10 Erros que está a fazer com os seus Anúncios Facebook

10 Erros que está a fazer com os seus Anúncios Facebook

Adicionar ao carrinho

Atualizado: Dezembro 2019


Pense no último anúncio que viu na sua feed no Facebook. Lembra-se qual era? Pois, eu também não. Em média, uma pessoa é exposta a milhares de anúncios todos os dias.

Somos bombardeados com mensagens a incentivar-nos a comprar, como nos devemos sentir, e como devemos pensar. No mundo em que vivemos, parece que não há grande coisa que podemos fazer para escapar de todos estes anúncios e publicidade.

Mas há uma coisa boa a tirar disto. A publicidade online está mais acessível às pequenas empresas do que alguma vez esteve na história da humanidade.

Por outro lado, isso também é um problema, porque agora que a barreira de entrada é pequena, toda a gente consegue correr uma campanha.

Isso significa que mais de metade dos anúncios no Facebook não prestam e são irrelevantes. Pagar para colocar um anúncio não garante que ele vai ser bem-sucedido.

O Facebook não quer saber se você gastou o seu orçamento para tentar vender coleiras de gatos a pessoas com cães; eles estão demasiado ocupados a rir-se e a meter no bolso.

Talvez seja por isto que 62% das empresas dizem que os anúncios Facebook não funcionam para eles.

É mais fácil culpar a plataforma do que tentar perceber exatamente porque é que eles não estão a funcionar.

Por isso, aqui estão 10 Erros de Anúncios Facebook que você provavelmente está a fazer.

Erro #1 – Anúncios Facebook

Está a enviar as pessoas para a página errada

A página para a qual está enviar os seus visitantes deve ser parte da sua estratégia. Deve ter como base o objetivo da sua campanha, conteúdo de anúncio e audiência.

Torne a vida fácil para o seu cliente. Não os force a gastar tempo a tentar encontrar o produto que está a promover.

Se está a promover um par de botas vermelhas com 20% de desconto e o visitante está a aterrar na sua homepage, é provável que se vão logo embora.

Quanto mais tempo passam a ver e navegar pelo seu site, mais tempo têm para ter intenção para comprar o seu produto ou serviço.

Use esta página para apresentar a sua marca, apresentar o seu produto e convencer a pessoa a comprar de si ou requisitar o seu serviço.

Mesmo que já estejam familiarizados com a sua marca, uma landing page à medida deles, pode aumentar as conversões. Vá ao Google e pesquise por “landing page examples” para ter algumas ideias de landing pages e como fazer.

**DICA NINJA**

(dica ninja)

A página para onde envia o tráfego do seu anúncio deve ser testada com cada campanha de anúncios. Faça dois anúncios iguais para públicos-alvo iguais, mas envie-os para duas landing page diferentes. Qual delas lhe dá um menor custo por conversão?

(dica ninja)

“O que é o custo por conversão?” Bem, isto leva-nos ao segundo erro de anúncios Facebook…

Erro #2 – Anúncios Facebook

Não está a acompanhar conversões

É bom saber analisar o custo por clique e o custo por impressão da sua campanha, mas estas métricas só mostram metade da informação que deveria saber, que é a informação que obtemos do Facebook. A outra metade da informação está fora do Facebook. Está no seu site, nas suas landing pages.

O que é que acontece quando eles clicam no anúncio para sair do Facebook e aterrar no seu website? Eles compram? Ficam na página por 3 segundos e depois saem? Inscrevem-se na sua newsletter? Adicionam um produto ao carrinho, mas saem antes do checkout?

Se não está a acompanhar estas métricas, está a lançar dinheiro para a rua. O custo por conversão é uma das métricas importantes com as quais se deve familiarizar e tratar por tu.

Gastar €50 no seu orçamento de anúncios para ter uma venda de €20 duma coleira de cão, não o(a) leva a lado nenhum. Exceto talvez, colocar o seu negócio no vermelho. Talvez a Campanha A converta clientes a €2 por coleira de cão, enquanto a Campanha B os converta a €100 por coleira de cão. Se assim for, a Campanha B tem de ser revista ou desativada.

Erro #3 – Anúncios Facebook

Vender à força a públicos frios

Está a fazer um anúncio Facebook a promover uma coleira às riscas cor-de-rosa, para cães pequenos. Você define o seu público-alvo para as pessoas que gostam de cães e vivem em Portugal.

O público-alvo para este anúncio nunca esteve no seu site, e não tem ideia de quem você é ou da sua marca. Tanto quanto sabem, você até pode ser um daqueles sites maliciosos que está ali para os enganar.

Tentar vender a um público frio com os seus anúncios, é como convidar alguém a um hotel 5 minutos após termos conhecido a pessoa num bar. Não é impossível, mas a probabilidade de obter um “sim” é minúscula. Bem, também depende de que tipo de bar é (ahem…).

Além do facto de que está a pedir em casamento à sua audiência no primeiro encontro, como é que sabe que eles sequer estão à procura duma coleira de cão?

Sabe se o cão deles é pequeno o suficiente para esta coleira específica? Talvez o cão não goste de cor-de-rosa. Talvez nem tenham um cão. Você não sabe as preferências que eles têm, por isso está a gastar em anúncios ao mostrar-lhe produtos específicos no qual podem não ter interesse nem necessidade.

Então como resolvemos isto? Apele ao “que é que eu ganho com isto” e ofereça-lhes alguma coisita. Pode fazer um anúncio a promover uma competição/passatempo para ganharem uma coleira de cão. Tudo o que têm de fazer é entrar no sorteio, escrever o email, a raça do cão e cor favorita.

Pode depois criar públicos personalizados (https://joaoalexandre.com/blogue/guia-completo-facebook-publicos-personalizados/) da lista de email (segmentada por tamanho do cão, e/ou cor favorita), fazendo-lhes retargeting com produtos específicos.

A outra forma de fazer isto é através do píxel do Facebook (https://joaoalexandre.com/blogue/pixel-facebook-perceber/). Após instalar o píxel, pode saber a quantidade de visitantes que estiveram em certas páginas. Isto permite-lhe criar públicos personalizados para cada produto ou categoria de produto.

Se você visitou a minha página da coleira às riscas cor-de-rosa, vai agora começar a ver anúncios para coleiras às riscas cor-de-rosa na sua feed do Facebook.

Erro #4 – Anúncios Facebook

Só fazer “impulsionar “publicações

Só faz “Promover publicações” em vez do Gestor de Anúncios.

Os posts impulsionados podem até ser um bom ponto de partida. Algumas campanhas que fiz começaram bem com posts promovidos. Tudo depende daquilo que encara como sendo um bom resultado. Se quer mais pessoas a verem e interagirem com o seu post, então um post promovido pode ser bom.

No entanto, se quer aumentar conversões no seu site (ex.: vender mais coisas), então um post promovido não é suficiente.

https://joaoalexandre.com/blogue/promover-post-facebook-corretamente/

Em vez disso deve criar a sua campanha através do Gestor de Anúncios, com um objetivo de campanha de Conversão.

O Facebook é uma plataforma inteligente. Eles provavelmente sabem mais sobre nós do que nós sabemos de nós próprios. Eles sabem que estamos propensos a comprar, ou reticentes em compras online.

Sabem se estamos inclinados a marcar um amigo nos comentários, ou simplesmente fazer scroll. Dependendo do objetivo de campanha que definiu, o Facebook vai mostrar os anúncios às pessoas que ele acha mais apropriadas para esse resultado pretendido.

Os objetivos de campanha dos Anúncios Facebook são:

  • Divulgação da marca
  • Alcance
  • Tráfego
  • Instalações da app
  • Visualizações do vídeo
  • Geração de leads
  • Interação com a publicação (igual ao post promovido)
  • Gosto da Página
  • Respostas a eventos
  • Mensagens
  • Conversões
  • Vendas de catálogo
  • Visitas à loja

Experimente diferentes objetivos de campanha, teste as coisas, não deixe que seja eu ou algum guru a dizer-lhe que isto ou aquilo é melhor.

Seja que objetivo escolher, deixe o anúncio correr durante pelo menos 24-48 horas antes de fazer qualquer tipo de alteração (ex.: desativar), para permitir ao Facebook fazer a otimização dele.

Erro #5 – Anúncios Facebook

Só quer é Likes

Fazer uma campanha para likes no Facebook pode ser uma boa forma de vaidade, mas não vai aumentar as suas vendas.

Nos bons velhos tempos (ahem, 2013), podia ter milhares de likes na página Facebook, e saber que estas pessoas iriam ver os seus posts. Nos dias de hoje, está com sorte se alguns gatos-pingados conseguirem ver o seu post.

“Graças” ao algoritmo do Facebook, o alcance orgânico bateu no fundo. De certa forma isto até é bom, caso contrário as nossas feeds ficariam cheias de lixo (e não teriam vídeos de cachorrinhos).

Mas isso também significa que a maioria das pessoas que gostam da sua página Facebook não irá nunca ver os seus posts na feed de notícias delas.

Isto faz com que os likes duma página Facebook sejam uma métrica de vaidade. Sim, parece bem e fixe poder dizer que tem 10.000 likes de página, mas isso já não tem grande importância nem relevância nos dias de hoje.

É bem melhor usar o seu orçamento a ir ao encontro dum objetivo que faça mais sentido.

Erro #6 – Anúncios Facebook

Alcança as pessoas erradas

Saber fazer um bom targeting não é algo que vai conseguir acertar logo à primeira. Requer uma série de testes, mensurações, e ajustamentos para chegar ali ao ponto certo.

Quando comecei a fazer os meus anúncios (para mim próprio), pensei que o meu cliente ideal seria homem dos 25-36 e a viver numa grande cidade.

Através da experiência e testes, descobri que na realidade os meus anúncios até funcionam bem para tanto homens como mulheres após a casa dos 30 ou 40 que não vivam necessariamente em cidades grandes.

Portanto, não testar públicos diferentes é um erro que está a fazer com a sua segmentação.

Escolher um público demasiado grande é outro erro.

Pensamos que ter um “ganda” público é bom, certo? Alcançar mais pessoas significa que mais vão comprar, certo? Errado.

Com uma grande audiência, os seus anúncios não vão ser mostrados a toda a gente – a menos que tenha uma carteira recheada. O Facebook estará a gastar o seu orçamento a mostrar anúncios a pessoas que nunca irão comprar o seu produto.

Volte à analogia de vender coleiras de gatos a pessoas que têm cães; eles não vão comprar o seu produto (a menos, talvez, que tenham um gato muita grande, mas isso é outra história).

“Então, João, que tamanho de público devo ter?” A resposta curta é: depende.

A resposta longa é: teste. Se o Gestor de Anúncios do Facebook nos diz que a nossa audiência é muito vasta, então provavelmente é.

O tamanho do público depende de vários fatores. Alguns experts sugerem públicos nos milhões.

Isto poderia funcionar se estivéssemos num país grande, ou se estivéssemos a segmentar para um nível mundial.

Se estiver a segmentar apenas para Portugal ou países que falam o idioma, alguns milhões já começa a ser muito vasto.

Ainda assim, não seja como aquele tipo que assustou o colega de casa ao mostrar-lhe anúncios altamente segmentados para ele.

Aqui a lição a tirar é que, se o seu público é específico, os seus anúncios serão mostrados às mesmas pessoas várias vezes. Com isto, a sua Classificação de Relevância (1-10) vai baixar.

No entanto, já tive algumas campanhas com pequenos públicos (<10000) devido a ser um segmento de mercado específico.

O que isto significa é que devemos estar atentos a acompanhar as métricas e dar um refresh ao conteúdo do anúncio de vez em quando.

Erro #7 – Anúncios Facebook

Não vê a Classificação de Relevância

O que é uma classificação de relevância? É a maneira do Facebook nos dizer se considera o nosso anúncio relevante para a nossa audiência.

Basicamente pode pensar nisto como “será que as pessoas se vão importar com isto”? Se as pessoas denunciam ou ocultam o anúncio, esta pontuação baixa. Se as pessoas interagem com o anúncio, a pontuação sobe.

Se o anúncio realiza os seus objetivos (ex.: conversões para um anúncio otimizado para conversões, ou cliques para um anúncio otimizado para tráfego), a pontuação sobe.

Então porque é a classificação de relevância, uhm, relevante? Além de ser uma boa forma de nos dizer se temos um bom público e conteúdo, também afeta o custo que paga para alcançar as pessoas.

O Facebook quer mostrar os anúncios certos às pessoas certas, por isso se o seu anúncio tem uma pontuação de relevância alta, o Facebook irá mostrá-lo a mais pessoas. A um custo reduzido. Simples.

Se a sua classificação de relevância começa alta mas depois começa a descer, significa que o seu anúncio está ser mostrado várias vezes às mesmas pessoas. Experimente fazer um refresh das suas imagens ou copy, ou experimente um público diferente.

A classificação de relevância não é uma métrica isolada, ela deve ser analisada em conjunção com outras.

É apenas uma parte do puzzle, mas pode-lhe dar algumas pistas da razão da sua campanha não estar a produzir os resultados que quer.

Não é impossível ter uma campanha de sucesso com uma classificação de relevância baixinha. Já aconteceu ter campanhas de geração de leads com pontuações de 3-4 mas que estavam a gerar leads de alta qualidade a custos decentes.

Erro #8 – Anúncios Facebook

Não usa boas imagens

“Não quero saber quão branquinhos são o dentes do modelo da foto, vou continuar a fazer scroll porque parece falso”.

Pode acontecer uma de duas coisas: 1) você tem fotos de bancos de dados de imagens, com modelos maquilhados, ou editados no Photoshop, ou 2) está a usar fotos (mal) tiradas do seu telefone e parece muito amador.

Nem todos podem contratar um fotógrafo profissional, mas sabe uma coisa? O YouTube é gratuito. Apps como a Picx removem o background da sua imagem gratuitamente.

Provavelmente você conhece alguém com uma câmara DSLR que lhe podem emprestar, e se não conhece, existem alguns sítios onde pode comprar equipamento barato ou mesmo em segunda mão (quem sabe, OLX?).

Se não quer fazer as coisas por si, peça ajuda a um profissional, ou melhore a forma como tira as fotos e saiba editá-las.

Se não tem um produto tangível, há muitos websites de stock photos que com imagens que podem ser apropriadas para a sua audiência. O Unsplash é um bom site de fotos gratuitas.

Ao escolher a imagem para o seu anúncio, a consistência é outro fator importante. A imagem que escolheu é consistente com a sua marca? É congruente com a landing page para a qual está a enviar as pessoas?

Porque se não for, os visitantes podem pensar que clicaram num link errado e que não estão no sítio certo.

Da próxima vez que estiver a fazer scroll na feed do Facebook, preste atenção às imagens que lhe saltam à vista.

As imagens que o(a) fazem parar e olhar, para ver os anúncios. O que gosta nelas? O que as faz destacar? Como poderá aplicar estes conceitos às suas próprias imagens?

Erro #9

Copy não convincente

Boas imagens e um bom título poderão captar a atenção das pessoas, mas o propósito da sua copy (corpo de texto) é manter a atenção delas.

O Facebook é como uma fonte que transborda informação por todo o lado. Normalmente apenas leio uma frase da maioria dos posts da minha feed, a menos que ele me chame à atenção, caso contrário, continuo a fazer scroll, scroll, scroll, hey olha, cachorros.

Isto significa que você tem uma frase, talvez duas, como oportunidade de captar a atenção da pessoa (e mantê-la). Como vai fazer com que elas continuem a ler.

Normalmente começo um anúncio com uma pergunta ou saudação, que cria intriga e/ou confronta a audiência. Por exemplo, “sente-se um pai desnaturado porque não tem tempo para fazer lanches saudáveis?”

De seguida, queremos mostrar que percebemos a dor da nossa audiência. Por exemplo, “Eu percebo. Como um pai ocupado, sentimo-nos culpados por dar aos nossos filhos snacks do supermercado cheios de açúcares e químicos. Por isso criei…”

Também ajuda e destacar alguns benefícios do seu produto, não apenas as características. Pense naquilo que o seu cliente obtém do seu produto ou serviço.

Suponha que sou um professor de natação. Ensino miúdos a nadar. Poderia pensar que o benefício das minhas aulas é que os miúdos aprendem a nadar, certo?

Bem, sim. Mas os benefícios vão para além disso. Os miúdos não estão apenas a aprender a nadar, também estão a aprender a como não se afogar.

Não sou pai, mas eu iria querer o professor de natação que irá impedir o meu filho de se afogar, de um que vai dizer que o vai ensinar a nadar.

Erro #10

Produto fraco ou não adequado ao mercado

Esta é potente. Infelizmente é comum com muitos empreendedores. O seu produto ou serviço é o seu bebé, você apaixona-se pelas suas ideias. Fantasia sobre essas ideias, que por vezes se esquece perguntar à sua audiência se eles têm mesmo necessidade do produto. Se de alguma forma resolve um problema para eles.

Por vezes, quando os nossos anúncios Facebook não convertem, é fácil culpar a plataforma, “que porcaria, os anúncios Facebook não funcionam” é uma queixa frequente.

Mas se NÃO testou o seu produto, NÃO foi lá fora e perguntou às pessoas da sua audiência se elas precisam do produto, ou se de todo querem o produto, então não há quantidade de publicidade que vá ajudar.

Pode gastar uma fortuna em anúncios, mas se não tem um produto adequado ao mercado, está a perder o seu tempo – e sanidade mental.

E você, está a cometer alguns destes erros? Vá lá, partilhe comigo nos comentários 🙂


Ao teu sucesso,
assinatura-joao-78x50-nenhuma
João Alexandre
Estratega Digital

Marketing Digital sem espinhas

Deixe um comentário