7 passos para criares a tua empresa

Utilizador pagina web

Atualizado: Outubro 2019


Tens uma ideia? Um projeto em mente que queres desenvolver?

Criar uma empresa pode ser assustador, por isso é importante iniciares a tua jornada por passos. A cada passo que deres, concentra-te no teu objetivo e se estás a ir ao encontro dele.

Coloca a ti mesmo(a) suposições que podem ser difíceis ou contraditórias, mas que te irão ajudar nesta jornada.

Faz estas suposições

Há 3 ou 4 equipas no mundo inteiro a trabalhar nesta ideia agora
Qualquer pessoa que pensa que a ideia dela é única ou nunca foi pensada, vive no mundo da fantasia. Ao longo dos anos aprendi que se existe uma oportunidade de mercado baseada em (novas) tendências, então aposta em haver malta a trabalhar de volta desse mesmo problema ou ideia.

Mas não faz mal, porque o meu objetivo é ser mais rápido do que eles, é por isso que sou um apologista da metodologia Lean, especialmente a “Lean Startup”. Não é quem é o primeiro, mas quem se mexe mais depressa.

Isto secalhar é um erro
Não quer dizer que o teu projeto seja mau, pode ser que apenas estas menos certo nalgumas áreas de como o vais pôr a mexer. Podes ter de analisar melhor o teu modelo de distribuição, o modelo de negócios ou a solução que apresentas ao teu público-alvo.

Seja o que for, mexe-te à mesma com convicção, avança. Qualquer jornada tem de começar em algum lado, e um gráfico de crescimento duma empresa de sucesso, no início, tinha uma linha plana, antes de começar a curvar para cima.

Eis os 7 passos para validares a ideia para a tua startup.

1 – Chama-lhe um projeto

Quando chamas algo um projeto, ajuda-te a pensar na quantidade de tempo e dinheiro que estás a investir nele. Podes partilhar o projeto com o mundo sem teres aquela pressão de o teres de perseguir (porque projetos há muitos.

Não precisas de sair do teu emprego estável só porque tens um projeto. Começa com ele, analisa a viabilidade da coisa, e depois decide.

2 – Dá-lhe um nome

Dá um nome ao teu projeto. Quando os meus pais davam nomes ao gado que nós tinhamos, tornava-se difícil olhar para eles como meio de alimentação e passávamos a considerá-los quase como animais de estimação.

O nome que lhe dás pode mudar. Usa um nome curto, com energia e vitalidade que te lembre do problema que ele resolve. Não percas muito tempo com o nome porque há coisas mais importantes com as quais vais ter que te preocupar.

3 – Vende alguma coisa

Agora que sabes o que fazes e tens um nome para o negócio, tens de tentar vendê-lo. Não precisas dum website, produto ou da solução, apenas de encontrar um cliente e tentar vender-lhe alguma coisa. Podes fazer prospeção ao telefone, ir ao centro comercial, falar com as pessoas, ir a empresas e pedir pelo responsável, entre outros.

Faz com que eles se identifiquem com o problema e concordem com a tua solução (oferta, preço, implementação) e que te dêem dinheiro. Isto é que é validação, meus amigo. Vende 10 clientes antes de avançares para a próxima passo. Nota que não é necessário sequer teres um produto ainda.

4 – Pede a alguém para se juntar a ti

O próximo passo é encontrares ajuda. Talvez até (aches que) consigas fazer tudo sozinho(a), mas convence outros a juntarem-se a ti e ao teu projeto. É outra forma de validares a tua ideia. Por isso é muitos investidores gostam de startups que têm co-fundadores, pois é sinal que foste capaz de convencer pelo menos outras pessoas que a tua ideia tinha mérito.

É fácil criar as coisas em isolação, mas sozinho não vais longe, porque não tens perspetiva do mundo exterior. Ter outras pessoas de volta de ti é importante.

5 – Define um objetivo que te inspire

Se tiveres encontrado clientes compradores e convencido outros a juntarem-se à tua causa, começa a pensar num objetivo de 3 a 5 anos que te irá inspirar em cada dia, à medida que avanças. Criar uma empresa é como carregar uma garrafa de gás cheia por uma colina acima, portanto, sem um objetivo, é fácil desistires e deixares a garrafa ir por aí abaixo.

Não definas um objetivo impossível, em vez disso, define um que seja um bocadinho difícil de alcançar, mas perfeitamente possível, dadas as tuas circumstâncias.

6 – Imagina-te daqui a um ano

Supõe que viajaste no tempo e estás 12 meses no futuro. O que é que te levou aqui? Ao imaginares ou vivenciares esse cenário, faz agora engenharia reversa, e aplica os teus pensamentos, ações e decisões a serem feitas baseada na visão que imaginas daqui a um ano.

Isto dá-te visão estruturada do teu projeto, que te pode ajudar a saber comunicar a tua ideia (e a vendê-la) a clientes (early adopters), à tua equipa e a investidores potenciais.

7 – Foca-te no problema, não na solução

Ninguém quer saber da solução, querem é saber do problema. Lembra-te qual é o problema que estás a resolver com a tua solução atual e quão bem é que estás a resolver o problema.

Muitas empresas falham porque apaixonam-se pela solução (tecnologia), e não o problema (aquilo que interessa aos clientes). Conhece o teu problema a fundo, torna-te um mestre no problema, e irás criar uma grande empresa. Lembra-te que a empatia para com os outros seres humanos é um dos melhores traços dum(a) grande empreendedor(a).


Ao teu sucesso,
assinatura-joao-78x50-nenhuma
João Alexandre
Estratega Digital

Marketing Digital sem espinhas

Deixe um comentário