Como fazer testes de divisão no Facebook

Testes divisão anúncios Facebook

Neste vídeo mostro como fazer split testing (testes de divisão) para que o Facebook lhe diga qual os anúncios que têm melhor resultado.

HEY. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo

Neste vídeo vou-lhe mostrar como deixar que seja o Facebook a dizer-lhe quais é que são os seus conjuntos de anúncios que têm melhor resultado.

Olá, o meu nome é João Alexandre e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

Então, vai ao seu Gestor de Anúncios e seleciona por exemplo o objetivo de campanha de Conversões. Vai selecionar a opção de Criar teste de divisão, e vai clicar em Continuar.

Aparece aqui uma secção chamada a secção variável. E nesta secção podemos testar 3 coisas. Podemos testar a Otimização de publicação, o Público ou o Local de publicação.

A Otimização de publicação é testar se é para conversões, cliques na ligação ou impressões. O Público é testar diferentes tipos de público, e o Local de publicação é testar se é para computador, para telemóvel, etc.

Nós vamos testar para Otimização de publicação.

Aparece uma secção aqui em baixo, e nesta secção de Otimização de publicação que é a variável, nós temos 2 conjuntos de anúncios que o Facebook criou por nós: o conjunto de anúncios 1 e o conjunto de anúncios 2.

Então o que eu vou fazer é otimizar o conjunto de anúncios 1 para Conversões, portanto, deixar como está, e otimizar o conjunto de anúncios 2 para Cliques na ligação.

O que é que isto vai fazer? Isto vai fazer com que o Facebook mostre o mesmo anúncio, mas para 2 conjuntos de anúncios, no qual um está otimizado para Conversões, e o outro está otimizado para cliques na ligação.

O Facebook depois vai-nos dizer qual é o conjunto de anúncios que está a ter melhores resultados.

Pode vir aqui à secção do Orçamento, e vai reparar que pode dar um orçamento para cada um do conjunto de anúncios.

Por prédefinição, o conjunto de anúncios 1 tem 50% do seu orçamento, e o conjunto de anúncios 2 tem os restantes 50%, mas você pode mudar isto de divisão uniforme para divisão ponderada, no qual pode alocar mais ou menos orçamento para um ou para outro.

O Facebook é malandreco, e meteu um orçamento de 800 euros, mas você pode meter o orçamento que você quiser.

Pode meter por exemplo €50, e vai reparar que o conjunto de anúncios está agora atribuído a 25 euros, e o conjunto de anúncios 2 está atribuído a outros 25 euros.

Isto quer dizer que o Facebook vai usar metade do orçamento para mostrar um anúncio, e a outra metade do orçamento para mostrar o outro anúncio.

Espero que este vídeo tenha sido útil: Goste, deixe um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que o possa ajudar no seu negócio. Obrigado.

4 Táticas para captar leads com anúncios

No meio de trabalho para clientes e as minhas sessões de coaching, tenho passado cada vez mais tempo a analisar relatórios (poupa-se muito dinheiro quando se sabem analisar as coisas).

Há algumas tendências que vejo aparecerem em várias das contas que faço gestão, mais algumas táticas que funcionam bem para captar leads/emails para a sua lista, e achei por bem partilhar isso consigo neste artigo.

Vamos lá às 4 táticas.

Eis então 4 táticas que estão a funcionar bem (agora) no que toca a usarmos os anúncios Facebook para captar leads e crescer a sua lista de emails:

  1. Aborde cada campanha como se fosse completamente diferente das anteriores
  2. Os anúncios funcionam quando oferece algo que as pessoas QUEREM mesmo.
  3. Teste tanto Tráfego como Conversões como o seu objetivo ao princípio duma campanha.
  4. Após encontrar a combinação perfeita de público e anúncios, expanda os seus resultados ao duplicar o conjunto de anúncios.

Tática 1: Aborde cada campanha como se fosse completamente diferente das anteriores

Já vi isto muita vez: as pessoas vão reativar anúncios que tiveram bons resultados alguns meses atrás, e agora ficam pasmadas com custos elevados.

Isto acontece aos “prós” também. Estou neste momento a debater-me com isto para um dos meus clientes. Ela costuma ter leads a €1, agora estamos a ter €1.5 (para o nicho de mercado dela ainda é bom, mas eu quero que ela consiga um custo ainda mais barato).

Então o que mudou?

Boa pergunta.

No caso da minha cliente, que tem mais do que uma landing page, o CPM (custo por mil impressões) é alto na maioria delas. Isto significa que está a custar mais fazer com que o anúncio seja visto.

Estes anúncios têm boas taxas de clique, boas pontuações de relevância e boas conversões nas landing pages.

Então qual é o problema?

O problema é que cada clique num link custa mais devido ao elevado CPM (custo por mil impressões), o que significa que cada lead que obtemos também vai custar mais.

Alto CPM e alto custo por lead

Se em todas as minhas campanhas ou dos meus clientes eu estivesse a ver CPMs elevados deste género, eu diria que é o malandro do Facebook que está a aumentar os preços para que os seus anúncios sejam vistos.

Mas não. É só nesta campanha. O que significa que estes anúncios não estão a funcionar bem, e temos de encontrar uma nova estratégia para captação de leads.

Só porque estes anúncios estavam a funcionar bem alguns meses atrás não é garantia de nada. Verifique se as suas expectativas são realistas.

Se os seus anúncios estão a funcionar bem agora, não os desative. Deixe-os correr a um orçamento que consiga investir, e preste atenção em como essas leads se estão a converter em clientes (pode saber como medir o ROI a longo prazo neste artigo).

Pode não ter sempre grandes resultados numa altura posterior, portanto aproveite agora se estiver a funcionar bem.

Tática 2: Os anúncios funcionam quando oferece algo que as pessoas QUEREM mesmo.

Isto pode ser difícil de engolir, mas é importante perceber.

Se os seus anúncios de captação de leads não estão a funcionar bem apesar de ter testado vários públicos e criativos dos anúncios, é possível que as pessoas não querem a sua oferta.

Eu estou no mercado B2B, ou seja, eu ajudo marcas e empreendedores desde 2010. Estou a fazer anúncios online (Google, Facebook e outros) desde 2011.

Em 2011 não havia conteúdos/treino gratuito sobre anúncios, portanto era facílimo ter pessoas a inscreverem-se na minha lista.

Havia ainda menos empresas B2B online na altura. Mas hoje, não dá para fazer scroll no Facebook ou Instagram sem ver uma carrada de anúncios a pedir pelo seu email em troca de algum freebie.

Um endereço de email pode parecer pouco. Mas você e eu sabemos o que acontece quando me inscrevo para receber a sua oferta: sou adicionado à sua lista. Recebo emails seus que atafulham a minha caixa de correio, poderá tentar vender-me o seu produto ou serviço depressa demais, chateando-me e perdendo-me como subscritor.

Se não está no mercado B2B, parabéns. As pessoas que está a tentar atingir estão provavelmente menos expostas a táticas de online marketing que o empreendedor típico. Isto significa que terá, provavelmente, maiores CTR (taxas de clique), CPMs mais baixos e leads mais baratas no geral.

Se é uma empresa ou empreendedor(a) B2B como eu, tem duas opções no que toca a campanhas de captação de leads:

  1. Aceita o facto de que leads de qualidade da sua oferta vão provavelmente custar-lhe +€1 ou +€2 daqui para a frente, ou
  2. Criou uma oferta que as pessoas QUEREM mesmo, mesmo, mesmo.

No caso de precisar de ser lembrado(a) disto, eis o que um(a) empreendedor(a) precisa MESMO:

  • Mais dinheiro
  • Mais clientes (ou melhores clientes)
  • Mais tempo (fazer mais em menos tempo)
  • Mais popularidade
  • Mais férias/viagens (precisa de tempo e dinheiro)
  • Mais confiança (porque nem todos somos super otimistas)
  • Mais tráfego (que significa mais clientes e dinheiro)
  • Mais subscritores (significa mais clientes e dinheiro)
  • Mais claridade sobre como expandir o seu negócio (mais dinheiro e mais confiança)
  • Instruções passo a passo para detalhes técnicos (mais confiança)
  • Templates ou guias (mais confiança, tempo, dinheiro)
  • Mais apoio (mais confiança e dinheiro)

Você precisa de saber exatamente o que o seu público QUER e PRECISA.

Qual é a dor deles?

É importante saber isto porque lhe diz quais são os problemas deles para que os possa resolver na forma dum freebie (PDF gratuito) que lhes dê um momento eureka ou “a-ha”.

Olhe para o seu lead magnet e pense “Será que as pessoas pagariam para ter isto que estou a dar?”

Se a resposta é não, está na altura de arranjar um novo lead magnet ou uma nova abordagem de captação de leads.

Eis alguns anúncios de captação de leads de que gosto porque “tocam na ferida” para um problema que a dita oferta vem resolver:

Anúncio WorkCast oferecendo um ebook para saber fazer Webinars
Anúncio WorkCast.

Anúncio Amy Porterfield para inscrever num webinar que mostra como vender um curso online
Anúncio Amy Porterfield

Anúncio HubSpot para quem precisa duma CRM gratuita
Anúncio HubSpot

Anúncio ActiveCampaign oferecendo um ebook para saber como fazer Lead Scoring
Anúncio ActiveCampaign

Tática 3: Teste Tráfego e Conversões como o seu objetivo no início da sua campanha

“Fulano disse-me para usar Conversões.”

“Sicrano disse-me para usar Tráfego.”
A
“Outro disse-me para fazer XYZ…”

Há muitos experts por aí a ensinar coisas sobre anúncios Facebook, e regra geral, gosto de acreditar que são pessoas que têm valor acrescentado para dar.

Não interessa aquilo que é dito como “a maneira certa”, porque no que toca aos anúncios Facebook, não há uma maneira certa. Tudo o que faz é um teste.

Eis uma lista de captação de leads que eu faço para mim e para os meus clientes. Só precisa de 10 minutos adicionais para fazer isto da próxima vez que for correr os seus anúncios.

  1. Crie uma campanha e escolha Conversões como Objetivo.
  2. Crie os seus conjuntos de anúncios e anúncios como normalmente faz. Faça pelo menos 2, para testar diferentes públicos.
  3. Crie uma NOVA campanha e escolha Tráfego como o seu objetivo.
  4. Duplique os conjuntos de anúncios da campanha de Conversões, e selecione a sua campanha de Tráfego para onde quer estes conjuntos duplicados vão.
  5. Vá aos NOVOS conjuntos de anúncios e na secção de Otimização e publicação, para cada um deles, selecione Cliques na ligação.
  6. Publique ambas as campanhas

Quando fizer este teste, estará a gastar o dobro do montante do que se estivesse a correr apenas uma campanha.

Mas ao fim de 48 horas, irá ver um vencedor, claramente: uma dessas campanhas vai-lhe dar mais subscritores (leads) do que a outra. Desative a campanha com as conversões mais caras.

Não siga cegamente os experts: teste de formas diferentes e use aquilo que funciona melhor.

Tática 4: Após encontrar a combinação perfeita de público e anúncios, expanda os seus resultados ao duplicar o conjunto de anúncios.

Expandir os seus resultados pode ser complicado. Se quer aumentar o orçamento dum conjunto de anúncios que está a ter bom desempenho, faça-o lentamente: aumente 5% diariamente.

Se aumentar mais depressa do que isso vai desregular o algoritmo do Facebook, e ele não irá mostrar o seu anúncio com eficácia para as pessoas mais propensas para tomar a ação que quer que tomem (subscrever, venda, divulgação da marca).

Mas uma forma mais rápida de fazer isto é duplicar o tal conjunto de anúncios que está a ter bom resultado, não mudar nada e publicá-lo.

Sim, irá ter dois conjuntos de anúncios mostrando os mesmos anúncios ao mesmo público, mas se os seus públicos são centenas de milhares (ou milhões), então haverá pouca sobreposição.

Vá vendo os resultados atentamente. O novo conjunto de anúncios nem sempre tem melhor desempenho que o original, portanto verifique se e quando valerá a pena desativá-lo.

E é isto.

Agora ide e triunfai 🙂

13 Hacks para divulgar a sua marca e ter mais leads

Brand awareness

Tem havido (felizmente) uma mudança de foco de métricas de vaidade (como Gostos, etc.) para conversões puras e duras.

Quer manter as leads a entrarem e as pessoas a tomarem constante conhecimento seu, ou seja, a chegar a pessoas que ainda não sabem que a sua marca existe.

Eis 13 dicas para ter mais exposição e gerar confiança com pessoas que ainda não o conhecem, para divulgar mais a sua marca e acelerar a sua geração de leads.

Mas antes disso, uma pergunta:

Porque é que os seus anúncios Facebook não lhe dão os resultados que quer?

rapariga meia confusa

A maioria das pessoas parte do princípio que é por causa da landing page que é fraquinha, tem mau design, ou é a oferta que não é relevante, ou é o público mau segmentado, etc.

Sim, o design da sua landing page e o seu apelo à ação pode contribuir para esse problema. Mas pode não ser esse o verdadeiro problema.

O seu problema pode estar no topo do seu funil, ou seja, quando um visitante se converte em lead.

Nós queremos que as pessoas continuem a entrar no nosso funil, convertendo-se em leads e depois em clientes.

Leads em clientes

Para que isto aconteça, é necessário dar a conhecer a nossa marca às pessoas, para que as leads estejam sempre a entrar.

É por isso que, muitas vezes, apesar dos seus melhores esforços, as suas conversões são más, porque ninguém sabe quem você é ou o que faz.

Eis uma razão porque não investir em anúncios de perceção da sua marca irá prejudicar a sua geração de leads – e como emendar isso para que possa ter maior retorno.

O problema do Google

“Então estamos num artigo sobre Facebook e pões-te a falar no Google?”

Calma.

As pessoas vão ao Google para encontrar alguma coisa específica. Vão lá para comprar alguma coisa específica.

Google vs Facebook

Mas não é assim o que o Facebook funciona. As pessoas não vão ao FB para comprar. Elas vão lá para se entreter, falar com os amigos, família, chatear os ex-namorados e ver vídeos de gatinhos.

As pessoas descobrem os seus anúncios no Facebook da mesma forma que encontram outras coisas: ao tropeçar neles.

O seu anúncio chama-lhes à atenção e interrompeu-os tempo suficiente para que prestassem atenção a ele.

Ok, você já tem a atenção deles. Esta é uma péssima altura para tentar vender-lhes alguma coisa (se for um público frio, que não conhecem a sua marca).

Um anúncio a puxar pela venda que funcionasse no Google seria demasiado “vendedor” se feito no Facebook.

Nas redes sociais, não podemos pedir a um estranho para comprar o nosso produto ou serviço logo ali. Tem de haver um “namoro” antes do casamento.

Por isso, as suas campanhas de perceção da marca, devem ter apenas um propósito: criar públicos personalizados o mais rapidamente possível.

Estas campanhas não são para vender. São para levar as pessoas para dentro do seu funil de marketing no Facebook o quanto antes. E tudo começa com uma simples visita ao seu site ou interação com a sua página.

Públicos personalizados
Campanhas de perceção da marca têm um objetivo: público personalizado

Existe ainda outro benefício ao darmos prioridade a campanhas de retargeting desta forma. Ter pelo menos uma campanha por etapa do seu funil ajuda a familiarizar as pessoas cada vez mais consigo e com a sua marca.

Uma boa definição do seu público vai-lhe dar um custo por clique mais baixo, porque o seu anúncio ao ser relevante para eles, o Facebook aumenta-lhe a Classificação de relevância, baixando o custo.

Boa classificação de relevância baixa custo por clique

Nada mau certo?

Quanto maior é a nossa “pontuação”, esta Classificação de relevância, mais baixo é o custo por clique e mais alto é a taxa de cliques.

Vamos então saber como criar uma nova campanha de perceção de marca para começar a trazer mais pessoas para o topo do seu funil para se converterem em leads.

Antes disso, uma pequena nota…

perceção da marca e interesse estão intimamente ligados. Não é só se alguém conhece ou não a sua marca, é se a sua marca lhes interessa pessoalmente a eles ou não.

Pode usar isto para a sua vantagem ao definir dois tipos de públicos: um público com base em interesses no Facebook e outro com base nos seus atuais contactos, clientes e/ou base de dados para ter uma ideia de outros públicos a atingir.

Após atingir estas pessoas com os seus anúncios, então aí é que irá criar públicos personalizados (das pessoas que viram os seus anúncios de perceção da marca).

Vamos lá então começar.

Perceção da marca: 13 Dicas Ninja


1. Comece com dados demográficos

Provavelmente você vende diferentes tipos de produto e serviços a diferentes pessoas.

Isto significa que terá alguns segmentos de clientes diferentes. Precisa de criar buyer personas para cada tipo de público. Por exemplo, criar uma “Maria Marketer” ou uma “Ana Administradora”, porque assim tem uma ideia do tipo de público a definir quando pensar nestas pessoas.

Pode logo começar com uma ferramenta do próprio Facebook que se chama Estatísticas do Público

Estatísticas de Público
Estatísticas de Público dão-nos dados demográficos sobre as pessoas

Isto vai dar-lhe informação sobre o sexo, idades e locais destas pessoas.

Assim pode tirar algumas conclusões, como por exemplo, de que forma é que homens e mulheres são diferentes a nível de poder de compra e de hábitos de compra?

O Google Analytics também lhe dá dados demográficos quando o ativar nos relatórios.

Ativar dados demográficos no Google Analytics
Aceda aos Dados demográficos no Google Analytics para saber idade e sexo das pessoas

Ter dados demográficos é bom, mas não chega.

A verdadeira forma de perceber aquilo que os seus potenciais clientes querem é saber quais os seus medos e desejos. Só assim irá conseguir vender a sua solução, o seu produto.

Por isso precisa de mais informação, que irá obter em conversas com os seus clientes.

Elah…

“O quê, tenho de falar com os meus clientes? Que chatice”

Em teoria, você pode enviar um questionário a clientes ou à sua base de dados por email para saber os interesses deles.

Existe até um serviço do Google chamado Google Consumer Surveys, em que paga por cada inquérito respondido.

Google Surveys
Faça poucas perguntas para ter mais respostas.

Com isto, irá ter alguma boa informação sobre cada persona. Agora está na altura de econtrar estas pessoas no Facebook.

2. Descubra interesses dos seus Persona

Precisamos saber onde é que estas pessoas estão no Facebook.

A segmentação com base nos Interesses, no Facebook, permite-nos encontrar coisas tão genéricas como futebol, ou específicas como Anatomia equina (a sério, existe).

Mas isso não é lá muito útil, porque poderá vir a encontrar centenas de milhares de pessoas, quando o seu buyer persona (o seu potencial cliente) é apenas uma pequena porção deles.

O Facebook no entanto está aqui para ajudar, e permite refinar a sua busca ao selecionar fãs de outras marcas, bloggers e figuras públicas.

Isto dá duas vantagens:

  1. Encontra um conjunto de pessoas que pensam da mesma forma;
  2. Encontra potenciais parceiros para mais tarde

Mas onde começar se você não conhece muitas marcas no seu segmento de mercado?

Vá ver quem já está a fazer publicidade no seu segmento de mercado, ou quem aparece nas pesquisas do Google ou mesmo na Amazon.

Suponha que você quer vender a pessoas que gostam de atividades ao ar livre. Gostam de andar/correr, andar de bicicleta, ou simplesmente ar livre.

Pode começar por procurar por revistas com base nesses interesses; pode ir ao Google e à Amazon pesquisar por calções de exercício, que é um produto que estas pessoas provavelmente precisam.

Uma meia horinha a fazer esta pesquisa irá dar-lhe dezenas de marcas e nomes de empresas.

Com isso pode começar a criar um público guardado no Facebook ao pesquisar por estas marcas e revistas que este tipo de pessoas pode gostar.

Público guardado Men's Health
Procure por nomes de marcas e revistas para saber quem tem interesse nelas.

3. Faça com que estas pessoas se auto-filtrem

Vender para vários tipos de personas pode ser complicado porque as pessoas são complexas e têm variados tipos de interesses.

Por isso precisa de um público por cada interesse, porque se misturar vários tipos de interesse no mesmo público, as coisas podem correr mal com os seus anúncios.

Um bom truque é fazer com que as pessoas se filtrem a elas próprias. Isto é algo que vemos em páginas de preços de alguns websites ou mesmo na página de serviços, como é o caso desta página da E-goi, que filtra por tipo de cliente (empresa, agência, etc.).

Soluções E-goi
Soluções da E-goi conforme o tipo de cliente (empresa, agência)

Pode com isto obter informação da pessoa com base no plano que selecionaram, que página viram, onde é que clicaram, para saber que tipo de público e serviço lhes interessa mais.

Isto é um pouco mais complicado, mas pode testar isto em escala pequena com posts orgânicos, seja no Facebook ou no seu blog.

Por exemplo eu posso criar um post ou artigo sobre anúncios Facebook, outro sobre anúncios Adwords, e outro sobre bots do Messenger e ver quais têm mais interação.

Assim posso saber qual o tema que teve mais sucesso, porque é nesse que me irei focar para criar mais conteúdo, ou oferecer serviços com base nesse interesse.

4. Encontrar o tamanho certo do seu público

Campanhas de perceção de marca convêm ter um bom tamanho do público, nem muito vasto nem muito específico.

Se o seu público for muito vasto, irá estar a gastar dinheiro para atingir pessoas genéricas.

Se o seu público for muito pequeno, não irá chegar a pessoas suficientes para as converter mais tarde em leads, e depois em clientes.

O ideal é começar com um tamanho de 100000 a 500000.

Ao princípio, comece a adicionar interesses e nomes das marcas ou revistas que encontrou num ponto anterior para crescer essa lista até 500000 pessoas.

A partir daí, vai começar a refinar o seu público para reduzir este tamanho ao acrescentar exclusões.

Voltando ao exemplo do desporto e exercício ao ar livre. Queremos chegar a estas pessoas, mas apenas aquelas que podem comprar os nossos calções, que estamos a vender por €50 (porque são calções espetaculares que vão ficar na moda).

Infelizmente em Portugal não conseguimos segmentar para pessoas por salário, porque se pudéssemos iríamos excluir pessoas que ganham pouco dinheiro.

Mas podemos fazer de outra forma. Vamos adicionar exclusões para pessoas que têm o ensino secundário incompleto, partindo do princípio que estas pessoas poderão não ter meios suficientes (ou vontade) para investir em calções de €50.

Incluir e excluir pessoas
Interesses aumentam o seu público, exclusões diminuem-no.

Continue a refinar este público ao selecionar mais interesses ou acrescentar mais exclusões para encontrar ali um tamanho certo.

Pode ter de repetir isto várias vezes se tiver várias personas (Maria Marketer, Ana Administradora, Geraldo Gestor, etc.), ou se for testar públicos similares um contra o outro.

5. Divulgue que nem um gigante

Há muita concorrência. Toda a empresa quer chegar ao maior número possível de pessoas

O anúncio da empresa Under Armour “Rule Yourself”, em que usou o Michael Phelps, tornou-se um dos vídeos/anúncios mais partilhados duma marca.

A parte mais interessante neste anúncio é que não aparece nenhum calção, não aparece nenhum produto da Under Armour no vídeo, ou pelo menos se apareceu, eu não reparei.

O propósito deste anúncio é despertar emoção nas pessoas. Num inquérito, a maioria das pessoas que viu este anúncio disse que se sentiu inspirada, orgulhosa e com vontade de batalhar.

Anúncio Under Armour com Michael Phelps
Anúncio Under Armour com Michael Phelps

Este vídeo foi feito por uma empresa com um bom orçamento, que pagou bem pelo vídeo e pela presença do Michael Phelps.

Mas não precisamos de ter um orçamento milionário para colher os mesmos benefícios.

As campanhas de perceção de marca não são para vender nada. São para dar a conhecer as pessoas à sua marca. As vendas veem depois quando fizer anúncios retargeting para os públicos personalizados que for criar mais tarde.

O objetivo é só chegar ao maior número de pessoas (fazendo parte do seu tipo de cliente) para conseguirmos ter um conjunto de pessoas para criar um público personalizado com elas.

Se os seus anúncios puderem despertar emoções nas pessoas desta forma, vai ser lembrado por elas e partilhado.

Os seus fãs vão fazer a publicidade por si, e depois pode adicionalmente atingir os amigos destes. Porque nós somos mesmo espertos 🙂

6. Toque na ferida

Anúncios que despertam emoções podem nem sempre funcionar bem.

Existe um outro tipo de motivador que funciona bem para as vendas. E ele é “mexer na ferida” ou dar uma “ilusão do que é possível”.

Por exemplo, este anúncio da Hubspot é orientado para marketers e responsáveis de vendas, em que “mexe na ferida” de que é difícil obter vendas.

Anúncio HubSpot
Identifique o problema antes de vender a solução.

Muitos responsáveis de marketing e do departamento de vendas têm uma quota a cumprir, e não a cumprindo podem ter repercussões.

Ao mexer na ferida de que têm um problema de poucas vendas, eles agitam o problema e oferecem uma solução, que vai ser conhecida quando clicarmos.

Note como o foco do anúncio não é a ferramenta em si, porque este anúncio é para as pessoas se familiarizarem com a Hubspot. Para pessoas que já conhecem a Hubspot (pessoas a meio do funil), poderiam fazer um anúncio a mostrar o uso da ferramenta.

Em vez disso, eles focam-se no problema. Eles fazem com que a pessoa sinta aquela dor. A solução pode não ser a ideal para todas as pessoas, mas quem estiver no mundo do marketing e das vendas consegue ter uma certa empatia com o anúncio e com a emoção da pessoa no anúncio.

7. Conteúdo promovido por influencers

Mais de 90% das pessoas confiam em conteúdo quando aparece uma personalidade, uma figura pública, um influencer (não tem de ser um anúncio, pode ser um post feito por uma pessoa famosa).

A Prozis, uma marca que vende suplementos online, patrocina personalidades famosas como o Bruno Salgueiro, conhecido YouTuber e dono da página Dicas do Salgueiro.

Neste post podemos ver que ele está a promover um produto da Prozis através do uso dum cupão com o nome dele.

Post Dicas do Salgueiro sobre Prozis

Isto é ótimo, só que o problema com isto é que 1) pode ser caro e 2) difícil de medir.

Existe uma forma de atenuar este problema porque o Facebook tem uma opção chamada “Conteúdos de Marca”, que pode ser um post orgânico ou pago.

Por exemplo, a página StyleNow Feed fez este post e identificou a empresa Jasper’s Markets como parceiro neste post de conteúdos de marca. Depois o Jasper’s Market partilhou e promoveu o post como anúncio.

Post/anuncio Conteúdos de marcas.

Até pode usar serviços como o ShortStack para criar concursos e sorteios por cada público de cada influencer para chegar a mais pessoas.

8. Patrocínios de eventos

A melhor forma de chegar ao seu tipo de cliente ideal? É fazer com que os amigos dos seus buyer personas façam isso por si.

É por isso que o conteúdo de marca, que é promovido por as tais pessoas famosas funciona tão bem (como vimos na secção anterior, na dica #7), porque estamos a dar um incentivo às pessoas que o conhecem para mostrar a sua mensagem a outras.

É essa a beleza dos anúncios em redes sociais como o Facebook.

Ao fazer estes anúncios, as suas impressões e alcance estão a ser amplificadas. Está a ter impressões orgânicas (gratuitas) e alcance em cima de quaisquer anúncios que vá fazer.

Aplique isto ao mundo offline.

Pense em patrocínios de eventos. Está a pagar para ter acesso a um grande conjunto de pessoas que partilham os mesmos interesses.

Pode levar isto a outro nível.

Por exemplo, pode criar um grupo Facebook com os seus influencers como administradores.

Grupo facebook

Até pode pedir aos seus influencers (porque lhes está a pagar) para eles montarem um stand nesse evento e atenderem as pessoas.

Porque estou a insistir em eventos offline?

Porque as pessoas precisam de cerca de 7 pontos de contacto (ou mais) antes de comprarem alguma coisa de si.

Um ponto de contacto pode ser email, outro um anúncio, outro na vida real, etc.

Fazer só uma campanha de anúncios não chega. Precisa de fazer follow up com as pessoas, várias vezes, com texto diferente, para eventualmente conseguir captar a lead e gerar uma oportunidade de venda.

Esta dica #8 reúne algumas das dicas anteriores, porque é uma grande campanha, que aproveita “os amigos dos amigos”, tirando partido do poder dos influencers.

Depois pode criar todo o tipo de anúncios de perceção de marca para eventos no Facebook, usando urgência e outras táticas de persuasão para aproveitar o interesse que a pessoa tem no evento para que ela compre o seu primeiro produto ou serviço seu.

9. Atinja mais pessoas com menos custos

Atingir mais pessoas com menos custos é o que todos nós queremos. Pode fazer isto com anúncios para móveis.

Você não deve querer fazer publicidade em todo o lado. Quer é promover a sua marca em sítios que fazem mais sentido para si.

Se anúncios que faz no Facebook em que o local de publicação é o desktop (computador) são caros, então experimente mais os anúncios móveis e os anúncios da coluna da direita.

Cada vez mais pessoas navegam pela internet em móveis, mais do que em computadores.

A maioria desse tempo a navegar é feito no Facebook através da app. É por isso que é o Facebook é o sítio ideal para chamar a atenção das pessoas que lá vão quase todos os dias.

As pessoas podem não comprar o seu produto diretamente a partir do telemóvel, mas note: elas podem descobrir o seu produto no telemóvel, e comprar no dia seguinte quando estiverem no computador.

Por isso, nos móveis, vá à procura do clique, não da venda.

O seu espaço é limitado e o tempo é curto. Use texto e imagens no criativo do seu anúncio de forma sucinta e clara, para ser apelativo às pessoas de clicarem. Depois pode-lhes fazer retargeting.

Eis o guia de recomendações para anúncios para telemóveis do próprio Facebook.

Guia recomendações anúncios móveis

10. Gere mais interação com anúncios Canvas

Imagens animadas e vídeos chamam mais à atenção do que só texto ou imagens estáticas.

É aqui que entram os anúncios Canvas.

Este tipo de anúncios é para dispositivos móveis e são mostrados em tela cheia.

Exemplo de anúncio Canvas
Anúncios Canvas para telemóveis

Enquanto no desktop as pessoas normalmente veem apenas 25% do seu vídeo (ou menos), de acordo com um estudo, a maioria dos utilizadores no Facebook vê anúncios de Canvas no seu telemóvel de pelo menos 50%.

Há mais interação, mais tempo a ver o anúncio, porque ele é interativo, a pessoa pode visualizar partes do anúncio ao deslizar e tocar com o dedo.

É uma boa forma de apresentar as pessoas à sua marca porque é justamente a interatividade deste tipo de anúncio que faz com que a pessoa pare e preste atenção ao seu anúncio quando está entretida no Facebook.

11. Anúncios da coluna da direita

Normalmente não faço anúncios Facebook na coluna da direita.

No entanto, eles podem ser bons para as pessoas que já interagiram com a sua marca pelo menos uma vez.

Use boas imagens e tipografia alinhada com a sua marca/logótipo para dar bom destaque ao seu anúncio, como neste exemplo da ActiveCampaign, uma plataforma de email marketing que eu uso.

Anúncio coluna da direita.
Anúncio da coluna da direita duma empresa de email marketing

Mas é preciso prestar atenção a uma coisa.

Os anúncios na coluna da direita são apenas para desktop e são mais pequenos do que aqueles que aparecem na feed de notícias do Facebook.

O que isto significa é que convém criar um anúncio à parte mesmo só para a coluna da direita, porque aquilo que funciona na feed de notícias pode não funcionar na coluna da direita (não se conseguir ler o texto por exemplo).

2 anúncios da coluna da direita.
Cuidado com o texto que pode ser difícil de ler na coluna da direita.

Não tente vender nos anúncios da coluna da direita. Porque mesmo que quisesse, iria ser um anúncio ilegível ou com o texto pequenino.

Os anúncios da coluna da direita são bons quando conseguem passar a mensagem apenas com uma imagem.

Isto torna-se mais eficaz se a pessoa já reconhecer a sua marca. É isto que faz a AppSumo, uma empresa que lista ferramentas com descontos no site dela

Anúncio coluna da direita
“Nunca mais pague por software” é um título forte.

12. “Grátis”

Se há palavra mais potente que esta, por favor diga-me nos comentários.

Esta palavra motiva as pessoas a converterem-se em leads, para que depois as possa acompanhar no seu funil (por email ou bots) e ganhar confiança delas.

Mas a palavra “grátis” tem de ser bem usada. A sua oferta tem de ser apelativa, tem de ter tamanho valor que podia ser vendido… mas está a dá-la gratuitamente.

Isto pode ser conteúdo normal (artigo, vídeo) como um lead magnet. No exemplo abaixo temos uma formação grátis da Google.

Anúncio de formação da Google
Formação grátis da Google: irresistível para a maioria das pessoas

Neste anúncio da Google, eles estão a anunciar no Facebook (que irónico) para dar formações gratuitas às pessoas, com um papelinho e tudo para colocar na parede.

Podemos fazer o mesmo com webinars e Facebook Lives. No exemplo abaixo, temos um anúncio de uma das minhas aulas grátis, que são basicamente uma transmissão em direto (FB Live).

Quando fizer este tipo de anúncios, faça-os 1 a 3 dias antes do evento, porque se fizer uma semana ou mais antes, as pessoas esquecem-se. Para as minhas aulas normalmente começo a fazer anúncios dois dias antes.

Anuncio aula grátis
Um anúncio Facebook sobre anúncios Facebook

13. Experimente, teste

Anúncios de perceção da marca do Facebook foram concebidos para levar à obtenção de leads. Não diretamente, mas a longo prazo.

Porque as pessoas têm primeiro de conhecer a sua marca antes de querer se converter como leads (ex.: dar o email delas para entrarem na sua lista).

Eis o que lhe sugiro…

Comece por criar posts não publicados que pode usar para gerar prova social diante das pessoas. Pode saber mais sobre estas publicações de Página não publicadas aqui.

Este tipo de posts irá ajudar a que os seus anúncios tenham mais credibilidade quando os começar a correr.

Para criar este tipo de post não publicado, aceda ao Power Editor, e no canto superior esquerdo, vá ao menu e selecione Publicações na Página. Depois clique em +Criar Publicação.

Publicações de página não publicada
Crie um post não publicado e faça anúncios para gerar prova social.

Fiz isto para um cliente antes de criarmos as ofertas a sério. Fizemos isto para saber que campanhas iriam funcionar melhor. Depois podíamos usar os dados iniciais para fazer mais campanhas e expandir o orçamento delas.


Sumário de campanhas de perceção da marca

Familiarizar a sua marca junto das pessoas é o segredo para gerar leads no Facebook.

É importante a maneira como as pessoas veem a sua marca, onde a veem, e como interagem com ela.

Brand awareness

Para isto, saiba onde é que está o seu público-alvo, por onde é que ele anda. Descubra aquilo em que estão interessados, os seus medos e desejos, e quem eles seguem.

E depois, apareça em todos esses sítios.

Os seus públicos personalizados irão fazer a maioria do trabalho pesado por si.

Se estiver preocupado com o seu orçamento, pode usar anúncios para telemóvel ou anúncios da coluna da direita, que são baratos. Mas lembre-se no que toca à perceção da marca, o que interessa é o relacionamento com a pessoa.

Ao criar os seus anúncios para mostrar a sua marca, foque-se no relacionamento, na interação, não tente vender nada.

Isto porque precisa de atrair as pessoas e “namorá-las” antes que elas se convertam em leads no Facebook.

E não tenha medo de lhes oferecer algo gratuito. Porque você está lá para agregar valor.

Como ser um génio do marketing

Como ser um génio do marketing menos texto

Às vezes os génios nascem onde menos se esperam.

Estava a falar com um colega meu que me contou que há um rapaz que costuma ir à casa dele e propõe-se a fazer certos serviços na vivenda dele.

Coisas como cortar a relva, limpar a entrada, etc.

Vamos chamar a este rapaz de “José” e já vamos perceber por que é ele é um génio do marketing.

O primeiro serviço que o “José” fez para o meu colega foi quando se ofereceu para limpar as sarjetas por €25.

Na altura eles não se conheciam, ele simplesmente tocou à campainha e ofereceu-se para fazer esse serviço. Realmente as sarjetas precisavam de ser limpas, e só por €25, espetáculo.

Então, ele disse que sim.

Estava um dia ensolarado, e o José metia conversa e trabalhava ao mesmo tempo, era uma pessoa simpática.

Quando acabou o serviço, o meu colega pagou-lhe e o José disse-lhe: “olhe, sabe, o seu telhado a modos que precisava de ser limpo.”

E ele tinha razão, o telhado precisava mesmo de ser limpo. Só que isso é um grande frete, há muito telhado para limpar.

Então o José deu orçamento bastante razoável (não andei a investigar preços, mas parece razoável para o trabalho que é) e ficou combinado de ele fazer o serviço.

Uns dias mais tarde ele volta e vai limpar o telhado. Trabalhou que nem um cão durante dois dias, como um acrobata de circo a limpar o telhado duma ponta à outra e aplicou ainda um produto qualquer de preservação/limpeza.

Quando acabou o serviço e o José estava a receber o dinheiro, ele disse: “olhe sabe, se tiver outros serviços, pintura, restauração, limpar, é só ligar para este número que eu venho cá ajudá-lo.”

E acontece que o meu colega está a pensar abrir uma parede numa das divisões dele e pintá-la.

Adivinhe o que aconteceu? Foi o José que foi fazer isso.

Portanto ele passou dum trabalhito de €25 a limpar a sarjeta para um serviço de 4 dígitos (€€€€).

Nada mau…

Como ser um génio do marketing

Qual era o segredo do José?

Primeiro, ele tinha uma barreira de entrada pequena, ou seja, um serviço de baixo valor, muito económico.

Quando ele se ofereceu para fazer esse primeiro serviço, o meu colega não o conhecia, não sabia se ele fazia bom trabalho ou não, mas por €25, decidiu arriscar, tinha pouco risco.

Ele fez um bom trabalho, e metia conversa (enquanto trabalhava), era bom conversador, e conquistou a confiança do empregador.

O José também esteve atento a todo o tipo de potenciais problemas (ou oportunidades) que ele viu na casa. Foi aí que ele notou que o telhado precisava de ser limpo.

Ao dar um orçamento modesto mais uma vez, e fazendo um bom serviço, aumentou ainda mais a credibilidade dele.

Após o José ter conquistado a confiança e simpatia do meu colega, ele perguntou se havia outros serviços nos quais ele podia ajudar. E havia.

E aqui está o importante disto. O José é “apenas” um rapaz de biscates.

Mas quantos de nós, profissionais altamente qualificados, têm uma oferta de baixo custo, baixo risco, onde nos podemos provar aos olhos dos nossos potenciais clientes?

Não muitos.

Quantos de nós, profissionais da área, estamos atentos a outras áreas (produtos, serviços) em que podemos ajudar os nossos clientes, em vez de apenas fazer um serviço para eles e pronto?

Não muitos.

E quantos de nós têm confiança nas nossas capacidades para saber que, após termos feito um bom trabalho, oferecermo-nos para ajudar noutras áreas não é pressionar nem ser chato, é na realidade, uma coisa bastante apreciada pelos nossos clientes que precisam de ajuda.

Pois é, não muitos.

Os próximos anos provavelmente vão ser difíceis para este tipo de profissionais de serviços/biscates. Mas aposto que o “José” se vai desenrascar bem.

Gestor de Anúncios + Power Editor = fusão

Gestor de Anúncios fusão

O Gestor de Anúncios e Power Editão fundiram-se num só, mesmo ao género do Dragon Ball.

Veja o vídeo oficial do facebook para saber mais.


HEY. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo

Estamos a fazer com que seja fácil de criar e gerir anúncios Facebook ao combinar duas das ferramentas que precisa num único interface.

Gestor de Anúncios e Power Editor vão fundir-se numa plataforma chamada “Gestor de Anúncios” que irá ter as melhores funcionalidades de ambos.

Quando cria anúncios no Gestor de Anúncios terá 2 opções para criar campanhas.

A primeira opção permite criar uma campanha guiada, desde o conjunto de anúncios e criação do anúncio até ao lançamento da campanha. Quando terminar, a sua campanha, conjunto de anúncios e anúncio ficará em rascunho, pronto para ser publicado. Escolha esta opção [criação de campanha guiada] se for principiante nos anúncios Facebook ou quer instruções adicionais.

A segunda opção permite criar uma campanha rapidamente. Pode finalizar o conjunto de anúncios e o anúncio mais tarde. Esta opção pode ser uma boa escolha para anunciantes com experiência que querem liberdade para poderem criar uma campanha sem ter de existir uma ordem.

Quando selecionar uma destas opções, a sua escolha irá tornar-se a opção por defeito de cada vez que clicar no botão de Criar.

Se decidir mais tarde que quer mudar esta prédefinição, é tão fácil quanto clicar no botão de Mudar para Criação Guiada no canto superior direito.

Os relatórios no Gestor de Anúncios são tão fáceis quanto anteriormente. Após o seu anúncio estar a correr, irá ver relatórios na sua conta de anúncios, campanha, conjunto de anúncios, e a nível individual dos anúncios.

Para mais informação sobre relatórios ou outras funcionalidades avançadas da criação de anúncios, visite o centro de ajuda dos anúncios Facebook em facebook.com/business/help.

Lead magnets: ideias e exemplos para captar leads

95% dos seus visitantes não vão comprar nada na primeira visita. Ou estão a navegar pela web, ainda na fase da pesquisa, ou não têm a certeza se o seu produto ou serviço é algo que eles precisam.

Leva tempo a gerar confiança e criar um relacionamento com as pessoas.

rapariga meia confusa

Sabendo que a maioria das pessoas não compra nada na primeira visita, porquê insistir? Só vai fazer com que se afastem ainda mais.

Em vez disso, deve captar estas pessoas como leads, ficar com o endereço de email delas e começar a nutrir um relacionamento. Dizem que conteúdo é rei… e que o dinheiro está na lista… e têm razão.

O segredo é um lead magnet: é o que irá acelerar captação de emails para a sua lista como nunca antes visto.

Lead magnet

Imagine que tem 1 subscritor novo por dia no seu website. Se pudesse aumentar isso para 5 subscritores por dia, isso seria, por mês, 150 subscritores, em vez de apenas 30.

Mesmo pequenos melhoramentos como estes podem fazer toda a diferença. Imagine quão mais leads irá captar para a sua lista de email com um bom lead magnet.

O que é um Lead Magnet?

De forma simples, um lead magnet é isto:

Um lead magnet é uma oferta que dá às pessoas em troca do endereço de email delas.

Pode ser um ebook, um guia, uma promoção, um mini-curso enviado por email, etc., algo que é colocado numa landing page com formulário.

exemplo de lead magnet

Obter o email é uma transação. Você quer o email deles, portanto tem de lhes dar alguma coisa em troca.

É da sua responsabilidade convencê-los que subscreverem-se para a sua lista é o melhor que podem fazer, e é com um bom lead magnet que irá fazer isto.

Se o seu lead magnet é algo que as pessoas querem e que tem valor, elas vão dar-se ao trabalho de escrever o email delas para obter essa oferta.

A rapidez de crescimento da sua lista depende maioritariamente do valor do seu lead magnet:

  • lead magnets aborrecidos = poucas leads
  • lead magnets interessantes = muitas leads

O design, a copy, os benefícios e sítio onde se coloca o formulário na landing page, interessam, mas o lead magnet é uma das coisas que causa maior impacto.

Isto NÃO é um lead magnet.

Inscrição newsletter sem incentivo

Não há nada de “magnético” nisto. É uma treta. Não há razão nenhuma para a pessoa querer dar o email dela. Isto é um bom indicador que não leva o seu email marketing a sério.

Mas isto é um lead magnet.
Inscrição newsletter com incentivo

Há aqui claramente uma oferta que comunica o valor que o subscritor irá obter.

Ao fazer isto, terá de entregar o seu lead magnet, aquilo que prometeu. Se o lead magnet não tiver valor as pessoas não se convertem como leads, e se se converterem, não irão abrir os seus emails devido à baixa qualidade da sua oferta.

Como criar um Lead magnet como mel que atrai abelhas

Crie um lead magnet que deixe os seus visitantes “com água na boca”.

Mel que atrai abelhas

Coloque esta pergunta a si mesmo(a):

O que é que eu podia oferecer à minha audiência que seria espetacularmente útil para eles?

Seria algo tão bom, tão útil, que desse tanto valor que até merecia ser vendido, em vez de dado. É aí que sabe que tem algo de valor. Um exemplo disso é um dos lead magnets que eu tenho, o mini-curso grátis de 5 dias de anúncios.

Muitos websites tentam captar leads: mas fazem-no espetacularmente mal. Podem ter um lead magnet com um “whitepaper” ou ebook aborrecido e sem valor nenhum.

Não faça como eles. Crie algo que seja de GRANDE valor para as pessoas e não apenas fazer por fazer.

5 passos para criar um lead magnet irresistível

Primeiro tem de perceber quem é o seu cliente ideal para lhe poder oferecer um lead magnet que seja útil e relevante.

Chegar às pessoas certas

O lead magnet deve ser prático e rápido de consumir, ensinando algo à pessoa, algo que lhe dê um momento “eureka” ou “aha”.

Quanto melhor conseguir fazer isto, mais esta nova lead irá confiar em si e começar a abrir mais os seus emails.

Comece a arranjar ideias para lead magnets, e quando o fizer, confronte as suas ideias com esta lista de 5 passos abaixo…

O seu lead magnet:

  1. Agrega valor às pessoas? Quanto melhor a oferta, mais as pessoas se vão inscrever. Deve ser algo que seja rápido e fácil de consumir, útil e de valor.
  2. Desperta alguma reação emocional? “Gratuito, a sério? Eu quero isso.” É essa a reação que quer que eles tenham quando virem o seu lead magnet. Despertar uma emoção nas pessoas é o que as leva a agir e converterem-se como leads.
  3. Investiu esforço suficiente nele? Aqui não há atalhos. Crie algo de valor, invista o seu tempo, talento ou dinheiro para criar algo útil para as pessoas.
  4. Está a cumprir o que promete no lead magnet? Não faça promessas que não pode cumprir no seu lead magnet, nem faça bait & switch, porque senão as pessoas não irão confiar mais em si.
  5. É esta mesmo a melhor ideia que tenho Veja se a ideia que tem para o seu lead magnet é mesmo o melhor tipo de conteúdo e oferta que podia fazer à sua audiência. Se acha que consegue fazer um melhor, volte ao passo 1.

Criar um bom lead magnet leva tempo. Criar um lead magnet ESPETACULAR leva muito tempo.

Não há problema começar com algo de qualidade mediana para começar a captar algumas leads enquanto trabalha noutro lead magnet de maior qualidade.

“Mexe-te antes de estares pronto” – é o que eu digo aos meus clientes e alunos.

Mão em portátil

Estrutura dum lead magnet

O seu lead magnet deve estar numa landing page que contenha um formulário, e deve responder aos seguintes pontos:

  • Promessa: o que eles irão obter após se subscreverem
  • Interação: porque você criou isto e para quem
  • Benefícios: problemas & oportunidades (em bullet points)
  • Apelo à ação: o que eles devem fazer a seguir

Não obrigue as pessoas a preencherem muitos campos no formulário. Se quiser fazer personalização no seu fornecedor de email marketing, então recomendo nome e email. Mas na maioria das vezes basta o email.

Não peça muitos campos no formulário porque senão as pessoas encaram isso como muito trabalho e não se convertem como leads.

Algumas empresas, especialmente em B2B, têm a mania de pedir vários campos, como função, cargo, orçamento, etc. Se pedir muitos campos vai ter poucas pessoas a converter-se como leads.

Há uma regra de ouro no meio disto tudo: quanto melhor for o seu lead magnet, mais “direito” tem a pedir mais campos no formulário, mas apenas se necessário.

Campos pedidos num formulário

Lead magnet: separar o trigo do joio

O seu lead magnet não tem de ser atrativo para toda a gente: só tem de ser atraente para as pessoas que constituem o seu mercado, o seu cliente ideal.

Por exemplo, “7 Dicas para escolher um vestido de casamento de sucesso”: isto não me iria interessar minimamente, porque sou homem e não me vou casar. Mas seria bem indicado para mulheres que estão planear casar-se nos próximos tempos.

O seu lead magnet deve ser específico e orientado para o público que quer atingir.

Se oferecer bilhetes de cinema para toda a gente que se vai juntar à sua lista de email, provavelmente vai ter muitas leads, mas será que vão ser de qualidade?

Não, não vão.

Vão ser leads da treta, porque são pessoas que estão à procura de coisas gratuitas e não querem saber da sua marca ou empresa para nada.

A qualidade das leads é importante, por isso deve focar-se na sua audiência. Ofereça algo que seja o primeiro passo para mais tarde comprarem o seu produto ou serviço pago.

Por exemplo, um dos meus ebooks gratuitos, o Guia para Crescer Lista Email com Anúncios, mostra como captar leads para a sua lista com anúncios.

Quando a pessoa se inscreve para receber esse ebook gratuito, ela entra na minha lista de emails, no meu funil de vendas, onde tenho uma sequência de emails automatizados que acompanham a pessoa e mais tarde lhe propõe comprar um dos meus cursos online premium.

Portátil e smiley face com emails

Seja específico quando estiver a promover o seu lead magnet (via anúncios ou de forma orgânica). Por exemplo, “Se é gestor ou trabalha em marketing, tem de ver isto.”

Pense também em usar diferentes lead magnets no topo do seu funil para segmentar a sua lista. Um exemplo seria eu ter um lead magnet para pessoas que nunca fizeram anúncios (mas querem fazer); e ter outro lead magnet para pessoas que já fazem anúncios (e querem melhorar).

Quanto mais específico for nos seus lead magnets, mais irá saber sobre as pessoas na sua lista e mais poderá segmentá-los para lhes apresentar o produto ou serviço perfeito para elas comprarem.

20 ideias para lead magnets (por atividade)

20 ideias lead magnet

As pessoas costumam perguntar-me que lead magnets devem criar?

Eis uma lista de algumas sugestões por atividade, para que lhe possa servir de inspiração. É isto que irá dar em troca para obter o endereço de email da pessoa.

Experts e consultores
Coaches, consultores, e todos aqueles que vendem cursos online ou serviços (como eu).

  • Ebooks e whitepapers
  • Mini-curso por email
  • Um vídeo ou conjunto de vídeos
  • Podcast ou gravação de áudio
  • Curso gratuito/webinar
  • Assessoria, auditoria ou teste
  • Checklist, cábulas, guias

Ecommerce
Conseguir que a pessoa faça a sua primeira compra é um grande desafio. Isto é particularmente verdade para pequenas lojas online que não têm reputação no mercado. Mas se a experiência da compra deles for positiva, estão mais propensos para voltar a comprar e serem clientes repetidos.

  • Cupão gratuito
  • Envio gratuito
  • Presente gratuito com primeira encomenda
  • Conteúdo educacional que mostra “como fazer” (com um produto seu)
  • Guia para poupar dinheiro ao comprar produtos X.
  • Membros exclusivos (fazer com que a pessoa se sinta especial, ser parte dum grupo VIP por ter gasto X quantidade de dinheiro na loja, dar conselho adicional, etc.)
  • Artigos ou dicas por email relacionado com o problema que precisam de resolver (que o seu produto ajuda a fazer/resolver).

Empresas de serviços
Neste podemos considerar empresas como veterinárias, canalizadores, cabeleireiros, e todos aqueles que vendem peças ou mão-de-obra por dinheiro.

  • Cupões gratuitos.
  • Conteúdo educacional do género “faça você mesmo”
  • O que precisa saber antes de comprar [seu tipo de produto]
  • Ferramentas online (planeador de decorações, calculadora de massa corporal de animais, visualizador de estilos de cortes de cabelos, etc.)

Empresas de software
Negócios que têm software ou criam software para clientes.

  • Trial gratuito (período à experiência)
  • Conta freemium (conta grátis com upgrade pago possível)
  • Demo do serviço (no website ou feita por alguém da equipa)
  • Fazer onboarding (levar o utilizador pelo website mostrando como usar o serviço em tempo real como o exemplo da Slack)

Lead magnets: 5 exemplos espetaculares

1. Bidsketch

O que é?
Bidsketch é um serviço que produz templates de propostas e orçamentos para mostrar a potenciais clientes. Ao dar o email, podemos ter uma pré-visualização da proposta.

Porque funciona?
Este exemplo de geração de leads é fácil de perceber e está logo ali na nossa cara quando acedemos à homepage desta empresa. A frase “sneak peek” (espreitadela) é uma boa forma de despertar curiosidade na pessoa.

Bidsketch lead magnet

2. Hobspot Website Grader

O que é?
Website Grader é uma ferramenta online que faz uma pontuação do seu site para mostrar a “força” e o desempenho dele, a nível de SEO, mobile e segurança.

Porque funciona?
As pessoas adoram ferramentas que fazem testes a alguma coisa. Este teste permite saber o desempenho do seu site e dá-lhe ainda recomendações a fazer.

Hubspot website grader

3. Shopify

O que é?
Isto gera uma política de reembolso/devolução para uma loja online, em que a pessoa tem de criar uma conta para ter acesso a esse template.

Porque funciona?
Isto funciona tão bem porque é como matar 2 coelhos com uma cajadada só: o visitante para ter acesso a este template não só está a dar o email como está a entrar num trial gratuito de 14 dias da Shopify como utilizador. Muito espertos.

Shopify Lead Magnet

4. JustCreative

O que é?
Um ebook cheio de exemplos de logótipos para servir de inspiração a designers ou a quem cria logótipos. Isto é acessível a partir de qualquer página do site, quando vamos para sair do site, aparece esta janela a pedir o nosso email em troca do ebook.

Porque funciona?
Ter inspiração é fácil. É mais fácil do que ler um ebook técnico em que temos de aprender ou fazer alguma coisa, porque acaba por ser uma obrigação. Aqui, só temos de fazer download do ebook e ver coisas, é fácil, e como só pede o endereço de email, é uma barreira de entrada pequena para a nova lead.

Just Creative Lead Magnet

5. Mini-Curso Grátis 5 Dias

O que é?
Este exemplo é meu. É um mini-curso de 5 dias de anúncios Facebook para principiantes, em que é enviada uma lição de vídeo e texto por email, por cada dia.

Porque funciona?
Uma sequência de conteúdo educacional como esta é apelativa porque é enviada uma lição por dia. O ser humano tem a tendência de querer “completar” as coisas, por isso muitos irão sentir-se na obrigação de fazer todas as lições. Este mini-curso depois propõe à pessoa a compra do meu curso online premium, Dominio Completo.

Mini curso grátis 5 dias lead magnet

Lead magnet: como testar a sua ideia

Não vá já a correr criar um lead magnet. Teste primeiro a sua ideia, para saber se é válida.

Se tiver uma ideia para um lead magnet e for já a correr para criá-lo, pode não correr bem.

Porque pode estar a investir o seu tempo e recursos a criar conteúdo que depois ninguém quer.

Antes de começar, pense sobre o seu tipo de cliente ideal, os desejos e medos que eles possam ter, e como os poderá ajudar.

Público-alvo

  1. Faça brainstorming de ideias para lead magnets. Brainstorming em grupo (mesmo que seja só 2 pessoas) é melhor do que sozinho para ter mais ideias. Dispare ideias para o ar, sem julgamento.
  2. Escreva as melhores ideias e coloque-as em formato de título, do género “5 formas de perder as suas estrias em 3 semanas” ou “A diferença entre contratar um designer profissional ou um amador”.
  3. Elimine as que não fazem sentido, deixando as melhores 5-10 ideias. Escreva estas últimas numa folha de papel à parte (heh, ainda sou da velha guarda).
  4. Pergunte aos seus clientes (quantos mais, melhor), através de Google Forms ou cara-a-cara as ideias que seriam mais apelativas para eles (não lhes chame de lead magnets, só os irá confundir).
  5. Após isto, terá as suas ideias vencedoras e pode começar a criar conteúdo, ou seja, criar esses lead magnets. Coloque-os no seu site e faça testes de landing pages. Se por acaso não teve nenhuma ideia que parecesse apelativa (para si e para os seus clientes), volte ao passo 1.

Transformar Leads em Clientes

A maioria dos sites converte pessoas a frio a menos de 5%. Isto significa que 95% ou mais das pessoas não compram nada seu na primeira visita (seja um produto ou serviço).

Leads em clientes

Vender implica, antes disso, ter a confiança das pessoas, ter um relacionamento com elas. Isto é importante para que elas confiem em nós, experimentem o nosso produto ou serviço sem a pressão das vendas.

Por isso é necessário agregar valor. É este o objetivo do lead magnet.

Mas não se fique pelo lead magnet. Crie outro conteúdo, como vídeos e artigos (ex.: este) que agrega valor à sua audiência.

Assim irão confiar em si, porque sabem que você lhes dá valor, e eventualmente poderão tornar-se clientes mais tarde.

Quando deve “puxar” pela venda?

Gostava de ser o génio da lâmpada e dar-lhe uma resposta direta, mas não há uma resposta certa nem errada para isto.

Génio da lâmpada

Depende.

A internet está cheia de pessoas e empresas a querem empurrar os seus produtos e serviços.

Não é só a questão de ser chato e tentar vender, é também a familiaridade que as pessoas têm com a sua marca, produto ou serviço.

Normalmente leva 7 pontos de contacto com a sua marca (ex.: email, anúncio Facebook) até a pessoa estar pronta para comprar.

Dê valor às pessoas, ajude-as com o seu conteúdo (artigos, vídeos, lead magnets). Isto irá mostrar que você é especialista na sua área, um líder de opinião, e irá deixar as pessoas mais à vontade para comprarem o seu produto ou contratarem o seu serviço.

Complexidade e preço

Quanto mais complexo/caro e difícil de mostrar ou explicar for o seu produto ou serviço, mais tempo e informação é necessária para que um potencial cliente esteja pronto para comprar.

Complexidade no preço em euros

Se o produto é papel higiénico, se é uma comodidade, então é fácil de perceber, é barato e de baixo risco. A pessoa pode tomar uma decisão imediatamente.

Se o produto é consultoria de normas de qualidade, se é mais complexo e caro, então requer mais acompanhamento e informação, porque será mais caro e terá algum risco. Não é como comprar uma tablete de chocolate.

Como fazer com que as pessoas comprem mais depressa

Uma boa forma de testar o seu lead magnet é ao fazer o que se chama de split-testing, ou testes A/B.

Use a mesma oferta para que a pessoa se inscreva, mas adicione-as a listas diferentes (ou tags, como eu uso).

Split testing

Depois use uma sequência de emails automatizados (autoresponder), que contêm emails diferentes conforme a lista/tag a que a pessoa foi atribuída, variando o conteúdo dos emails e o tempo usado até “puxar” pela venda.

Assim pode medir as conversões de vendas naqueles períodos de tempo para saber qual a lista/tag (e a sequência de emails) que funcionou melhor)

Dominar os Públicos Facebook duma vez por todas

Está à procura dum ÚNICO recurso que explica todos os Públicos Facebook que precisa saber para ter anúncios que geram faturação a sério?

Agarre uma cópia do meu belo ebook:
Ebook EmCheio

Não gaste nem mais um cêntimo nas suas campanhas antes de abrir este manual de treino bastante abrangente. Clique aqui para saber o que está lá dentro.

Aceder ao Facebook Analytics

Aceder ao Facebook Analytics

Pode aceder facilmente ao Analytics no seu Facebook. Esta secção vai-lhe permitir saber dados e informação sobre as suas páginas e apps.

Psst. Subscreva-se no canal YouTube:
Botão subscrição canal YouTube

Transcrição do vídeo
Neste vídeo vou-lhe mostrar como aceder à nova secção de Analytics no seu Facebook.

Olá, o meu nome é João Alexandre e dou-lhe dicas para crescer o seu negócio em menos de 5 minutos.

A primeira coisa a fazer é ir ao seu Gestor de Negócios ou estando dentro do Facebook, ir ao canto superior esquerdo no menu hambúrguer. O menu hambúrguer são as 3 linhas horizontais que aqui estão.

Vai a Todas as ferramentas, e por baixo de Dados e relatórios, vai conseguir ver uma secção chamada Analytics.

Vai clicar neste link, e depois vai ter a esta Página. Aqui, nesta página, terá todas as suas páginas disponíveis, na qual pode saber a analítica de cada uma delas.

Eu vou escolher qual é que é a minha, que é esta aqui. E depois de selecionar, vai ter a uma página como esta.

Esta página é basicamente, o Facebook está a recolher dados sobre a sua página para juntar analytics [dados] para ela. Quando isto estiver pronto, vai aparecer a página refrescada, desta forma.

E é aqui que poderá ver a analítica correspondente a esta página. Neste momento ainda está em zero, porque isto foi feito recentemente, mas quando você fizer este método, vai começar a ter aqui dados que depois pode analisar com calma e vai ter bons insights sobre a sua página e de que forma pode usar isso para aumentar o seu alcance para as pessoas.

E é assim que se acede à nova secção de analytics dentro do seu facebook.

Espero que este vídeo tenha sido útil. Goste, faça um comentário, partilhe, porque isto a mim diz-me o tipo de vídeos e conteúdo que você quer ver para que possa ajudar no seu negócio. Obrigado.

6 dicas para o seu próximo anúncio de vídeo

Os vídeos funcionam muito bem porque o Facebook quer manter as pessoas o maior tempo possível na rede social.

Ao fazer anúncios com vídeos irá chegar a um maior número de pessoas que prestam mais atenção a vídeos do que apenas se usar só texto e imagem.

Para isso mostro-lhe 6 dicas por trás de anúncios de vídeo que trazem resultados e vários exemplos.

Browser de anúncio de vídeo

Dica 1 – comece pelo fim

Qual o seu objetivo? Exposição em massa (branding), mais tráfego no seu site, leads, vendas? Antes de criar o seu vídeo, saiba porque o está a fazer, e não só “vamos fazer um anúncio de vídeo porque está na moda”.

Por exemplo, o seu objetivo pode ser um anúncio com vídeo para levar as pessoas para uma landing page onde as possa captar como leads.

Funil vendas simples

Dica 2 – chame à atenção

O seu vídeo deve fazer com que a pessoa pare na sua feed de notícias e preste atenção ao seu anúncio. Isto poderá vir na forma de alguma animação ao princípio do vídeo.

Escolha um formato apropriado para o seu vídeo. Por exemplo, vídeos de 1000×1000 píxeis (quadrados) podem ser usados tanto no Facebook como no Instagram. Por outro lado, o Facebook gosta de vídeos verticais e poderá dar uma ligeira vantagem a eles, porque o foco está no mobile.

Clique na imagem para ver o vídeo de formatos recomendados.

Requisitos vídeos Facebook

Dica 3 – agregue valor

Se tem cifrões à sua frente, isso irá transparecer nos conteúdos que criar. Dê valor à sua audiência, de forma genuína.

Pode fazer vídeos curtos para mostrar “como fazer” ou vídeos longos, como um Facebook Live. Sim, dá para fazer anúncios de vídeos de Facebook Lives, porque eles são vídeos.

O post em baixo era dum Facebook Live, ou seja, duma aula grátis que fiz. Esse replay já não está disponível porque eu apago todos os replays ao fim de alguns dias. Mais uma razão para assistir a todas as minhas aulas.

Exemplo de Facebook Live

Dia 4 – adicione legendas

Legendas em vídeos incentivam a uma maior percentagem de visualizações dos vídeos. Adicione legendas aos seus anúncios de vídeos para que eles sejam vistos por mais pessoas, e visualizados por uma maior duração de tempo.

As legendas permitem a pessoa ver o seu vídeo sem o som, caso esteja numa situação em que não pode ligar o som, ou simplesmente não quer.

Clique na imagem para ver o vídeo com legendas. Estas legendas estão integradas diretamente no vídeo, não são legendas nativas do Facebook (porque as deles são pequeninas).

Exemplo legendas em vídeo

Dica 5 – escolha a duração certa

Quanto tempo deve ter o seu vídeo? Se por um lado vídeos curtos podem ajudar a que a pessoa veja o seu anúncio, por outro, vídeos longos revelam interesse no espetador se este visualizar uma boa percentagem do vídeo.

Sugiro que teste: experimente tanto com vídeos curtos como longos. Ainda assim, para ter uma linha de orientação, pode seguir a recomendação desta imagem. Clique na imagem para ver o vídeo com exemplos.

Por exemplo, um GIF (considerado pelo Facebook como vídeo) pode ter a duração de apenas 5 segundos, um vídeo de “como fazer” pode ter 3 minutos, enquanto um Facebook Live pode ter 25 minutos.

Duração anuncios video

Dica 6 – ferramentas vídeo

Há serviços e software que pode usar para criar e editar os seus vídeos.

Há alguns que pode usar diretamente a partir do seu dispositivo móvel que permitem edição básica, que pode ser mais do que o suficiente para as suas necessidades. Há outros que são mais avançados, normalmente usados em desktop, que permitem maior controlo na edição dos vídeos.

Por exemplo, eu trabalho em PC e uso o Camtasia para screencasts com o ocasional uso do Adobe After Effects e Adobe Premiere. No Mac existe o Screenflow (também existe Camtasia), assim como a suite da Adobe.

Básicas
Animoto – www.animoto.com
Adobe Spark Video – https://spark.adobe.com/about/video
Ripl – http://www.ripl.com/
VideoShop – http://www.videoshop.net/
Vidlab – https://museworks.co/vidlab/

Avançadas
Camtasia – https://www.techsmith.com/video-editor.html
Adobe After Effects – www.adobe.com/pt/products/aftereffects
Adobe Premiere – www.adobe.com/pt/products/premiere

Você já faz anúncios de vídeo?

As Novas Regras do Facebook Marketing

Imagem artigo Novas Regras FB Marketing

O Facebook é conhecido por estar constantemente a atualizar a sua plataforma, seja para dar mais funcionalidades aos anunciantes, ou a proporcionar uma melhor experiência aos utilizadores.

Mas seja o que for que o Facebook mude, há coisas que são verdade hoje como eram há alguns anos atrás:

  • O Facebook interessa-se mais pelos utilizadores do que pelos marketers
  • Gostos, comentários, partilhas, visualizações, e cliques são bons – quantos mais, melhor.
  • Quanto mais valor agregar às pessoas, mais elas irão interagir consigo (ao gostar, partilhar, etc.)

Cumprir todos esses três pontos não é difícil, mas é necessário fazê-lo corretamente.

Isto está dependente do algoritmo do Facebook, e a maneira como os seus fãs estão a ver (ou não) os seus posts.

Quando começar a perceber um bocadinho como funciona o algoritmo, pode começar a criar o tipo de conteúdo que funciona melhor no Facebook.

Vou-lhe mostrar neste artigo justamente isso ao partilhar consigo:

  • As três verdades do que funciona atualmente no Facebook (incluindo o porquê do seu post ter de ter um bom desempenho a partir do momento em que é publicado);
  • As cinco novas regras do Facebook marketing (e a primeira coisa que deve deixar de fazer agora);
  • As três palavras que devem servir como o seu ‘mantra’ para experimentar novas formas de trazer mais engagement para a sua página (e para a sua marca).

Eis o que nos vamos focar neste artigo:

Vou mostrar algumas das formas como estou a implementar algumas destas regras em tempo real, como o vídeo. Criar mais vídeo é uma grande prioridade para mim (e devia ser para si também).

Todas as semanas faço Facebook Lives (transmissões em direto), em formato de aulas grátis que dou na minha Página Facebook. Todas as semanas os temas são diferentes.

Você já sabe que o vídeo é importante no Facebook. O tipo de vídeo que criar define a sua estratégia, e nós vamos falar bastante sobre vídeo neste artigo, porque quanto mais pessoas conseguir que vejam o seu vídeo, mais o Facebook irá recompensar a sua página ao mostrar mais dos seus posts e vídeos aos seus fãs.

Para exemplos de tipos de vídeos que pode usar, faça o download abaixo do guia O que Funciona no Facebook Agora. Está carregado com exemplos de vídeos que pode usar para trazer mais interação no Facebook e envolver mais as pessoas.


Verdade #1

“O Facebook está a ficar sem sítios para mostrar o seu conteúdo na newsfeed” – Mike Stelzner

E agora, o Facebook diz-nos que eles estão a ficar sem sítio para colocar os nossos anúncios. Repito: anúncios, não são posts.

Mas não se preocupe, irá haver outros sítios que o Facebook irá inventar para mostrar os anúncios, como é o caso dos anúncios Messenger, que se podem colocar em 3 sítios diferentes.

Eles estão é a ficar sem “locais” para mostrar os anúncios, referindo-se à newsfeed como o sítio principal. Estão a ficar sem sítios na newsfeed para mostrar os anúncios.

E se eles estão a ficar sem espaço para mostrar anúncios na newsfeed, então com certeza também estão a ficar sem espaço para mostrar o seu conteúdo.

Isto significa menos alcance e visibilidade para si, o que por si resultará em menos leads captadas para a sua lista de emails, e menos vendas.

Esta verdade está relacionada com o facto de que é mais difícil crescer o seu negócio no Facebook. Na realidade está mais difícil em todas as redes sociais. Talvez o Instagram seja a próxima a ficar saturada e que ficará eventualmente sem espaço.

Há uma grande oferta de conteúdo e pouco espaço disponível. Mas não desespere, porque para todo o problema há uma solução como vamos ver.

Verdade #2

O Facebook dá mais importância à experiência do utilizador do que aos marketeres. O Facebook quer que os utilizadores vejam conteúdo de qualidade e relevante.

Querem que a newsfeed seja livre de spam e que dê uma razão às pessoas de visitarem frequentemente a rede social.

Quando estiver a criar conteúdo tenha isto em mente: que seja conteúdo que dê valor às pessoas.

Verdade #3

Se o seu próximo post tiver um bom começo é provável que assim continue e tenha sucesso.

Como é que um post no Facebook tem um bom começo?

Isto está dependente do algoritmo do Facebook, que temos de perceber um bocadinho como é que ele funciona para que possamos criar posts de qualidade.

Não é novidade que o algoritmo gosta de vídeos, mas recentemente o Facebook mencionou que vídeos com maior duração terão maior preferência no Facebook. Eles querem manter as pessoas na rede social durante mais tempo.

Suponha que faz um post na sua página, o algoritmo analisa o post para perceber o tipo de conteúdo que é e mostra o seu post a alguns dos seus fãs.

Baseado na maneira como esses fãs iniciais a que foram mostrados o post, o algoritmo irá expandir o alcance, ou não expandir.

Se alguém faz “Gosto” ou “Adoro”, se clicam num link, comentam, se partilham, todas estas coisas dizem ao Facebook que as pessoas estão interessadas no conteúdo, e assim o seu alcance é expandido.

Já não tem nada a ver com agendar os posts para aparecer àquelas horas. Em vez disso, você faz um post, os fãs reagem, e se houver boas reações (gostos, comentários, etc.), então o Facebook irá começar a mostrar mais o seu post a mais fãs.

Um bom começo é importante, mais importante do que nunca.

Como fazer isto então?

Imagine que vai fazer uma publicação sobre alguma coisa. O que escreveu ou colocou no post que lhe irá dar uma boa dose de interação (gostos, cliques etc.)?

O Facebook não gosta que você peça por Likes. Seja criativo e humano, em vez de pensar como um marketer, faça com que as pessoas “Gostem” ao publicar conteúdo de valor e espetacularmente relevante para os seus fãs.

Se estiver a publicar um post de GIF/imagens animadas ou vídeo, tem de dar às pessoas algo que lhes proporcione uma boa experiência, não apenas uma visualização.

Lembre-se: um começo forte. Isto é importante para o seu post.

Portanto são estas as três verdades:

  1. O Facebook está a ficar sem sítio para mostrar o seu conteúdo na newsfeed
  2. O Facebook dá mais importância à experiência do utilizador vs do marketer
  3. Se o seu post tem um começo forte, irá provavelmente ter sucesso e chegar a muitas pessoas

Agora que percebe como isto tudo funciona, vamos ver algumas dicas e estratégias para que os seus posts sejam vistos e ouvidos pelas pessoas no Facebook.

Tenho aqui 5 regras de Facebook marketing para si. Vamos lá.


Regra 1 – Menos posts, mais qualidade

Mais qualidade significa (normalmente) passar mais tempo nos posts que irá criar.

Mas o que é mais qualidade?

Pense nisto como conseguir ter mais resultados a partir do seu conteúdo.

Comece com algum artigo bom que tenha no seu blog e pense em como pode usar esse conteúdo no Facebook. Será que pode criar uma aula em formato de Facebook Live a partir desse artigo? Ou talvez uma história no Facebook ou Instagram?

Talvez consiga pegar num excerto desse artigo e expandi-lo em maior pormenor e fazer um vídeo com isso para o Facebook ou Instagram.

Não tem de sentir que tem de estar sempre a criar conteúdo novo. Pode pegar em artigos, vídeos e outras coisas que tenha feito, e dar-lhe um “spin” diferente a elas.

Eis um exemplo.

Cada aula grátis que dou em formato de Facebook Live leva-me horas e horas para preparar. Posso pegar em bocados do tema dessa aula e criar um pequeno vídeo e colocá-lo num post. Ou posso fazer um post em texto com um resumo dessa aula e com alguma imagem animada (GIF) para chamar mais à atenção.

Menos posts, mais qualidade. É isso que irá ver na minha Página Facebook e sugiro que faça o mesmo.

Regra 2 – Criar uma comunidade, e não necessariamente fãs

Uma boa forma de ter interação no Facebook é criar uma comunidade de pessoas interessadas naquilo que você tem para dizer.

Concentre-se nas pessoas, na comunidade, e não em querer ter mais fãs, porque é uma métrica de vaidade.

É aqui que entram os grupos do Facebook.

Se tem um grupo Facebook à volta dum certo tema e você é o líder desse grupo ou dessa comunidade, não tem de se sentir obrigado a usar o seu tempo para responder a todas as perguntas.

Por exemplo, quando alguém coloca uma questão, e você sabe que existe outra pessoa no grupo que pode responder tão bem quanto você, então é só mencionar essa pessoa no comentário.

Algo do género, “Hey Fernando, isso é uma boa pergunta. A Eduarda é uma especialista nesta área e será capaz de responder bem a isto. Eduarda, será capaz de vir aqui e ajudar o Fernando com a sua dúvida?”

O Fernando e a Eduarda estão no seu grupo, fazem parte da comunidade e você acabou de os ligar um ao outro, para não ter de responder a toda a pergunta que apareça no grupo.

Lá por ser o líder do grupo não significa que tenha de estar em todo o lado a toda a hora, e vai acabar por perceber quão mais leais serão as pessoas na sua comunidade.

Dica: se tiver um grupo Facebook gratuito, ligue-o à sua página Facebook.

Regra 3 – Anuncie mais

Pode não acreditar, mas apenas uma percentagem pequenina de empresas (tanto em Portugal como lá fora) faz anúncios no Facebook.

Segundo o Social Media Examiner, só 6.7% das empresas anunciam no Facebook. Isto significa que muitas empresas com páginas no Facebook não fazem anúncios.

Esta regra é simples: anuncie mais.

Se não está a fazer anúncios ou se está a começar a pensar fazer mas não está completamente convencido(a) à ideia, eis três coisas que lhe sugiro fazer:

  1. Estude a segmentação de anúncios no Facebook. Conheça o seu público e saiba como lhes fazer retargeting. Se eles já visitam o seu site e visualizam os seus vídeos, aproveite para os “repescar”.
  2. Saiba o que é segmentar e como segmentar, como definir o seu público para atingir as pessoas certas com os seus anúncios. Pode ter um produto ou serviço espetacular, mas se não o mostra às pessoas certas, ninguém compra.
  3. Familiarize-se com o Power Editor. Provavelmente o que você quer é ter alguém que faça a gestão dos anúncios por si. Contratar um profissional é caro, contratar um amador é barato (ou será ao contrário?)

Mas antes de contratar alguém, sugiro que tenha primeiro um entendimento geral de como funcionam os anúncios Facebook.

Há coisas que não temos de saber antes de querer delegar tarefas, tais como programação, administrativos, e outros, mas saber alguma coisa sobre anúncios Facebook é importante antes de contratar alguém.

Porque assim terá um entendimento de como funcionam os anúncios para perceber se o profissional que vai contratar tem o seu melhor interesse em mente e se está a fazer um bom trabalho.

Para isso, vá mexer no Power Editor. Mexa um bocadinho todas as semanas, invista um pouco do seu tempo e crie alguns anúncios.

Não tem tempo? Faça tempo. Arranje-o 🙂

Passe 4 ou 5 horas por semana a mexer no Power Editor, a familiarizar-se com as opções e a criar os seus anúncios. Após um mês terá um entendimento básico, e aí poderá contratar alguém.

Regra 4 – Mais vídeos, mais frequentemente

Uma previsão da empresa Cisco aponta para que 80% do tráfego na internet venha de conteúdo de vídeo em 2019. 80% de tráfego. De vídeo. Espetacular.

Não há melhor altura que agora para fazer vídeo, do que agora. Crie conteúdo em vídeo, seja vídeos explicativos, demos ou Facebook Lives, como eu faço com as minhas aulas grátis.

Se aqui há alguns anos eram as imagens que funcionam bem em publicações no Facebook, agora é a vez do vídeo.

Não é necessário lançar-se de cabeça e começar a fazer Facebook Lives ou Facebook Stories a torto e a direito. Comece devagarinho.

Vou-lhe mostrar alguns tipos de vídeos e imagens animadas que pode criar antes de começar a fazer Facebook Lives de 30 minutos na sua página Facebook.

O primeiro tipo de vídeo que pode fazer é um vídeo curto. No PDF gratuito em baixo mostro-lhe vários tipos de vídeo que pode fazer.

Este tipo de vídeos curtos já os deve ter visto pela internet. Um exemplo disso é alguém a seguir uma receita onde vemos um pequeno vídeo de alguém a meter farinha, ovos, a adicionar canela, etc. São vídeos curtos e rápidos em que se aprende alguma coisa de novo em um minutos ou dois.

É possível criar este tipo de vídeos curtos com o Animoto.com ou Adobe Spark (pessoalmente uso Camtasia e/ou Adobe After Effects).

O segundo tipo de vídeo que pode fazer são imagens animadas. Também chamadas de “cinemagraphs”, isto é onde combinamos imagens individuais para criar a ilusão de movimento contínuo, como se fosse um mini filme.

Poderá usar ferramentas como o Ripl e Adobe Spark para criar estas imagens animadas (eu uso o Adobe Photoshop para este tipo de imagens animadas, e às vezes o Adobe After Effects).

O terceiro tipo de vídeo que pode fazer são GIFs. Para estes nem precisa de os criar se não quiser. Pode ir ao Giphy e selecionar GIF’s de outras pessoas, ou criar os seus próprios.

Se criar os seus próprios GIFs, pode carregá-los para o Facebook como GIF nativo. Veja este artigo para saber como fazer isto.

Para criar GIFs, pode usar as ferramentas anteriores que sugeri, tais como o Animoto, Ripl e Adobe Spark (eu uso o Adobe Photoshop para isto, por vezes uso GIFs de outros, faço alterações como adicionar texto, outras vezes crio de raiz ou contrato alguém para o fazer).

Dei-lhe três formas fáceis de fazer vídeo.

Agora não há desculpas. Se não se lembrar de mais nada deste artigo, espero que pelo menos comece a colocar mais vídeos/imagens animadas nos seus posts, e menos imagens estáticas.

Por exemplo, se você postou 5 publicações com imagens estáticas na sua página Facebook esta semana, prefiro que poste 2 publicações com imagens animadas/vídeo na sua página Facebook esta semana. Menos posts com maior qualidade, lembre-se disto.

Vai-me agradecer depois.

Depois de ter “aquecido” os pés com os três tipos de vídeos/imagens animadas que lhe sugeri, está na altura do próximo passo: Facebook Lives.

Eu faço Facebook Lives todas as semanas, uma vez por semana, às quartas-feiras, 20h00, fuso horário Lisboa. Investi num programa chamado Wirecast Pro, que custa $995 mas você não tem de fazer como eu, pode usar o OBS, que é gratuito (pessoalmente não gostei nada do OBS).

Estou a levar o vídeo e os Facebook Lives a sério, ao ponto que estou a pensar investir num setup de estúdio de vídeo profissional no meu escritório. Isto vai ser um investimento de alguns milhares, mas por agora está em águas de bacalhau.

Voltando ao Facebook Live.

O Facebook quer manter as pessoas na rede social durante mais tempo, e por isso está a recompensar vídeos de maior duração no seu algoritmo, para chegar a mais pessoas.

Faça Facebook Lives. Comece com 30 minutos. Se achar que precisa de mais tempo, então planeie para fazer Lives de maior duração. Normalmente as minhas aulas grátis de FB Live andam ali nos 45-60 minutos.

Se tem algumas dificuldades em passar dos 20 minutos e o que irá dizer e abordar, não há problema.

Abra o Word ou o Google Doc, planeie o seu conteúdo, pense em exemplos, histórias, e formas de tornar a sua transmissão em direto interessante e relevante para as pessoas. Facilmente conseguirá passar dos 20 minutos se fizer isto.

E se tiver uma sessão de perguntas & respostas no final, vai ver como o tempo passa num instante ao responder a perguntas dos utilizadores.

Veja aqui como agendar um Facebook Live e aqui para algumas ferramentas essenciais.

Pode fazer um “tease” ao Facebook Live, ou seja, fazer um Facebook Live a dizer que irá fazer um Facebook Live, em que fala durante um minuto ou dois para aguçar o interesse das pessoas.

Após o Facebook Live, poderá fazer um vídeo curto em que fala sobre um tema que deu no seu FB Live, e com um link para as pessoas irem vê-lo.

Se achar que o Facebook Live que fez foi um sucesso, promova esse post, mas faça-o através do Gestor de Anúncios ou Power Editor. Eis como promover um post corretamente.

Há outra grande vantagem para os FB Lives e vídeos no geral: pode fazer retargeting, ou seja, mostrar anúncios para pessoas que viram os seus FB Live.

Por exemplo, você poderia criar um anúncio do género “gostou do meu último Live? Assista à minha próxima transmissão em direto”.

É possível adicionar legendas ao seu Facebook Live após ele ter terminado. Experimente um vídeo Live que fez sem legendas, e outro que adicione legendas e perceba se o que teve legendas teve mais interação e visualizações. Isto das legendas pode dar bastante trabalho, portanto passe esta tarefa para alguém.

Mais uma coisa: já que estamos a falar em vídeo, é possível adicionar vídeo na sua capa de Página do Facebook. Antigamente só dava para colocar imagem, mas agora dá para adicionar vídeo. Veja um bom exemplo do vídeo de capa de Página da Ana Mendes.

Regra 5 – tire partido dos micro momentos

Micro momentos. Que expressão tão esquisita.

As pessoas consomem conteúdo em micro momentos, vídeos de 1 minuto, GIFs curtos, coisas rápidas.

Isto não significa que os Facebook Lives de 30 minutos não funcionem, apenas são “bichos” diferentes. Quando uma pessoa está mesmo interessada, ela irá ver um vídeo longo.

Mas quando a pessoa está num modo de entretenimento, é necessário chamar-lhe à atenção através de conteúdo rápido, dos tais micro momentos.

Se estiver com dificuldade em captar a atenção das pessoas, pense nisto: onde é que a sua história se encontra com a história delas?

Quanto mais entender o seu público-alvo, o que estão a pensar, a sentir, o que precisam, o que querem, vai saber o tipo de conteúdo a criar para elas, seja imagens animadas, GIFs, Facebook Lives, vídeos ou qualquer outro tipo de conteúdo.

Qual é então o tipo de conteúdo que você está a criar para que a sua história vá ao encontro da história deles? Pense nisso.


Recapitulando as 5 regras:

  1. Menos posts, mais qualidade
  2. Foque-se na comunidade, menos no crescimento de fãs
  3. Faça mais anúncios
  4. Mais vídeos, mais frequentemente
  5. Tire partido dos micro momentos

Para terminar, também lhe prometi três palavras que deve começar a usar na estratégia do seu negócio.

E elas são:

  1. Ágil – deve adaptar-se às mudanças do Facebook. Mantenha-se atualizado com o algoritmo.
  2. Flexível – se alguma coisa não está a funcionar, não insista, experimente outra coisa diferente.
  3. Inovar – experimente táticas novas, misture com outras táticas e teste as coisas.

Criei-lhe um PDF com exemplos dos diferentes tipos de vídeo que funcionam bem nas redes sociais e que pode usar no seu negócio.

Passei horas à procura dos melhores vídeos e exemplos para lhe dar, e acho que vai obter bastante valor disto.

Clique abaixo para aceder ao “Guia: O que funciona no Facebook”.

Facebook Messenger para pequenas empresas: 6 dicas

Imagem destaque Dicas Messenger PMEs

O Messenger é o serviço do Facebook mais usado e pode ser uma ferramenta potente para envolver os seus potenciais clientes na rede social. Saiba como usá-la no seu negócio.

1. Crie um plano

Use o Facebook Messenger, não por ser uma coisa que está na moda, mas sim de forma a alinhar-se com o seu plano de marketing.

Determine qual a “voz” que irá usar, o seu tom de conversa, ex. se trata as pessoas por tu ou por você, e pense numa abordagem que irá usar para interagir e responder aos utilizadores que o contactem.

altifalante-pessoas

Dá para perceber logo que uma empresa não tem planeamento nem estratégia quando esta usa o Messenger para empurrar produtos e serviços para os utilizadores na sua lista, em vez de usar o Messenger da maneira para o qual ele foi criado – para comunicar com as pessoas alguma informação importante.

2. Dê um toque pessoal

Envolva as pessoas, interaja com elas, crie um relacionamento com os utilizadores ao lhes dar valor (bom conteúdo, ajudar), para que eles marquem amigos nos comentários e de forma genuína gostem e partilhem o seu conteúdo. Veja o meu exemplo no Messenger (clique em Começar).

Mensagem com toque pessoal

Faça perguntas para saber mais sobre as pessoas e responda a questões que possam ter. E dê um toque pessoal, talvez divertido ou light, dependendo do seu segmento de mercado. Isto dá um toque mais humano na sua comunicação, especialmente se estiver a usar bots.

3. Use respostas automáticas

Use as Respostas instantâneas (ou bots), não para parecer uma “máquina”, mas para conseguir satisfazer alguma curiosidade ou questão que um utilizador tenha colocado à sua Página via mensagem.

Para isto, vá à sua Página > Definições > Mensagens, e aí pode escolher as respostas que pode dar aos utilizadores quando lhe enviam uma mensagem. Por defeito, as Respostas instantâneas (quando ligadas), dizem isto: “Obrigado pela tua mensagem. Vamos tentar responder o mais brevemente possível.”

Pode ainda ligar a opção de “Prompt visitors to send messages”, que quando uma pessoa visita a sua página, abre automaticamente a janela do Messenger na qual pode logo comunicar com a sua Página.

Resposta automática Messenger

Isto é ótimo, porque se a pessoa comunicar consigo, pode depois criar anúncios de Messenger chamados “Mensagens patrocinadas”.

Este tipo de anúncios só está disponível para mostrar a pessoas que já comunicaram com a sua página (não pode mostrar para quem não interagiu com a sua página no Messenger). Existe um outro tipo de anúncios Messenger que pode fazer, a que chamo “anúncios messenger de destino”, que menciono na dica 4 abaixo.

Anúncio Facebook Messenger

4. Incentive as pessoas a interagir

Experimente fazer anúncios no Messenger para incentivar as pessoas a enviar-lhe a primeira mensagem.

Quando elas o contactam via Messenger, pode mostrar-lhe anúncios de “Mensagens patrocinadas” (apenas para quem comunicou com a sua página).

As taxas de abertura para este tipo de anúncio (que enviam mensagens) são espetaculares: tenho taxas de abertura de 80%-90%, e grandes taxas de cliques também.

Um outro tipo de anúncio Messenger que pode fazer, e que não está dependente do utilizador ter comunicado com a sua Página, são os anúncios Messenger de “destino”, que é um anúncio normal como qualquer outro, mas que quando clicado, abre uma janela do Messenger.

Anúncio Facebook Messenger de destino

5. Não use só o Messenger

Depender só do Messenger para comunicar com os seus potenciais clientes limita o seu alcance apenas para as pessoas que estão com login no Facebook.

Embora seja “a” rede social mais usada do planeta, não significa que seja o melhor sítio, a toda a hora, para todo o tipo de empresas chegarem às pessoas.

Não dependa só do Messenger, porque é como meter os ovos todos na mesma cesta: se cair, partem-se os ovos todos. Espalhe a sua estratégia por diferentes táticas de marketing.

Por exemplo, use o email também. O email marketing, apesar de ter taxas de abertura e cliques inferiores ao Messenger, é algo que ainda é muito forte como tática de marketing.

Caixa de entrada de email

Veja por curiosidade o artigo Será que o Messenger vem substituir o email?

6. Não seja muito promocional

Embora a natureza instantânea e pessoal do Messenger torna-o um canal eficaz para chegar às pessoas, vender e servir de apoio a cliente, é também um perigo devido à tentação do mesmo.

E essa tentação é querer ser demasiado promocional e empurrar produtos e serviços às pessoas.

Se você fizesse isso com os seus amigos no Facebook, de certeza que iria ter menos amigos daqui para a frente. Não faça isso aos clientes.

Pode vender, mas agregue valor primeiro às pessoas com bom conteúdo (bons artigos, vídeos, posts).

Prenda na mão

P.S.: Para informações completas sobre as Mensagens do Messenger, visite a página de ajuda do Facebook.