral que os reptéis e aves haviam desenvolvido e que este complexo era responsável pelos comportamentos básicos como agressão, dominância, territorialidade, e rituais de acasalamento.

cérebro reptiliano

Repara como o resto do nosso cérebro está “montado” em cima do reptiliano.

O nosso cérebro reptiliano não quer ouvir a parte racional em nós. Como uma criança, poderá fazer muito daquilo que lhe é dito, desde que ele não discorde muito com aquilo que ouve.

réptil boneco

Aquilo que nos permitiu ascender como espécie dominante deste planeta é a capacidade de termos desenvolvido alguns sistemas para acalmar o nosso cérebro reptiliano, adormecê-lo ou apaziguá-lo.

Esta “capacidade” é o que podemos chamar de “civilização”. Comida e abrigo ajudam, assim como um sistema legal e judicial em vigor, educação obrigatória, entretenimento e monogamia.

Tudo isto acalma o cérebro reptiliano em nós tempo suficiente para que possamos fazer algo de produtivo, como encontrar a cura para a raiva ou inventar a manteiga de amendoim.

manteiga de amendoim

Mas vamos olhar para a procrastinação.

Estás a tomar uma decisão com a tua mente consciente e perguntas-te porque é que não a levaste a cabo. A verdade é que quem toma as decisões, o “teu réptil”, não é propriamente muito maduro ou sofisticado.

Imagina que tinhas de convencer uma criança a fazer o que tu querias que ela fizesse. Para pequenas ações, impôr a tua autoridade pode ser o suficiente, “vem jantar” ou “arruma os brinquedos”. Mas se a criança não quer fazer algo, ela não vai ouvir.

Eis o que podes perceber.

  • Segurança interessa. Se estás com fome, cansado(a) ou deprimido(a), o teu réptil infantil vai-se rebeliar. Se falhares em tomar conta de ti próprio ele vai querer sair, gritar e refusar-se a fazer o que lhe dizes. É para isso que ele cá está, para comer, dormir e brincar.
  • Esquece a lógica. Após decidires que vais fazer alguma coisa, a parte racional da coisa poderá não ajudar-te. O teu réptil interior pode ser apaziguado, assustado e motivado. Mas não fala através da linguagem nem pode ser argumentado através da razão.
  • Incentiva a disciplina. Cria uma rotina de reinforçamento positivo e negativo. Se queres que uma criança coma vegetais, não lhe dês a sobremesa primeiro. Recompensa-te pelos teus sucessos e castiga-te pelo que falhaste em fazer. Fazeres um compromisso em público pode ser bom, pois a pressão social ajuda.
  • Descobre a emoção. O réptil em ti responde à emoção, essa é a única linguagem dele(a). Discursos ou frases motivacionais, livros, filmes ou artigos podem funcionar durante algum tempo, e até música, que poderá funcionar muito bem. Imagina o que queres feito, já feito, ou o pesadelo de falhares em a fazer. Torna a tua imaginação vívida o suficiente para te fazer sair do torpor.
  • Empurra-te para começar. O mais importante é começar. O instinto réptil é evitar a mudança, então, quando começas algo, o jogo começa a virar a teu favor. Com tempo suficiente, até podes enganar (perdão, convencer) o teu réptil de que adoras fazer as coisas que ele até agora detestava. Conseguimos convencer as crianças a ir à escola, também conseguimos fazer isto.
  • Abusa do espaço. O teu réptil não é lá muito esperto. Se ele vê um botão, quer clicá-lo. É como dizer a uma criança que está a ver os últimos minutos dum programa de TV (imagina, o Dragon Ball) para se ir deitar agora. Organiza o teu espaço para te remover de distrações, sai do facebook ou do teu cliente de email, desliga as notificações. Se necessário, cria contas separadas para o trabalho e para o pessoal, e até em computadores separados.

Conclusão

Após saberes os pontos em que tens de estar alerta, vais começar a reconhecer os padrões (positivos ou negativos) para os começar a controlar.

Há um réptil dentro do teu cérebro, mesmo que ele não seja físico. Ele anda de carro, mas infelizmente não tem um volante, portanto tens de ser tu a conduzi-lo. Ele poderá fazer aquilo que lhe disseres, e servir-te bem. Lembra-te só quem é que manda.

lagarto conduzir carro

Artigo que vais gostar: Como ganhares mais dinheiro com clientes

Tempo é dinheiro: como fazer mais, com menos

Tempo é dinheiro.

Esta expressão já é lugar-comum, e nunca foi tão verdade para empreendedores(as), consultores, freelancers e aqueles que estão empregados por conta própria. É importante gerir o tempo, o teu recurso mais valioso.

Conselhos para boa produtividade são bastante disseminados hoje em dia, só que por vezes é necessário perceber que a solução pode não estar apenas numa app mas sim no nosso comportamento enquanto seres humanos, para que consigamos perceber o porquê de não terminarmos as coisas atempadamente.

A maioria de nós são consultores, freelancers ou empreendedores(as). Somos responsáveis por nós próprios, e possivelmente por outros, e como tal apresento-te alguns métodos que podes aplicar na tua vida para fazeres as coisas ‘como deve de ser’.

Cria uma lista a Não-fazer

Não é tanto a questão daquilo que tens a fazer do que aquilo que não deves ou tens para fazer. Confuso? Não, eu explico.

Em vez de criares uma lista de “a-fazer”, deves criar uma lista de “não-fazer”, como forma de te lembrares do tipo de coisas em que normalmente te refugias para evitar o verdadeiro trabalho que tens de fazer para avançar enquanto profissional.

Podes criar esta lista ao colocares todo o tipo de atividades (ou distrações) que não contribuem diretamente para o teu benefício. Eis um exemplo:

  • NÃO vejas o email a toda hora
  • NÃO vás ao Facebook a menos que seja em trabalho
  • NÃO vás a sites do género Imgur.com no horário de trabalho
  • NÃO vás ao Google Analytics mais do que uma vez por dia
  • etc

Esta lista seria um exemplo meu. Tu tens de criar a tua própria lista. Não penses na lista, escreve-a. Ao colocares os itens no papel poderás estar a dar a ideia ao teu cérebro que te estás a comprometer. Lembra-te que não é só a questão de atividades distrativas (Facebook), mas também outras que a ti te parecem ‘trabalho’ mas não são (ver email de 5 em 5 minutos).

Faz tudo duma só assentada

O tipo de atividades que referi em cima, por vezes têm de ser feitas. Na minha atividade enquanto profissional, tenho uma série de páginas Facebook para gerir para clientes, portanto eu estou no Facebook em trabalho, apesar de ser fácil distrair-me nessa rede social.

Ainda assim, eu posso fazer com que a minha estadia no Facebook seja planeada. Posso dar a mim próprio 60 minutos para gerir tudo o que tenho a gerir naquela dia, e acabou, saio do Facebook e não mais lá volto. Estou a começar numa ponta e a acabar na outra. Estou a dedicar-me exclusivamente a uma atividade, o Facebook, que por sua vez envolve sub-atividades (gerir páginas), mas como faço tudo duma assentada (na medida do possível), posso pôr isso de lado e não me preocupar mais nesse dia.

Uma maneira em como “fazer por assentada” pode beneficiar a maioria das pessoas, é através do email. Passamos tanto tempo a ver email que é quase um disparate. Dedica-te ao email duma só assentada, ao usares 30 minutos a responder ou a escrever emails. Poderás ter de fazer mais assentadas por dia, e dependendo da tua atividade, isto poderá não ser possível (mas experimenta à mesma). Lembra-te que mudares a tua atenção entre tarefas diferentes dá cabo da tua concentração e da tua produtividade, mas ao fazeres as coisas duma assentada estás a dedicar o teu tempo, mais eficientemente, numa atividade que tem de ser feita.

Dedica-te apenas a uma coisa

O conceito de multi-tasking é giro, mas muitas vezes é um grande inimigo da produtividade.

Tentares fazer muitas coisas ao mesmo tempo vai garantir que faças nenhuma delas bem. Um estudo pela Univ. de Stanford mostra como a produtividade dos multi-tarefas é péssimo. Num outro estudo, o investigador prova em como os multi-tarefas sentem-se emocionalmente mais satisfeitos pelo seu trabalho, mas na prática são menos produtivos em relação àqueles que se concentraram em fazer uma coisa de cada vez.

Eis o que te aconselho a fazer.

  1. Planeia, ao deitar, o que vais fazer no dia seguinte
  2. Escreve uma lista de afazeres que seja possível de cumprir
  3. Dá cabo das tuas distrações.

Pensa no primeiro ponto: costumas perder tempo, de manhã, a pensar no que vais fazer? Esquece isso, porque é tempo perdido. Em vez disso, planeia fazeres, na noite anterior, 3 tarefas, para que no dia seguinte possas começar com toda a embalagem.

Para o segundo ponto, podes usar uma simples lista no papel, ou usares ferramentas como a Wunderlist, Teux Deux ou Now Do This para planeares a tua lista de forma a que não consigas ver o próximo item na lista (porque olhar para toda a lista pode-te desencorajar ou distrair).

No terceiro ponto, tens de eliminar quaisquer coisas que te possam distrair. Isto é particularmente importante se trabalhas online.

Aconselho-te a leres sobre a técnica do Pomodoro. Se gostares, podes usar o Focus Booster que facilita a utilização desse método no teu computador.

Se fores utilizador do browser Google Chrome, existem algumas extensões que também te poderão ajudar (se usares Firefox podes encontrar outras semelhantes).

Usa o gráfico da responsabilidade

Este é um gráfico que mencionei num artigo sobre produtividade, e que é útil para te manteres concentrado.

Cria duas colunas num papel ou no computador.

  • Coluna 1 tem o tempo de uma das tuas sessões
  • Coluna 2 tem as tarefas que fizeste nessa duração
Exemplo de gráfico de responsabilidade (accountability chart)
Exemplo de gráfico de responsabilidade com dois blocos de tempo

Apesar de eu poder usar blocos de 90 minutos (25 minutos de trabalho e 5 minutos de descanso), tu podes usar qualquer intervalo que seja comfortável para ti: talvez seja mais fácil para ti fazeres 60 minutos duma vez e só depois descansares um bocadinho. Experimenta para o teu caso.

Com este gráfico ficas mais responsável para contigo, pois não entras numa binge de uma hora a veres o 9gag, reddit ou o facebook, além de que se o fizeres, ao final do dia vais ficar envergonhado(a) com o que fizeste nesse dia.

Gestão da tua energia

Não tens que pedir aos deuses para teres mais energia, só a tens de gerir melhor. Lá por trabalhares mais horas do que outra pessoa, não quer dizer que estejas a ser produtivo(a).

Talvez já tenhas passado pela experiência de estares tão imerso, tão concentrado numa atividade que acabaste por ser bastante produtivo(a). Estavas com uma “energia empenhada”.

O Tony Schwartz, autor do Power of Full Engagement, diz o seguinte:

Não é apenas o número de horas que nos sentamos a uma secretária para determinar o valor que geramos. É a energia que trazemos para essas horas que trabalhamos.

A nossa capacidade em termos aquela “energia empenhada” é o que nos permite ser produtivos. Para ter energia, também temos de a ganhar, e isto é feito com pausas inteligentes. Ele afirma que sem gestão da nossa energia, estamos sujeitos a uma sabotagem interna, ao arrastarmo-nos pelo dia para que não paremos de trabalhar.

Scwhartz propõe que devemos planear as nossas pausas do trabalho para que possamos “dar o litro” durante as sessões de trabalho sem nos preocuparmos quando será a nossa pausa, se esta já tiver sido planeada para o final duma sessão de trabalho de 45 minutos.

Esta ideia é comprovada pelos ritmos ultradianos, de Peretz Lavie, que mostra como os nosso níveis de energia sobrem e descem ao longo do dia.

Os números significam minutos. 90/20 significa 90 minutos de trabalho e 20 minutos de descanso. Nota como isto é parecido com a técnica do Pomodoro, apesar de ser em maior escala (Pomodoro é 25 minutos a trabalhar, 5 a descansar).

ritmo ultradiano com pausas
Ritmo ultradiano – o tempo de atividade e as pausas

Ao planeares as tuas pausas ao longo do dia, vais fazer com que te empenhes a tua energia em blocos de tempo sabendo que irás ter uma pausa (a recompensa) para recarregares baterias. Poderás até aproveitar uma das pausas para fazer uma pequena sesta, mas vê lá não te deixes dormir.

Cria rituais

Não tens de te tornar bruxa ou um feiticeiro das trevas. A palavra rituais apenas significa “hábitos”.

De acordo com uma investigação levada a cabo pela Scientific American, os rituais são mais racionais do que parecem, porque ao nos habituarmos a fazer certas coisas com frequência, estamos a melhorar a nossa atenção e desempenho através de coisas que fazemos de forma familiar e habitual, aumentanto a nossa confiança e estabilidade emocional.

Os rituais criam desta forma mecanismos contextuais que ajudam a guiar o nosso comportamento. Por exemplo, um dos conselhos que se dá a pessoas que não conseguem dormir bem, é nunca usar a cama que não seja para dormir (nada de ler em cima da cama). Só quando estiveres preparado(a) para dormir é que deves ir para a cama. Isto ajuda o teu cérebro a criar uma resposta automática devido à familiaridade do evento, isto é, do ritual. Faz lembrar a experiência dos cães de Pavlov, onde certos estímulos no ambiente em redor poderão desencadear certas atitudes ou comportamentos.

Cria rituais/hábitos para partes importantes do teu dia, como por exemplo de manhã, ou à tarde, perto do lanche, ou outras alturas, experimenta.

Trabalhas por conta própria? Ou estás empregado(a)? Quais são algumas das tuas dicas preferidas para te manteres produtivo(a) e concentrada durante o horário de trabalho? Escreve um comentário em baixo.

Lê também:
Produtividade impecável
Como criar conteúdo sem dinheiro

Produtividade impecável

Espreme o dia ao máximo

Quando trabalhas por conta própria e estás, por vezes, à mercê dos teus clientes, pode ser difícil estares concentrado nas atividades que tens a desempenhar. A internet pode ser uma distração, e isso, juntamente com a capacidade espetacular de procrastinação do ser humano, acabas por gastar muito do teu tempo em atividades que não te estão a trazer dinheiro ou resultados.

Se isto é verdade para ti, eis algumas sugestões para te tornares numa máquina de produtividade.

Uma lista-a-fazer

Se tens o hábito de fazer listas, e gostas da sensação de poderes riscar uma tarefa duma lista, então tenho uma notícia para ti. Podes não gostar disto, mas o que interessa não é teres uma lista de 20 itens a fazer só para teres o bel-prazer de as poderes riscar.

Se queres fazer o teu trabalho como deve de ser, tens de te concentrar naquilo que são as tuas prioridades, e não podes ter mais do que 3 prioridades principais por dia. Sim, por dia, três prioridades. Estas devem ser escritas na noite anterior, e devem ser das primeiras coisas que vês logo de manhã. Podes usar qualquer tipo de suporte físico ou virtual para fazeres uma lista, deste um papel até uma app, do género da Wunderlist.

Uma lista de “elite”

Aqui o que interessa é fazeres um conjunto de ações que efetuas todos os dias, ou quase todos os dias, que te vai tornar, a longo prazo, uma pessoa mais eficaz. Uma lista como esta deve conter as tarefas principais que te façam ir ao encontro do teu objetivo de fazer mais dinheiro e teres mais resultados, arranjares mais clientes, seres mais felizes e sentires mais concretizado(a). Isto pode incluir:

  • Contactares uma pessoa para te reconectares com ela por email ou telefone (um cliente ou amigo), sem que tenhas interesse por trás, sê genuíno(a);
  • Lê alguma revista ou blog que gostes, relacionado com a tua indútria, que te dê “forças para andar” e te estimule a criatividade;
  • Lê algo não relacionado com o teu trabalho para te estimular. Por exemplo eu leio ficção/fantasia. Estou neste momento a ler a saga Liveship Traders da Robin Hobb;
  • Envia uma carta, cartão, email, ou telefonema só mesmo para saberes como é que as coisas “vão andando” com algum dos teus clientes atuais;
  • Dá uma passagem pelos teus objetivos mensais a nível de negócios e metas que tens para ti a nível financeiro (ou outro) e analisa se estás a ir de acordo com a tua satisfação;
  • No final do dia apaga aquelas mensagens na tua caixa de correio que consideraste urgentes, e certifica-te que respondes a algum cliente ou potencial cliente antes de apagares.

Controla-te nas Redes Sociais

Embora a utilização do Social Media, das redes sociais, seja uma parte, ou grande parte da maneira como atrais leads e potenciais clientes, lembra-te que também pode ser um antro de perda de tempo infindável.

Certifica-te que tens um plano, nem que seja mental, de como usas o teu tempo lá, e investe apenas aquele tempo que seja necessário nos sites ou plataformas principais, aquelas responsáveis pela maior geração de tráfego para o teu website ou portfolio. Usa algo como o Google Analytics.

Cria uma estratégia na qual colocas uma peça de conteúdo importante, informação ou pergunta em cada uma destas plataformas que esteja em linha com o tipo de trabalho que faças, ou opiniões e ideias que a tua comunidade em que estás integrado gosta. Ou então publica um trabalho recente que tenhas feito para um cliente, do qual te sintas orgulhoso(a) e pergunta às pessoas pelo feedback delas. Se elas te derem a opinião delas, não lhes tentes vender ou empurrar serviços, mas sim informá-las ou agregar valor a elas.

Faz o registo dos hits e cliques de cada publicação ou links que colocas através do bit.ly ou do google shortener. Assim poderás perceber quais os tipos de publicações que geram mais envolvimento para poderes continuar a melhorar.

Usa também uma ferramenta como o Hootsuite para agendares várias publicações para as diferentes redes sociais duma só vez. Com isto não quer dizer que tens de automatizar tudo, deves também responder em tempo real, por exemplo, certos retweets dependem de notícias espontâneas de coisas que acontecem contigo, com os outros ou com o mundo, e isso não pode ser agendado. Mas ao agendar estás a poupar algum tempo que podes usar no teu trabalho.

Não te distraias tanto

Instala uma ferramenta como o Rescue Time que te vai ajudar a supervisionar o tempo que passas online, para que possas assim fazer uns ajustamentos de forma a melhorares a tua produtividade ao diminuires as tuas distrações. O Rescue Time mostra-te quanto tempo passaste nos emails, no telefone, em websites, entre outros. Isto pode-se revelar uma experiência um bocado assustadora porque vais perceber a quantidade de tempo que já estás a perder sem saber.

Se usares o Chrome como browser, podes usar uma extensão chamada Stay Focused. Basicamente esta extensão limita-te o tempo que podes passar em certos websites. Podes por exemplo limitar o Facebook para uma hora, e ele irá impedir-te de te navegar para o Facebook para lá de 60 minutos.

CONCLUSÃO

Usas estas ferramentas e aplicativos para te tornares mais produtivo(a), especialmente quando tens uma proposta para fazer, um trabalho para entregar, ou alguma situação desconfortável que temos de fazer, porque é nessas alturas que temos mais vontade de adiar as coisas, e a tentação mais próxima é ver o Facebook ou outras atividades distrativas que em nada te vão ajudar.

Espreme o teu dia ao máximo, como um limão, usa estas dicas para teres uma produtivade impecável. Quem sabe te tornes mais proativo(a), com mais sucesso, mais dinheiro na conta bancária, e com mais tempo para te divertires. Lembra-te que o segredo disto e de muitas outras técnicas é consistência. Integra estas recomendações e aplica-as como um hábito diariamente, mesmo que só faças a 70% da força total que poderias ter feito. Desde que cumpres com o panorama geral da coisa, os resultados virão e serás uma pessoa mais produtiva.

E tu, que tipo de coisas fazes para te tornares mais produtivo(a)?

Quando procrastinar é uma coisa boa

Procrastinar é mau, certo?

Bem, pode ser, é algo que pode destruir a tua produtividade. Imagina o seguinte. Tens um prazo e tens que o cumprir. Estás na tua página Facebook a perder tempo em vez de começares (ou finalizares) o teu trabalho.

Há pessoas que dizem que trabalham melhor sobre pressão, e por causa disso, a procrastinação, é, segundo eles, uma coisa positiva. Não sei bem quanto a isto. Faz-me lembrar o meu professor de Marketing que quando ia a restaurantes fast-food deixava o tabuleiro na mesa porque dizia que ao entregar ele o tabuleiro estava a roubar o lugar a um empregado que poderia satisfazer essa necessidade. Parece uma resposta um bocadinho espertalhona.

No entanto, de acordo com a minha própria experiência, já houve alturas em que eu estive a adiar as coisas para algo que acabou por se tornar uma boa razão.

Uma vez fiquei de enviar para um potencial cliente uma proposta de valor considerável que envolvia uma estratégia total de reformulação do website e geração de leads. Na altura concordámos com os requisitos que estavam dentro do âmbito do projeto e eu mencionei-lhe que lhe iria enviar o contrato em X dia. À medida que o prazo limite para entrega se estava a aproximar, eu parece que fazia tudo menos fazer e enviar a proposta-contrato.

Fiz uma introspeção a mim próprio e perguntei: porque é que estou a evitar isto? Porque é que estou a procrastinar?

Cheguei à conclusão que não queria trabalhar com o cliente. O aspeto financeiro era interessante, mas o projeto não me apelava. E por outro lado eu parece que sentia que algo não se estava a passar bem, que o cliente era o tipo de pessoa com o qual seria difícil de vir a trabalhar conjuntamente. Isto não é fácil de explicar mas é algo que se vai adquirindo com a experiência. Entretanto, contactei o prospeto e disse que não o poderia ajudar, rejeitando assim o projeto. Como é óbvio, comuniquei isto duma forma mais elaborada, mas foi basicamente essa a ideia que foi transmitida.

Aconteceu algo semelhante quando precisava de me colocar em parceria com alguém que iria fazer um serviço para um dos meus potenciais clientes em regime de sub-contratação. Fiquei com uma primeira boa impressão, mas à medida que eu ia pensando no projeto, parece que algo não batia certo e dei por mim a adiar e procrastinar. Acabou por ficar sem efeito e não avançar para a frente.

Com isto quero transmitir que quando estás a procrastinar fazer alguma coisa, não quer dizer que isso seja uma coisa que seja necessariamente negativa. Muitas vezes pode ser, sim, e tens de resolver seja o que for que te esteja a adiar fazer alguma coisa. Mas noutras situações, aquilo que parece procrastinação é na realidade algo diferente. É um conjunto de pequenas vozes ou partes dentro de ti que te estão a lançar um sinal de alerta de que é melhor reconsiderares o que estás a fazer.

Se sentes dificuldades com procrastinação em relação a alguma coisa, então esse conselho não é para ti, não o uses como desculpa. Em vez disso deverás de endereçar o teu problema. Eu presto consultoria para freelancers e empreendedores.

Mas se, regra geral, és uma pessoa relativamente produtiva, e dás por ti a procrastinar em tarefas muito específicas ou certas decisões, talvez seja bom refletires um bocado e ponderares nessas pequenas vozes ou partes dentro de ti. Poderás não estar a procrastinar, de todo.

7 Perguntas para fazer a ti próprio para fechares o ano em grande

7 perguntas para fechares o ano em grande

E para começares o próximo ainda mais forte

O tempo é a nossa comodidade mais preciosa, e uma das coisas mais desafiantes que temos que gerir, tendo em conta o mundo de hoje em dia e a frenética dos nossos afazeres.

ampulheta de tempo com símbolo euro

É importante que saibamos lidar com o tempo para que o tempo saiba lidar connosco. Não parece às vezes que o “tempo passou a correr”?

Num artigo da Pscychology Today, a perceção do tempo é explicada assim:

A melhor explicação para este fenómeno é que a nossa juventude está repleto de primeiros acontecimentos que ocorreram pela primeira vez – o primeiro namoro, o nascimento do bébé, a primeira grande viagem, etc. Estas primeiras ocasiões são novidade, e nós estamos mais propensos a associar memórias mais profundas e detalhadas delas. Quando repetimos a ocasião, ano após ano, é menos provável que ela se torne um acontecimento único ou memorável.

mealheiro de barro de porco por cima de relógio

A perceção de tempo pode enganar, mas também pode ser altamente recompensadora. Podemos abrandar o ritmo ao qual o tempo passa ao tirar partido de experiências únicas, viver mais no presente, ter uma perspetiva otimista e usar o tempo de forma mais sensata.

Enquanto fechamos o ano e começamos outro, fazer um apanhado do que fizemos permite-nos saber o que fizemos e para onde vamos. Nem tudo funcionou da maneira que quisemos, e outras funcionaram melhor do que planeadas.

Pergunta-te a ti próprio estas 7 questões enquanto fechaste o ano de 2012 e começas agora o de 2013.

1. Estou no bom caminho?

Se não estás a fazer aquilo que gostas (ou que pelo menos suportas), é difícil manteres-te motivado, consistente e congruente contigo próprio. Encontra as tuas paixões e tenta encontrar uma forma de as conseguires integrar na tua vida de forma produtiva. Vai sempre haver tempo para fazeres coisas que não gostas, não te preocupes com isso.

2. Quão bem é que as coisas estão mesmo a funcionar?

Tu não comes iogurtes estragados pois não? Se tens muitos no frigorífico, vais vendo a data de validade e vais comendo (ou não) aqueles que te apetecem conforme estejam bons para consumo.

Verifica como é que as coisas estão a correr, tu, os teus projetos, as tuas coisas. Confia nos teus instintos e junta-lhe uma pitada de senso comum e inteligência.

3. Os meus relacionamentos são mutuamente benéficos?

Família é importante. Assim como amigos e colegas. Todos os nossos relacionamentos deste género costumam ser duradouros. Se não existe mutualidade e confiança nos teus relacionamentos, individuais ou profissionais, talvez seja altura de acabar com eles ou torná-los melhores.

4. Como posso melhorar a minha gestão de tempo e organização?

Estabelecer prioridades, organizar e criar blocos de tempo é a única maneira e controlar o que fazemos e porque o fazemos. Dá uma olhada nas minhas dicas de como ser mais produtivo em 2013 porque tenho lá algumas dicas em como usar bem o tempo.

5. Como melhorar a minha marca, o meu marketing, as minhas redes?

Dá uma olhada nos teus materiais de marketing ou gráficos e na tua mensagem, como é que estás a comercializar o teu negócio ou a ti próprio, e como é que estás a gerir as tuas interações cara a cara e as tuas atividades de marketing? Estás a tirar bom partido e a conhecer pessoas ao vivo e a interagir com elas online?

6. Do que é que eu estou orgulhoso neste momento?

Fazer um ano em análise não é só sobre aquilo que está errado ou requer melhoria, é também sobre as coisas que fizemos e concretizámos face aos desafios e obstáculos que tivemos.

7. Quais 5 coisas tens intenção de realizar em 2013?

Uma intenção é uma coisa dinâmica e fluída, é pensar no que queremos que aconteça nas nossas vidas. As típicas resoluções de Ano Novo são algo rígidas e frígidas para mim.

Faz uma lista realística de 5 intenções que tenhas e o que queres que aconteça em 2013. Prepara-te e faz com que elas aconteçam. Orienta os teus esforços na direção na qual queres que as coisas aconteçam. Elabora, planeia, prepara, aponta, e faz.

  • A mudança acontece
  • Anticipa a mudança
  • Supervisiona a mudança
  • Adapta-te para mudares rápidamente
  • Muda
  • Aproveita a mudança
  • Prepara-te para mudar rápidamente quantas vezes forem precisas

Que coisas podes fazer para acabar o ano em força e começar um novo ano ainda mais forte?