5 dicas pro de Retargeting

5 dicas pro de Retargeting

Chatbots

Atualizado: Novembro 2019


Retargeting (ou remarketing). Quem sabe faz. Porque dá resultados. Porque é barato.

Sabe quantas pessoas teriam voltado ao seu site se você não tivesse um anúncio de retargeting a correr?

Não sabe.

Qualquer marketeer lhe dirá que devemos fazer retargeting, e eu também. Mas não é um facto de que as pessoas não voltariam para concluir a compra.

Tenho visto alguns negócios e-commerce a fazer copy-paste desta abordagem tradicional:

  1. retargeting a todos utilizadores que não se converteram
  2. retargeting a todos visitantes do carrinho que não se converteram
  3. retargeting a todos visitantes checkout que não se converteram

Nota: isto é para qualquer tipo de retargeting (Facebook, Google, AdRoll, etc).

Já alguma vez pensou porque as pessoas precisam de ser retargeted? Provavelmente já. Mas fez alguma coisa em relação a isso, para PREVENIR?

Não lhe estou a mandar desativar as suas campanhas. Tenha apenas outras coisas em mente quando estiver a fazer campanhas de retargeting.

Eis o que aconselho.

1) Não se fie nos dados de retargeting do Facebook

É fácil pensar que estamos a “bombar” com o retargeting, mas há aqui um problema, e ele é o Google Analytics (não é bem um problema, vou explicar).

O Facebook adora tomar crédito por tudo. Se o seu anúncio RT foi clicado, o utilizador saiu do site, recebeu um email de abandono de carrinho, clicou nele e converteu-se… adivinhe quem vai tomar crédito pela conversão?

Vá ao Google Analytics e veja lá os dados. A sério. Está a usar UTM’s por alguma razão. Isso beneficiou a customer journey, mas não quer que o FB fique com todo o crédito.

Veja este artigo para perceber porque é que o Facebook e o Google Analytics dão resultados diferentes.

2) Não dê descontos a torto e a direito

As pessoas são impacientes, mas são mais espertas do que pensa. Se está a fazer anúncios RT ou emails de abandono de carrinho: não envie descontos nos primeiros 2 a 4 dias. Ou teste a coisa.

Isto porque muitas pessoas sabem que os websites estão desejosos de perder um bocadinho de margem para obter a venda. Crie públicos com base num atraso, do género “visitou site 1 dia atrás até 3 dias atrás”.

3) Retargeting a quem se converteu

A menos que tenha um produto altamente aborrecido, isto é normalmente ignorado: faça retargeting a quem já comprou de si anteriormente.

Isto é especialmente importante se vender algum tipo de produto sazonal, ou recargas. É obrigatório. É mais fácil vender a quem já lhe disse que sim, do que ir à procura de novos clientes.

4) Crie a sua própria página de cupões

Em vez de andar a pagar comissões em cima do desconto que anda a oferecer às pessoas, crie uma landing page só para os seus cupões.

Para aqueles que usam Google para pesquisar por marca + cupão, vai querer criar um anúncio Google para eles, afunilando-os para a sua página de cupões. E para mais ninguém.

#Ninja: eles que escrevam o endereço de email para obter o desconto.

5) Pergunte aos clientes porque não compraram

Óbvio, certo? Mas ainda assim quase ninguém pergunta às pessoas porque não compraram.

Pode usar ferramentas como o Hotjar para lhes dar um “ping” quando eles estão inativos e perguntar-lhes “olá, o que o está a impedir de comprar na nossa loja?” Os INSIGHTS que vai ter vão-lhe dar um feedback espetacular de coisas que talvez ainda não tivesse pensado.

Ao seu sucesso.

P.S.: 
Inscreva-se neste FB Live pontual (não iremos repetir) sobre como usar o Marketing Digital, Anúncios Google e Facebook para dominar a concorrência.

Clique aqui para se inscrever: https://m.me/joaoalexandretraining?ref=mktdigital

Algum amigo seu merece ler esta dica?


Ao teu sucesso,
assinatura-joao-78x50-nenhuma
João Alexandre
Estratega Digital

Marketing Digital sem espinhas

Deixe um comentário