Cria o teu próprio emprego

Seis passos para ires por conta própria

Sair da nossa zona de conforto e deixar um emprego seguro para criar o teu próprio negócio é um grande passo. Mas muitas pessoas são atraídas para as recompensas que daí podem vir.

Autonomia, horas de trabalho e a hipótese de gerir a tua própria carreira (e vida) são algumas das principais vantagens. Contudo, como numa casa, o sucesso depende de bons alicerces, por isso antes de assumir que és um dos grandes, certifica-te que fazes o trabalho de casa antes de avançares.

1. Plano para o sucesso

Mesmo que pretendas trabalhar sozinho como um freelancer, deves encarar a coisa como um negócio à mesma. Assim, é importante criares um plano de negócios que define o que tens para oferecer, quem são os teus potenciais clientes, como te vais introduzir e apresentar ao mercado, previsões financeiras realistas e onde queres estar daqui a um, três e cinco anos.

Um plano ajuda-te a pensar estrategicamente sobre o que estás a fazer, bem como servir como um guia para o teu crescimento. Um plano não é uma coisa imutável, ele pode ser mudado conforme o teu negócio se vai desenvolvendo. Para além disso, se precisares de qualquer tipo de ajuda financeira para empresas, vais mesmo precisar de um plano de negócios. Um plano de negócio não é nenhum bicho-de-sete-cabeças mas sim algo que ajuda a clarificar a tua ideia daquilo que queres.

2. Destaca-te com um bom nome

Um bom nome para um negócio pode fazer toda a diferença e ajudar a ganhar destaque dos teus concorrentes. Pesquisa quais os nomes dos teus concorrentes e pensa em algo apelativo, e que não seja difícil de pronunciar (especialmente se for um Inglesismo). Seja qual for a tua escolha, convéns teres todo o teu material de marketing bem desenhado e impresso (por exemplo, um cartão de contacto).

3. Tem tudo em ordem

É necessário verificar qualquer licença ou autorização para a tua área de negócio. Se és um comerciante ou retalhista local por exemplo, vai precisar de uma licença local. Se és uma empresa na área da restauração, vai precisar de um certificado de higiene e segurança alimentar, e por aí. Se tiveres dúvidas, podes encontrar conselhos sobre licenças e autorizações na tua associação de comércio local ou em associações a nível nacional.

4. Regista-te como trabalhador por conta própria ou sociedade

Precisas de declarar início de atividade no portal das finanças ou na tua delegação local das finanças. Tanto no portal como na delegação é um processo muito simples. Se o teu nível de faturação anual for inferior a €10.000,00 ficas isento de IVA. Quer vás colocar-te como trabalhador por conta própria ou constituir uma sociedade, poderás fazê-lo no portal da empresa. Nota que se te registares como trabalhador por conta própria tens direito a um ano sem pagares segurança social.

5. Faz contas à vida

Vale a pena controlares as tuas finanças do dia-a-dia ou mês a mês, logo desde o início, como os pepinos. Receitas, despesas, lucro, pagares um salário a ti mesmo(a), e ainda garantires que pões de lado um dinheirinho extra suficiente para os pagamentos de impostos e outros – tudo isto é essencial se queres realmente gerir uma empresa financeiramente sólida. Saber como as tuas finanças do trabalho funcionam, também te ajudam com uma previsão e planeamento para o teu negócio.

Se a tua atividade é simples, podes fazer tu mesmo(a) a contabilidade com um bom software de contabilidade. Existem várias opções no mercado que têm versões gratuitas, como é o caso do Projeto Colibri. Existem outras soluções no mercado, mas o Colibri tem uma versão gratuita e a nível de ótica de utilização e usabilidade, é o melhor na minha opinão.

Está ciente do que podes reivindicar como uma despesa de negócio. Estas incluem o investimento em equipamentos, a renda do escritório, papelaria, e algumas despesas de viagem e estadia. Esmiúça tudo até à última gota.

6. Encontra um bom sítio para trabalhar

Se queres trabalhar bem tens de ter um ambiente que te proporcione a tal. Se vais abrir um escritório, oficina, estúdio ou loja, pensa bem sobre o local (estar perto dos teus clientes) e a relação custo-eficiência. Se no entanto, prestas serviços (design, web design, etc) que possam não estar dependentes duma localização física e próxima dos teus clientes, então isso será menos importante.

Podes sempre preferir começar em casa, mas vais precisar de investigar se é necessário pagar impostos específicos ou obter permissões, dependendo da tua área de actividade e de onde moras. Nota que eu sou Português, muito deste conselho pode-se aplicar em qualquer país onde se fale o Português, mas tens que fazer o teu trabalho de caso não vá teres legislação diferente no teu Estado ou cidade.

Também pode acontecer que, sendo a tua atividade feita em casa, deves informar a tua companhia de seguros destas circunstâncias, porque o tipo de cobertura que tens actualmente pode não ser suficiente e podes precisar de maior cobertura.

Em alternativa a isto, podes fazer o que milhares de trabalhadores por conta própria fazem e trabalhar em sítios de co-working, ou talvez locais públicos com acesso wi-fi gratuito. São de baixo custo, por vezes gratuitos, flexíveis e permitem que tenhas onde trabalhar.

VAI-TE A ELES

Estás a pensar criar o teu negócio? Quais os teus medos, incertezas, prós e contras? Partilha tua opinião, responde no comentário em baixo.

Seja social e partilheShare on FacebookShare on LinkedInTweet about this on Twitter

Deixe um comentário