Programmatic – tendências em 2015

A palavra do ano (não oficial) na publicidade para 2014 é #programmatic.

Enquanto que programmatic se tornou uma das inovações mais faladas em publicidade este ano, uma grande parte da malta no mundo do marketing não faz ideia do que isto é.

A palavra programmatic significa automatizar o processo de comprar inventário de publicidade. Programmatic tve um grande impacto em publicidade nos móveis, com euforia nas redes de anúncios mobile passando para Demand Side Platforms (DSPs), que lhes permite maior foco nas necessidades do cliente ao passo que as mudanças automatizadas lidam com o inventário do anúnio.

Programmatic começou a automatização da compra, colocação e otimização da publicidade. Outros meios como reuniões cara-a-cara, prospeção por telefone estão a cair em desuso nalgumas indústrias que começam a favorecer este novo meio de publicidade. O programmatic resulta num processo mais rápido, fácil e com menor tendência para erro humano, tanto para compradores como editores.

De acordo com um artigo na INMA, a analista Karsten Weide da International Data Corporation (IDC), o gasto total em programmatic, no que toca a publicidade online de display e vídeo em todos os mobiles foi de cerca de 5 biliões de dólares norte-americanos em 2013, dobrando para 10 biliões no ano de 2014.

O que podemos esperar de programmatic em 2015?

“Tudo o que puder ser automatizado, será automatizado”, disse a analista Karsten Weide na entrevista do artigo anterior, prevendo quase 15 biliões de dólares gastos em 2015 e 38 biliões para 2016. Esta é uma tecnologia verdadeiramente disruptiva.

Programmatic terá um rápido crescimento em 2015 (talvez não em Portugal ainda), com maior entendimento do que é dentro do círculo dos profissionais do marketing e publicidade.

Parte da atual ignorância do que é o programmatic vem da suposição que muitas pessoas não sabem distinguir isto do sistema de licitamento.

Os anunciantes e os fornecedores digitais, com maior entendimento sobre este meio, estarão aptos para adoptar novas soluções.

Alguns analistas especular que o programmatic irá dominar o munda da publicidade, e não apenas no novo mundo dos media. A TV, rádio e imprensa não irá sair impune.

Isto não significa que vamos deixar de precisar de pessoas, pelo contrário, vai ser necessária supervisão e feedback inteligente e criativo que só um humano pode dar.

Haverá uma mudança acentuada em direção ao programmatic à meduida que mais filmes e séries são passados pela internet. Certos fornecedores destes serviços, como o Hulu, já se aventuraram no mundo do programmatic, e cadeias de televisão como a ABC estão prestes a iniciar a sua jornada neste mundo.

Só o futuro sabe o que ele reserva, mas poderemos vir a assistir não à extinção da publicidade tradicional, mas sim uma mistura híbrida que resulta em maiores escolhas envolvendo profissionais com uma mentalidade diferente, agregando maior para clientes, agências de meios e editores.

Website ou redes sociais?

Enquanto que as redes sociais têm apps elas são websites. És dono(a) do Facebook? Não és pois não? Pois… mas se tens um website, és dono dele. Aí está a diferença. Tu controlas o teu website, mas não controlas o Facebook.

Existem exemplos de empresas que não têm um website e existem apenas no facebook ou numa conta twitter? Claro que sim, porque é gratuito, a barreira de entrada é pequena. Mas lá por uma ou outra ter sucesso, existem umas 1000 que falharam redondamente nesta estratégia.

O que é que acontece quando o Facebook, ou Pinterest ou Twitter for desta para melhor? É impossível? Há alguns anos atrás o MySpace desapareceu na obscuridade, hoje, está a ganhar tração.

O Facebook, Twitter, o Google+, o Pinterest, até o novo jogador em cena, o Snapchat, e quaisquer outras redes sociais poderão mudar os seus termos, restringir o seu uso ou afetar o utilizador, que pouco ou nada poderemos fazer em relação a isso. Mas o teu website é o teu website.

Tu és dono do teu website, mas não és dono do Facebook.

YouTube Rewind 2012

Youtube Year in Review 2012

Official Video

This is the official video by Youtube capturing the most viral videos and trends in 2012 on youtube.

On Tuesday, December 18th, if you glanced at top left corner of the screen you could see a different icon. Upon hovering over it you would get Park Jae Sung’s dancing dummy, Gangnam Style 🙂

youtube-icon-year-2012-review       youtube-icon-year-2012-review-dancing

Clicking the icon will get you to Rewind YouTube Style 2012 video.

You can also check out the Behind the Scenes and the Interactive Timeline video below.

Behind the Scenes + Outtakes from Rewind YouTube Style 2012

Interactive Timeline: YouTube Rewind 2012 (Global)

I really like their gangnam style pic made for the video.

Rewind 2012 - Youtube Style
2012 – Year in Review – Youtube Style

Google e Facebook mostram 2012 em destaque

Felix Baumgartner com fato de astronauta a preparar-se para salto do espaço
Felix Baumgartner queda livre do espaço – imagem de CNN em cnn.com

Facebook, Twitter e Google – 2012

Tendências virais de 2012

Facebook, Twitter e Google mostram o ano de 2012 em revista com os acontecimentos que marcaram o ano e os vídeos e eventos que se tornaram virais, tais como:

  • Um carro telecomandado a aterrar no planeta Marte e um homem a cair do espaço
  • Um furação que deu cabo da Costa Este dos EUA;
  • As redes sociais, que cada vez mais juntam e ligam as pessoas e marcas um pouco por todo o mundo.

Vídeos virais de 2012, desde “Gangnam Style” até “Kony 2012”.

A morte “acidental” da Whitney Houston, por afogamento, foi uma das top procuras em todo o Google este ano, gerando também mais de 10 milhões de tweets, e foi o 4.º maior evento do Facebook em 2012. O Furação Sandy teve mais de 20 milhões de tweet, e foi o evento com maior tendência para crescer em 2012 no google.

O Google define as tendências como sendo as pesquisas que tiveram maior quantidade de tráfego ao longo dum determinado período em 2012, quando comparado com 2011.

Embora as redes sociais e os motores de busca sirvam propósitos diferentes, ambos capturam a atenção das pessoas e a utilização que estas fazem neles numa base diária, senão veja-se: mais de 2 terços de adultos Americanos usam as redes sociais frequentemente. São mais as mulheres do que os homens que usam as redes sociais, embora estes dados possam estar um bocado viciados porque existem vários perfis de mulheres que são criados por spammers. Ao todo, mais de 90% dos adultos com idades compreendidas entre os 18-29 anos estão nas redes sociais.

Já as tendências no twitter são um pocuo diferentes. Os twitters mais populares foram do Barack Obama, presidente dos Estados Unidos da América, ao celebrar mais 4 anos de mandato. Embora estes acontecimentos sejam à volta dos EUA como nação, é curioso como os tweets dele foram dos mais populares a nível mundial. Por cá, em Portugal, o twitter não parece ter grande aderência.

Mais tendências/trends:

Twitter: Ano de 2012 no Twitter

Google: Google Zeitgeist 2012

Facebook: Ano de 2012 no Facebook